O livro secreto do escritor - Resenha crítica - Lilian Cardoso
×

Novo ano, Novo você, Novos objetivos. 🥂🍾 Comece 2024 com 70% de desconto no 12min Premium!

QUERO APROVEITAR 🤙
63% OFF

Operação Resgate de Metas: 63% OFF no 12Min Premium!

Novo ano, Novo você, Novos objetivos. 🥂🍾 Comece 2024 com 70% de desconto no 12min Premium!

114 leituras ·  0 avaliação média ·  0 avaliações

O livro secreto do escritor - resenha crítica

O livro secreto do escritor Resenha crítica Inicie seu teste gratuito
Carreira & Negócios

Este microbook é uma resenha crítica da obra: O livro secreto do escritor: da página em branco ao best-seller

Disponível para: Leitura online, leitura nos nossos aplicativos móveis para iPhone/Android e envio em PDF/EPUB/MOBI para o Amazon Kindle.

ISBN: 978-65-5047-371-6

Editora: Citadel

Resenha crítica

Não existe best-seller natural

Nenhum livro faz sucesso por acaso. Não existe best-seller natural. Isso vale mesmo para quem já tem muita audiência. É preciso trabalho das equipes de marketing, comercial e editorial para alcançar a produção literária ideal e descobrir a melhor campanha de divulgação. Isso acontece meses antes da publicação.

Às vezes, para emplacar um livro é preciso colocá-lo na mídia. Esse é um dos trabalhos da LC, a agência de comunicação fundada por Lilian Cardoso. Parte do trabalho é entender como cada veículo de imprensa indica livros e quais são os critérios que usam para que um autor seja entrevistado.

Isso envolve descobrir quais assuntos interessam a cada veículo, seja um portal de internet, seja um programa de televisão. Os assuntos do livro precisam corresponder à linha editorial da mídia. Isso conta na hora de emplacar um autor em algum espaço.

Conectar-se ao leitor é o que deixa uma obra viva

O mercado muda rapidamente. A chegada do Instagram, o fechamento de jornais tradicionais e o surgimento dos podcasts vieram junto aos blogs de literatura e aos influenciadores, como os bookgrammers, os booktubers e os booktokers. Há uma mudança na forma de consumir conteúdo.

Isso faz com que as pessoas se perguntem sobre o que o leitor do futuro lerá. Essa é uma questão central. Precisamos, de fato, de atualizações. Manter-se atento às novidades conta. No entanto, ainda que um veículo de comunicação específico deixe de existir, as pessoas não deixarão de consumir conteúdo.

Por isso, o segredo do mundo dos livros ainda é se aproximar dos leitores, independentemente do tema da leitura. Não adianta ter escrito algo genial se não chegar nas mãos do público. O principal trabalho é tirar a produção da gaveta e fazer com que ela seja lida. Estar conectado com o leitor, desde o começo, é o que fará com que sua obra fique viva.

Todos são escritores, só que alguns escrevem e outros não

O mercado literário se democratizou. Editoras de coparticipação, impressão sob demanda e o modelo de publicação sem custos de ebooks na Amazon tornaram as produções mais viáveis. Todos os anos, surgem autores que publicam suas obras de forma independente e fazem sucesso.

Alguns até preferem publicar sozinhos. É o caso dos palestrantes, que conseguem uma margem de lucro acima das oferecidas pelas editoras. Você provavelmente se surpreenderia com a quantidade de pessoas ao seu redor que cultiva o desejo de publicar um livro. O premiado escritor José Saramago dizia que todos são escritores, só que alguns escrevem e outros não.

Embora o mercado literário seja mais democrático, ele não é o paraíso. Há profissionais sérios e dedicados, enquanto há outros que não cumprem o que prometem. Há escritores que se tornam reféns de contratos obscuros e são enganados pelas editoras. Por isso, quanto mais conhecimento um autor tiver, mais segurança terá.

A felicidade não cria

O escritor Rubem Alves tem um livro de crônicas chamado “Ostra feliz não faz pérola”. Ele nos ajuda a refletir sobre o romantizado processo de formar as belas joias. Elas surgem quando um microorganismo invasor penetra entre a concha e o manto.

Para que se proteja da inflamação e irritação, a ostra cria a substância cristalina que chamamos de pérola. Não é fruto de um processo bonito, mas da autodefesa do molusco. Essa é a reflexão que Rubem Alves faz ao sugerir que crescemos nos momentos mais difíceis.

Segundo o escritor, embora possamos aproveitar a felicidade, ela se basta. Não traz algo novo. Se tudo está indo bem, é natural manter as coisas do jeito que estão e não produzir nada de novo. Não há pérolas que surgem dos momentos de alegria. Quem produz a beleza são aqueles que sofrem. O belo só existe para tornar a tragédia suportável.

