The Happiness Advantage Resumo - Shawn Achor

Aprenda a aprender de casa! Para você usar o tempo a seu favor! REDUZIMOS A ASSINATURA EM 30%!

Oferta por tempo limitado!

50 leituras ·  0 avaliação média ·  0 avaliações

The Happiness Advantage

The Happiness Advantage Resumo
Autoajuda & Motivação

Este microbook é uma resenha crítica da obra: The Happiness Advantage: How a Positive Brain Fuels Success in Work and Life

Disponível para: Leitura online, leitura nos nossos aplicativos móveis para iPhone/Android e envio em PDF/EPUB/MOBI para o Amazon Kindle.

ISBN: 0307591557

Resumo

Seja feliz para ter sucesso

A maioria das pessoas busca dinheiro e sucesso para ser feliz. Para o autor, porém, essa lógica deve ser invertida, uma vez que décadas de pesquisa provam o contrário: é a felicidade que leva ao sucesso. Assim, o melhor é ser feliz, permitindo que sucesso e dinheiro derivem de seus estados psicológicos positivos.

Mas, como isso funciona, na prática? Achor sustenta que a sensação de felicidade e os estados mentais positivos são poderosos impulsionadores de desempenho. Isso significa que eles nos dão mais motivação, saúde (física e emocional) e nos tornam mais enérgicos e criativos.

A felicidade nos torna saudáveis

A felicidade, muitas vezes, não é o resultado, mas a causa de uma boa saúde. Segundo o autor, há estudos que comprovam que os organismos de indivíduos felizes são melhores, por exemplo, em combater vírus e resfriados. Eles têm menos sintomas e, na realidade, menos enfermidades ao longo da vida. Parece que quanto mais feliz você for, tanto mais forte será o seu sistema imunológico.

Portanto, é altamente recomendável se esforçar para ser mais feliz, dada a correlação de causalidade entre esse estado emocional e a longevidade. Outros estudos relacionando os níveis de felicidade e a expectativa de vida de um grupo de freiras demonstrou que havia uma diferença de sete anos entre as mais felizes e as mais tristes.

Digno de nota, também, são os estudos que demonstram que a felicidade induz a melhoras na pressão arterial e no ritmo dos batimentos cardíacos. A conclusão é, assim, evidente: uma vida feliz é uma vida mais saudável.

Pessoas felizes têm melhores desempenhos

Um mero sorriso estampado no rosto pode fazer você ter um desempenho melhor. Um estudo citado pelo autor pediu a dois grupos de crianças que realizassem uma série de tarefas. Todavia, solicitou a um dos grupos que pensasse em algo que as deixasse feliz antes de começar.

Resultado? As crianças condicionadas a pensamentos felizes concluíram suas tarefas mais rapidamente e com menos erros. Estudos semelhantes chegaram a conclusões parecidas com adultos. Sentir-se mal coloca você em uma enorme desvantagem, enquanto ser feliz aumenta a sua performance.

A felicidade é um antídoto para o estresse

Ao assistir a vídeos que induzem sentimentos de alegria, você pode se recuperar mais rapidamente do estresse em comparação com as pessoas que assistem a vídeos tristes ou neutros.

A psicologia se refere a essa propriedade como “efeito desfazedor" (em tradução livre), ou seja, a capacidade de recuperar e eliminar estados anteriores negativos ou puramente não-saudáveis.

Podemos nos tornar mais felizes

O autor apresenta excelentes notícias, sempre se baseandoem levantamentos e estudos científicos dizendo que podemos elevar permanentemente nosso bem-estar e adotar uma mentalidade mais positiva.

Enquanto, no passado, muitos cientistas acreditavam que a felicidade era, principalmente, hereditária, hoje sabemos que temos muito mais controle sobre nossos próprios estados emocionais.

Sempre teremos altos e baixos, mas podemos elevar nossa “média” para que possamos desfrutar de uma maior quantidade de momentos felizes. Achor reforça que você pode, sim, se tornar mais feliz do que é atualmente, pois, uma das vantagens da felicidade consiste em estar disponível a todos que se esforçam.

Como ser mais feliz?

