The War Of Art Resumo - Steven Pressfield

Aprenda a aprender de casa! Para você usar o tempo a seu favor! REDUZIMOS A ASSINATURA EM 30%!

Oferta por tempo limitado!

3157 leituras ·  4.5 avaliação média ·  1014 avaliações

The War Of Art

The War Of Art Resumo
Estilo de vida

Este microbook é uma resenha crítica da obra: The War of Art: Break Through the Blocks and Win Your Inner Creative Battles

Disponível para: Leitura online, leitura nos nossos aplicativos móveis para iPhone/Android e envio em PDF/EPUB/MOBI para o Amazon Kindle.

ISBN: 1936891026, 978-1936891023

Também disponível em audiobook

Resumo

A resistência te atrapalha a alcançar seus objetivos

Você já teve um sonho ambicioso mas hesitou em tentar conquistá-lo? Você queria escrever um grande romance ou começar um novo negócio, mas um certo sentimento te atrapalhou?

Esse sentimento é chamado resistência – é a força que nos impede de realizar nossos sonhos e de conquistar o que queremos.

Qualquer coisa nova em nossa rotina que nos leva para longe do habitual será naturalmente acompanhada de resistência. A resistência é negativa e sempre se opõe às mudanças ou a qualquer coisa nova. Por exemplo, se você sente um desejo de começar um novo negócio, a resistência será a voz que te induz a ficar em seu emprego atual e a não tomar nenhuma atitude arriscada sobre um projeto que pode falhar. Se você quer começar uma nova dieta, a resistência será a voz que vai te dizer: “Você pode começar a dieta amanhã. “

Esse sentimento de resistência é normal. Ele é impessoal, universal e afeta todas as pessoas, estando presente em diversos campos de interesse, desde a vida profissional até uma simples dieta. Precisamos aceitar que a resistência é natural e parar de pensar que somos pessoalmente afetados por ela.

A resistência afeta até pessoas experientes no que fazem. Por exemplo, o ator Henry Fonda, mesmo depois de mais velho, vomitava antes de todas as suas apresentações de teatro. Ser um ator famoso e bem-sucedido não o impediu de sentir medo todas as vezes que precisava subir em um palco.

A resistência pode se manifestar de muitas maneiras. Medo do fracasso, dúvida ou procrastinação são diferentes formas de resistência. Podemos aprender como derrotá-la se ajustarmos nosso foco constantemente em nossos sonhos e compromissos, aceitando o desafio de que a resistência é uma parte natural e necessária da jornada.

Utilize a resistência e o medo a seu favor

Existe alguma coisa em sua vida que você sente que foi destinado a fazer? Talvez você queira escrever histórias curtas ou projetar móveis. Esse é o seu chamado: a grande paixão que satisfaz a fome da sua alma.

Todos nós vivemos nossos dias em nossa vida regular, mas temos uma outra vida não vivida onde temos um sonho não realizado.

Por que você está esperando o futuro chegar para começar a trabalhar naquele sonho? Provavelmente porque você sente medo e dúvida, que são formas de resistência. A resistência nos impede de realizar nossos sonhos não vividos. Por exemplo, se seu sonho é escrever um grande romance, você vai sentir medo – talvez um medo de ser rejeitado por editores ou de não superar as expectativas de outras pessoas (ou as suas próprias). Esse medo pode te impedir de até mesmo tentar escrever.

Em vez de deixar essa resistência te parar, utilize-a em seu favor. Não tem problema sentir medo ou dúvida – essas emoções significam que você se importa com seu sonho. Você não sentiria medo de fracassar em alguma coisa se não fosse apaixonado por ela. O medo pode ser uma boa indicação de que seu sonho é importante o suficiente para que você o persiga.

Até mesmo as pessoas bem-sucedidas sentem medo. Por exemplo, o apresentador do programa de TV Inside the Actors Studio, James Lipton, sempre pergunta a seus convidados por que eles escolhem determinados papéis. Muitos profissionais respondem que escolhem certos papéis porque têm medo. Eles reconhecem que o medo indica paixão por esses papéis e, então, acreditam que devem buscá-los.