Mesmo as mais belas pérolas não vendem sem marketing

A autora brinca com a ideia de Rubem Alves. Ela conta que “ostra sem marketing não vende pérola”. Para ela, mesmo a joia mais linda, fruto de muito esforço e dedicação, não venderá sem marketing. Há 15 anos, todas as vendas aconteciam com força dentro das livrarias.

O leitor ia até elas e conhecia as obras ṕor lá. O segredo para vender era deixar o livro bem exposto nas estantes. As editoras procuravam as livrarias para mostrar cada lançamento. Hoje, esse modelo não se sustenta. A ordem mudou. O marketing vem antes da publicação. Um leitor pode conhecer o autor bem antes do livro ser lançado.

Isso é o que explica os recordes de pré-venda. O marketing está em tudo, até na forma com a qual o livro vai para editora. A divulgação digital é o que tem dado origem ao movimento de comprar o livro. Os leitores estão mais engajados na internet.

O que há de especial na sua obra?

Pergunte-se:

  • o que há de especial na sua obra;
  • o que há de único na sua mensagem;
  • por que vale a pena ler seu livro;
  • por que essa história merece ir para o papel.

Viva seu livro. Tenha em mãos a força que levará sua mensagem aos leitores. 

Você é a sua marca. Aprenda com os mais velhos e conheça as perspectivas dos mais jovens. Saiba como as mudanças da cultura mudam a forma como as pessoas recebem e interagem com o que leem. Conecte-se com idades diferentes. Isso permite que você explore coisas novas e enriqueça seu texto.

Um livro precisa navegar para atingir o público ideal. É como um navio. Explore as oportunidades de divulgação que encontrar. Isso inclui livrarias, saraus, eventos literários, palestras, e por aí vai. Vá onde seus leitores estão. Crie boas formas de captar a atenção. Deixe seu livro navegar com confiança.

O valor intangível é o que conta

Já passamos da metade do microbook e a autora conta que, pela primeira vez, vemos o encontro entre cinco gerações diferentes. Elas têm outras preferências, costumes, visões e comportamentos. O grande desafio do marketing é atrair o público à marca que o representa. 

Na literatura, escritores antenados fazem esse estudo antes mesmo de escrever a primeira frase. O livro bem-sucedido é fruto da união entre ideia original e escuta atenta aos leitores. As ferramentas de marketing digital ajudam a entrar em contato com as pessoas nas redes sociais. Esse caminho, que inclui a análise da audiência, é a “jornada do cliente”.

O principal problema não é o preço do livro, mas seu valor intangível. É ele que fará com que o leitor compre sua ideia. Todo livro parte de um conceito e, se você não estiver seguro com o que lançará, precisa pesquisar ainda mais sobre seu futuro público.

Redes sociais não são só um canal de vendas

Quem é nativo digital não conhece outra forma de consumir conteúdo que não passe pela internet. Só que esses são os clientes de amanhã. Em outros mercados, a realização de pesquisas já é algo natural. A gigante PepsiCo, por exemplo, analisou conversas com os seguidores na internet para lançar novos produtos.

As redes sociais não existem só como um novo canal de vendas. Hoje, elas também são campo para:

  • ouvir pessoas;
  • interagir com o público;
  • desenvolver histórias;
  • criar conteúdo ligado aos temas da obra.

Muitos projetos não decolam pela falta de interação entre o autor e seu público durante a criação do livro.

Conheça bem as pessoas com quem está falando. Isso vai ajudá-lo a criar a capa, refletir nas melhores frases ou até criar um novo e inesperado capítulo. Tenha leitores para vender desde o começo. Do contrário, precisará construir sua base de fãs do zero durante a divulgação. 

Os melhores escritores são os mais abertos às mudanças

Plante as sementes da criatividade e deixe a jornada pelo universo da escrita florescer. Para muita gente, as ideias surgem a todo instante. Elas vão para o caderno, o bloco de notas, o celular, os post-its e por aí vai. A inventividade não precisa de hora marcada.

A mente não para. Podemos estar distraídos, mas o subconsciente está sempre trabalhando na busca por ideias. Só que a escolha do tema central pode ser um pesadelo para muita gente. Há muita saturação na literatura, o que faz com que ser original seja uma tarefa mais complicada. 

A dica aqui é buscar feedbacks. O juiz é sempre o leitor. Os melhores escritores dedicados também são os mais abertos às mudanças. O dono da escrita deixa de ser o ego. Aqui, a preocupação em fazer a mensagem chegar com perfeição ao público é o que impera. Mesmo os mais experientes buscam avaliações e opiniões.