Chegamos, agora, à parte mais prática desta obra. Nela, o autor ensina como exercitar nossa vantagem de felicidade para nos tornarmos mais felizes. Confira:

Medite

Monges que passam anos meditando fazem crescer seu córtex pré-frontal, que é a região do cérebro diretamente responsável pela sensação de felicidade. Mas, não se preocupe: você, provavelmente, obterá bons resultados muito mais rapidamente.

Pesquisas mostram que a meditação – quando praticada regularmente – pode conectar permanentemente nosso cérebro a um nível mais alto de felicidade, diminuindo o estresse e, até mesmo, melhorando as funções imunológicas. O autor recomenda começar com apenas 10 ou 15 minutos por dia.

Encontre algo pelo que ansiar

Antecipar recompensas futuras age sobre os mesmos centros de prazer que a recompensa real provoca. Com efeito, apenas pensar em assistir ao seu filme favorito pode aumentar os seus níveis de endorfina em cerca de 27%!

Realize atos de bondade e crie ambientes edificantes

Atos de altruísmo podem diminuir o estresse e melhorar consideravelmente a nossa saúde mental. Similarmente, nossos ambientes e arredores podem ter um enorme impacto em nossas mentalidades e na sensação de bem-estar.

Portanto, garanta que os locais que frequenta sejam positivos e edificantes e faça uma pausa durante o dia. Além disso, assista menos TV. Há estudos que comprovam que, ao assistir menos TV, nos sentimos mais felizes.

Tal correlação é ainda mais evidente quando se trata da chamada “mídia violenta”, isto é, veículos de imprensa destinados exclusivamente à divulgação de assassinatos, assaltos e outros crimes. O consumo frequente de tais informações, segundo o nosso autor, é altamente negativo às nossas mentes e sensações.

Faça exercícios regularmente

As atividades físicas podem impactar diretamente em nosso humor. Com efeito, os exercícios liberam a endorfina (o hormônio do bem-estar) permanentemente. Um estudo mostrou que a realização, três vezes por semana, de exercícios de 45 minutos, aumenta a saúde mental de pessoas deprimidas ao longo de mais de 6 meses.

Os movimentos corporais, de fato, são mais eficazes na cura da depressão do que a ingestão de medicamentos antidepressivos.

Invista em experiências

Quem disse que o dinheiro não pode comprar felicidade? Na realidade, ele pode sim, desde que você se certifique de não gastar em “coisas”, mas em experiências. A seguir, Achor lista 6 formas inteligentes de gastar o seu dinheiro na otimização da sua felicidade:

  1. priorize vivenciar experiências significativas, em vez de apenas adquirir objetos;
  2. dê preferência aos pequenos prazeres;
  3. dedique seus recursos a deixar outras pessoas mais felizes;
  4. compre agora, aprecie depois: adquira um petisco e coma depois do treino e reserve suas férias com antecedência;
  5. gaste dinheiro para ganhar tempo. Por exemplo, pague uma profissional para limpar a sua residência;
  6. compre atividades que elevem os seus níveis de felicidade. Isso implica em investir em si mesmo, como ao contratar um personal trainer, assistir aulas, agendar viagens, ir ao cinema, comer a sua pizza favorita etc.

Utilize suas características pessoais

Fazer coisas nas quais você é bom e, assim, alavancar seus pontos fortes e habilidades também fará com que você se sinta mais feliz. Para utilizar suas características pessoais nesse sentido, você deve:

  • quando precisar de um “choque de alegria”, reativar um de seus talentos e o coloque em prática;
  • exercer uma característica, valor ou força de caráter que faça parte de quem você é;
  • usar os elementos de sua personalidade diariamente, pois, quanto mais utilizá-los, tanto mais se sentirá feliz.

Foque na positividade

O cérebro humano não pode conter dois sentimentos ou pensamentos diferentes ao mesmo tempo. Isso significa que, se focarmos e pensarmos em aspectos positivos de nossas vidas, não teremos espaço para pensar em aspectos negativos. Mesmo que tudo o que esteja acontecendo ao nosso redor seja negativo.

O autor ressalta que precisamos de, pelo menos, 3 coisas positivas para cada ameaça à felicidade que pudermos perceber. Se, por exemplo, essa proporção fosse de 6 por 1, então, teríamos uma perspectiva exageradamente positiva e desconectada da realidade.