Como esses atores, você pode usar o medo para se motivar. Não seja controlado por ele e pela dúvida – reconheça que essas emoções podem te ajudar a se orientar em direção aos sonhos mais importantes para você.

Seja um verdadeiro profissional

Como você está correndo atrás do seu sonho? É um erro tentar trabalhar nele por algumas horas de vez em quando. Tente pensar em como você pode trabalhar nele constantemente. Esteja imerso, como se fosse um trabalho em tempo integral.

Você pode ser criativo sobre como utiliza seu tempo para seus sonhos, mesmo que ainda tenha um emprego normal. Por exemplo, Quentin Tarantino não estudou em uma escola de cinema, mas trabalhou em uma loja de aluguel de filmes. Ele assistia a filmes no trabalho e usava seu “tempo livre” para dirigir pequenos projetos. Em uma dessas vezes, um de seus projetos foi destruído por um incêndio. Em vez de se sentir derrotado, Tarantino percebeu que, embora nunca tivesse terminado o filme, o projeto havia lhe ensinado muito mais do que qualquer escola de cinema poderia ensinar.

Uma pessoa como Tarantino, que é dedicado e não desiste diante de problemas e dificuldades, é um “profissional”. Seu compromisso com sua arte comprovam isso.

Você pode também transferir habilidades do seu trabalho para seu sonho, mesmo se seu trabalho for muito diferente. Você vai trabalhar todos os dias pontualmente? Você continua trabalhando mesmo quando tem distrações em sua vida pessoal? Provavelmente sim. As habilidades de autodisciplina que você aprimora em seu trabalho podem ser aplicadas em sua paixão.

Trabalhar em tempo integral para realizar seu sonho não vai ser sempre divertido. Entretanto, se você tem a habilidade de suportar seu dia de trabalho, mesmo quando não está gostando, então também poderá usar essa habilidade para realizar seu sonho.

Certa vez, perguntaram ao autor Somerset Maugham se ele escrevia de acordo com um cronograma. Ele respondeu: “Eu só escrevo quando estou inspirado”. Depois, completou: “Felizmente estou inspirado todas as manhãs às 9 em ponto. “

Essa é uma verdade importante sobre profissionais: eles não ficam sentados esperando pela inspiração. Muito pelo contrário, trabalham duro todos os dias.

Você não precisa trabalhar sozinho

Todo mundo sente medo e dúvida algumas vezes e isso é normal. Como não podemos eliminar permanentemente essas emoções negativas, precisamos aprender a combatê-las. Você pode fazer isso tendo autoconhecimento e entendendo o seu chamado melhor do que ninguém.

Para aprender sobre si próprio, você deve conhecer suas limitações. Você não precisa fazer tudo sozinho. Quando você entende quais são suas limitações, percebe que será melhor trabalhar com a ajuda de outras pessoas. Uma boa maneira de fazer isso é se cercando de outros profissionais.

Por exemplo, Terry Gilliam, um diretor famoso, trabalha em projetos solo e é também membro do Monty Python. Certa vez, ele ofereceu os seguintes conselhos de filmagem para um novato chamado Quentin Tarantino: ser um bom diretor não significa fazer tudo, mas significa saber quando delegar poder para outras pessoas talentosas, como atores, diretores de fotografia e produtores. Um grande diretor deve conhecer os limites de sua arte, para saber quais áreas podem se beneficiar das contribuições de outras pessoas.

Um profissional também sabe quando deve pedir ajuda. Saber como pedir por orientação pode te ajudar a continuar a desenvolver sua arte. Por exemplo, mesmo no ápice de sua carreira no golfe, quando era considerado o melhor jogador de golf no mundo, Tiger Woods ainda tinha um treinador.

Você pode sempre continuar aprendendo sobre sua arte, mesmo se você já é muito talentoso. Profissionais aprendem como dominar esse processo de aprendizado constante. Pense na Madonna: ela foi capaz de manter uma carreira longa e duradoura no pop porque estava trabalhando constantemente para reinventar sua imagem, para que suas músicas e apresentações não fossem chatas ou previsíveis.

Embora a cantora seja considerada uma das melhores cantoras de pop do mundo, ela entende que ser um profissional significa que você deve aprender constantemente sobre o que você faz.