Por que algumas ideias pegam e outras não

Existem alguns princípios para melhorar a escrita e os títulos dos livros. São eles:

  • Simplicidade. Vá direto ao “X” da questão e evite distrações.
  • Surpresa. Não seja óbvio. Não diga que o personagem se sente de uma tal forma. Mostre sinais e deixe que os leitores cheguem sozinhos a essa conclusão.
  • Concretude. Não seja vago. Torne a história palpável. Ponha detalhes concretos no texto.
  • Credibilidade. Se sua escrita for de não ficção, traga dados e referências que corroborem o que você afirma na obra.
  • Sentimentos. Desperte as emoções das pessoas. Faça com que o leitor sinta algo ao ler.
  • Relatos. Conte histórias reais para criar conexão. Isso é tão poderoso que se tornou um ramo próprio do marketing, chamado de “storytelling”.

O processo de desenvolver o livro é uma jornada emocionante e criativa. Explore, questione, arrisque e experimente. Abra-se para o novo e abrace a originalidade. Confie em si e deixe a imaginação voar.

Os caminhos da publicação

Hoje é mais fácil pôr um livro no mundo. Você pode publicar de forma independente, usar plataformas de impressão sob demanda, criar um ebook na Amazon ou explorar várias outras opções. Há tantas que escolher uma é complicado. A editora tradicional é a forma mais antiga e desejada.

Nela, o autor não gasta nada e recebe os royalties. Todo custo fica com a editora. Normalmente, o escritor recebe 10% do valor do livro. Nem sempre a obra é aprovada. Isso faz com que os agentes literários, profissionais que fazem a ponte entre o escritor e a editora, sejam uma alternativa.

Outro caminho é o de publicar por conta própria. Aqui, você assume a responsabilidade pelo processo, incluindo a produção e a distribuição em sites sob demanda ou no serviço da Amazon. Há estúdios feitos para ajudar na produção de livros independentes. É o caso da LC Design, empresa fundada por Lilian Cardoso.

Distribuição, divulgação e marketing

Depois de publicar seu livro, existem alguns caminhos para torná-lo conhecido. Por exemplo:

  • exposição nas livrarias;
  • assessoria de imprensa;
  • redes sociais;
  • site;
  • eventos;
  • anúncios;
  • newsletter.

O sonho da maior parte dos escritores é ver o livro nas livrarias. O caminho mais indicado para isso é procurar uma editora tradicional. As marketplaces virtuais e as plataformas de impressão sob demanda também tornaram possível a venda para os autores independentes. Com um simples cadastro, dá para vender na internet.

Invista, desde o começo, na formação de uma base de leitores. Explore também a possibilidade de divulgar seu livro na imprensa, com ajuda de um assessor. Considere também:

  • explorar redes sociais;
  • criar parcerias com perfis literários;
  • frequentar palestras e eventos;
  • enviar o livro para influenciadores.

Notas finais

Lilian Cardoso mostra o papel do marketing e do esforço na formação de uma base de leitores como etapas fundamentais para fazer um livro ser vendido. Ela lembra os escritores que sua obra é um produto e os leitores são clientes.

Dica do 12min

Além de saber como divulgar um livro, é preciso também saber escrever. Em “A Jornada do Escritor”, Christopher Vogler conta como criar uma boa história usando de referência uma antiga estrutura mítica. Confira no 12 min!

Leia e ouça grátis!

Ao se cadastrar, você ganhará um passe livre de 7 dias grátis para aproveitar tudo que o 12min tem a oferecer.

Quem escreveu o livro?

Lilian Cardoso é jornalista especializada em cultura e fundadora da agência de comunicação LC. Sua empresa é a pri... (Leia mais)

Aprenda mais com o 12min

6 Milhões

De usuários já transformaram sua forma de se desenvolver

4,8 Estrelas

Média de avaliações na AppStore e no Google Play

91%

Dos usuários do 12min melhoraram seu hábito de leitura

Um pequeno investimento para uma oportunidade incrível

Cresca exponencialmente com o acesso a ideias poderosas de mais de 2.500 microbooks de não ficção.

Hoje

Comece a aproveitar toda a biblioteca que o 12min tem a oferecer.

Dia 5

Não se preocupe, enviaremos um lembrete avisando que sua trial está finalizando.

Dia 7

O período de testes acaba aqui.

Aproveite o acesso ilimitado por 7 dias. Use nosso app e continue investindo em você mesmo por menos de R$14,92 por mês, ou apenas cancele antes do fim dos 7 dias e você não será cobrado.

Inicie seu teste gratuito

Mais de 70.000 avaliações 5 estrelas

Inicie seu teste gratuito

O que a mídia diz sobre nós?