Se, por outro lado, a proporção for inferior à recomendada, acabaremos nos concentrando demais nas coisas negativas e, consequentemente, percebendo (e vivenciando) com mais intensidade os aspectos negativos da vida.

Esse conceito, na realidade, é oriundo do mundo antigo: o filósofo romano Marco Aurélio já o enfatizou suficientemente há cerca de 2 mil anos. No entanto, isso não o torna menos eficaz. As vantagens da felicidade nos mostram que podemos treinar o cérebro para focar nos aspectos positivos.

Para se assegurar dos efeitos benéficos das recomendações de Achor, você poderá anotar, todas as noites, três coisas positivas que aconteceram com você durante o dia.

Concentre-se em melhorar com os seus erros

Após uma falha ou um evento negativo você seguir, de modo geral, três caminhos diferentes:

  1. não promover nenhuma mudança;
  2. aumentar a sensação de fracasso e, portanto, de negatividade;
  3. utilizar a adversidade e o fracasso para se tornar ainda mais forte.

Nosso autor, obviamente, recomenda que sigamos a terceira via. Ela, no entanto, só pode ser seguida por meio da construção de certos hábitos positivos.

Como construir hábitos positivos?

Não é necessário despender muita energia para manter o corpo em movimento. Porém, é preciso de muita energia para começar. A formação de hábitos segue esse mesmo princípio ao consolidar as respectivas vias neurais em nossos cérebros.

A chave para manter hábitos positivos consiste em facilitar, tanto quanto possível, sua repetição diária. O inverso é verdadeiro para os hábitos que você deseja interromper: torne difícil mantê-los! 

Locus interno de controle

Um “locus interno de controle” é um conceito que, em poucas palavras, afirma que estamos no controle de nossas próprias vidas. Para aprofundar um pouco mais, um grande fator de felicidade, confiança e bem-estar emocional é a crença de que somos os mestres de nossos destinos.

Pessoas com um lócus interno de controle são, também, mais produtivas no trabalho e na vida. Os psicólogos dizem que tais ganhos em performance, felicidade e saúde têm menos a ver com o controle que realmente temos e mais com aquele que pensamos ter. Por isso, acreditar é tão importante!

Como recuperar o controle?

Quando estamos muito estressados e não conseguimos seguir em frente, pode ser difícil sentir que estamos no controle das situações vivenciadas. O que fazer, então? Nosso autor sugere registrar, por escrito, suas emoções negativas.

As varreduras do cérebro demonstram que o exercício de transformar essas sensações em palavras reduz drasticamente o poder nocivo delas.

Notas finais

Quanto mais apoio e ajuda das pessoas você obtiver, maiores serão as suas chances de alcançar a felicidade. Logo, é fundamental tentar edificar uma sólida rede de apoio ao seu redor.

Para tanto, a busca por uma vida mais feliz não deve ser considerada, tão somente, uma forma de melhorar o seu “humor”, devendo ser encarada como um importante trabalho e um compromisso ético com a melhora geral de suas próprias condições de existência.

Dica do 12’

Gostou do microbook? Então, leia também “Pequenas Atitudes, Grandes Mudanças” e saiba como um sistema de microrresoluções pode contribuir para aumentar o autocontrole sobre os seus comportamentos”

Cadastre-se e leia grátis!

Ao se cadastrar, você ganhará um passe livre de 3 dias grátis para aproveitar tudo que o 12min tem a oferecer.

ou via formulário:

Quem escreveu o livro?

Shawn Achor é um pesquisador americano sobre 'felicidade', autor e dá palestras sobre advocacia e psicologia positiva. Após a faculdade, Achor trabalhou como Provedor de Freshman e assistente de ensino na Universidade de Harvard. Ele foi um dos assistentes de ensino para o popular curso "Felicidade" de Tal Ben-Shahar. Em 2007, Achor fundou o GoodThinkInc. (GoodThink), e depois co-fundou o Institute for Applied Positive Research com sua esposa Michelle Gielan. A empresa oferece serviços de consultoria, seminários e apresentações sobre psicologia positiva destinadas a melhorar o desempenho no trabalho. A equipe é composta por pesquisadores, palestrantes e formadores, que fornecem informações às organizações.... (Leia mais)