Seja persistente, organizado e tenha paciência

Vamos imaginar que seu sonho seja escrever um livro e você desenvolve a autodisciplina de se sentar e escrever todos os dias. Logo você vai perceber que a resistência não desaparece imediatamente. Na realidade, a resistência pode até aumentar se você continuar escrevendo, fazendo você duvidar de suas paixões. No entanto, você pode enfraquecer a resistência sendo persistente e organizado.

Para ser um profissional, você precisa ser organizado e paciente. Não defina metas irrealistas, como escrever um romance rapidamente em uma semana. Tente se focar no processo do seu trabalho, em vez de só imaginar o resultado final. Focar-se no processo, em vez de tentar alcançar o objetivo rapidamente, vai te ajudar a enfraquecer a resistência. Não importa se o processo é lento, isso é normal. Você precisa ser paciente se quiser os melhores resultados.

Como parte do processo de foco, aprenda também a aceitar que você vai sempre enfrentar as adversidades no caminho. Em vez de desistir quando precisar enfrentar um problema, tente ver novos desafios como passos a serem superados para alcançar seu objetivo.

Oprah Winfrey é um grande exemplo de uma profissional que superou desafios. No início de sua carreira, poucas pessoas esperavam que um talk show apresentado por uma mulher negra pudesse ganhar seguidores, já que o campo era dominado por homens brancos. Ela também queria focar seu programa na vida pessoal e nas emoções dos seus convidados, o que era muito incomum na época.

No entanto, Oprah continuou dedicada à sua visão. Em alguns meses, ela criou o talk show matutino mais assistido dos Estados Unidos e ajudou a trazer à luz muitos problemas que não eram discutidos, como a obesidade e o bullying. Em vez de desistir depois de muitas críticas,, Oprah se motivou para trabalhar ainda mais, como um verdadeiro profissional faria.

Seja dedicado e trabalhe duro

Embora todos precisem enfrentar uma força de resistência negativa, a boa notícia é que também existem forças positivas para nos ajudar.

As musas inspiradoras são uma das forças positivas. Homero, no épico poema “A Odisseia” de Homero, escreve que existem nove deusas chamadas Musas, que inspiram a criatividade e as ideias nos artistas. Elas apresentam ideias aos artistas dedicados e os ajudam a derrotar a resistência. O próprio Homero recorreu a elas para ser capaz de contar a história de Ulisses, uma luta de dez anos para voltar para a casa depois da Guerra de Tróia.

Nós também precisamos tentar “invocar” nossas musas para encontrarmos forças para derrotarmos a resistência. A única maneira de fazer isso é através da dedicação e do trabalho duro.

O trabalho duro vai sempre te tornar mais aberto para outras forças positivas que não estão no seu controle e que podem te ajudar a derrotar a resistência. Um exemplo disso é o que Platão descreveu como a “loucura” que controla um artista ou um artesão.

Essa loucura é como uma criatividade supercarregada – o artista está possuído por sua arte e pelo objeto de sua criação. Essa força move o artista para longe dos hábitos diários, ajudando a deixar a resistência para trás.

Não se prenda a hierarquias

Seja no local de trabalho, em Wall Street, em Hollywood ou até mesmo no colégio, todo mundo precisou enfrentar a estrutura das hierarquias sociais. Hierarquias existem em todos os lugares, mas o que elas têm em comum é a oposição a mudanças, sempre ditando um lugar fixo para cada um de seus membros.

A maioria das pessoas se define e é definida pelas hierarquias em suas vidas, que normalmente são muito limitantes.

Por exemplo, muitas pessoas têm dificuldades em locais de trabalho que não dão liberdade criativa para os funcionários. A hierarquia do trabalho mantém todos em um papel específico e particular. Nesses ambientes, “pensar fora da caixa” não é uma boa ideia.

Quando estamos trabalhando dentro de uma hierarquia, somos forçados a censurar nossas ações, tentando adivinhar o que o público (ou o cliente) quer de nós. Somos forçados a avaliar nosso sucesso de acordo com nosso lugar na hierarquia, e, portanto, somos obrigados a tentar alcançar lugares mais altos dentro dela. Além disso, as hierarquias nos encorajam a ver outras pessoas como meios para alcançarmos nossos objetivos, e não como indivíduos.

Profissionais não se definem por suas posições em uma hierarquia. Pelo contrário, profissionais lutam contra as hierarquias, sendo verdadeiros com suas artes e trabalhando para sempre melhorar.

Por exemplo, Steve Jobs, um profissional notável, era um perfeccionista conhecido e acreditava em sua visão. Ele insistiu em decidir tudo sobre os produtos que desenvolveu, desde o design até sobre como os clientes iriam interagir com eles. Ao trabalhar para realizar sua própria visão, em vez de tentar adivinhar do que os outros iriam gostar, ele criou a companhia Apple.

Outro exemplo pode ser encontrado no autor alemão Rainer Maria Rilke, que disse a um jovem poeta que ele deveria escrever para agradar a ele mesmo, e não aos críticos. Ele falou de uma verdade importante sobre os profissionais: quando seu objetivo é te deixar orgulhoso do seu próprio trabalho, o trabalho será melhor.

Tenha um local adequado para trabalhar

Seja escrevendo uma música ou dirigindo um filme vencedor do Oscar, cada um de nós tem um chamado específico. E o lugar em que os profissionais trabalham em seu chamado é o seu território.

Por exemplo, no caso do antigo Mister Universo Arnold Schwarzenegger, fisiculturista, ator e político, seu território é a academia. Então, como você sabe onde é seu território?

Em primeiro lugar, seu território é onde você se sente “amparado”. Nesse lugar, você se sente satisfeito e desafiado, como se você estivesse melhorando a si mesmo quando gasta seu tempo e trabalho lá. Você pode apostar que todas as vezes que Schwarzenegger foi a academia, ele se sentiu muito melhor depois do que antes!

Em segundo lugar, seu território é o ambiente em que só você trabalha duro: é o seu lugar e de mais ninguém. É claro que muitas outras pessoas usaram a academia também, mas Schwarzenegger fez aquele espaço ser seu, malhando lá todos os dias.

Finalmente, seu território é um recurso inesgotável. O único limite para quanto seu território pode te dar é determinado por quanto você se esforça ali. Considere Woody Allen, cujo território não é físico como o de Schwarzenegger, mas é o reino dos filmes. Allen escreveu 90 roteiros e dirigiu quase 50 filmes! Trabalhando duro em seu território, ele recebeu mais oportunidades para ser criativo e foi capaz de trabalhar ainda mais e expandi-lo.

Como Woody Allen, você pode modelar seu território através do trabalho duro e da dedicação.

Notas Finais

Você nasceu para escrever? Foi colocado na terra para ser um pintor ou um cientista? Essa pergunta só pode ser respondida com atitude. Se o seu propósito é encontrar a cura do câncer ou escrever uma sinfonia, e se você não faz nada disso, você está se destruindo. Você está destruindo o planeta. Seu trabalho criativo não é um ato egoísta, mas sim um presente para o mundo. Não deixe de contribuir com sua parte. Dê ao mundo o seu melhor.

Não importa se seus objetivos são empreendedores ou artísticos, se você quer ser a sua melhor versão, você precisa fazer seu trabalho independentemente do medo. Descubra qual o seu território e trabalhe nele. Porque se você quer viver uma vida mais feliz, criativa e inspiradora, você precisa fazer sua parte! Você precisa deixar a resistência de lado e se tornar um profissional dedicado, preparado e disposto a fazer o seu trabalho!

Dica do 12': Este microbook fala muito sobre criatividade, então que tal conferir o microbook de Roube Como Um Artista? Lá, você vai aprender alguns gatilhos de criatividade e alguns padrões criativos.

Cadastre-se e leia grátis!

Ao se cadastrar, você ganhará um passe livre de 3 dias grátis para aproveitar tudo que o 12min tem a oferecer.

ou via formulário:

Quem escreveu o livro?

Steven Pressfield é um escritor e autor de teatro americano. Escreve livros de ficção histórica militar em ambientes da antiguidade clássica. Serviu ao Corpo de Fuzileiros Navais na década de 60 e se graduou na Universidade Duke. Pressfield serviu ao Corpo de Fuzileiros Navai... (Leia mais)