×
44% OFF

Não deixe suas metas para 2022

Assine 12min Premium por apenas R$0,46/dia e aprenda mais em menos tempo!

463 leituras ·  0 avaliação média ·  0 avaliações

Mostre o seu Trabalho

Mostre o seu Trabalho Resumo
Carreira & Negócios

Este microbook é uma resenha crítica da obra: 

Disponível para: Leitura online, leitura nos nossos aplicativos móveis para iPhone/Android e envio em PDF/EPUB/MOBI para o Amazon Kindle.

ISBN: 

Editora: Rocco

Também disponível em audiobook

Resumo

Você não tem que ser um gênio

Um dos mitos mais difundidos sobre criatividade é o do gênio solitário. É muito perigoso e nocivo para a sua carreira acreditar no artista como um super-homem, dotado de talentos especiais, surgidos em momentos muito específicos, numa ligação direta com Deus, com a Musa da Inspiração ou com qualquer outra divindade. 

Segundo essa crença falsa, mas muito seguida, a inspiração chega como num estalo, uma lâmpada acendendo em cima da cabeça. E só então pode-se começar a trabalhar dentro de um lugar recluso, com muita atenção e empenho, sem ninguém chegar perto. Só então é possível divulgar o resultado do projeto para todo o mundo, mas sem muito entusiasmo, para não corromper a obra. 

Se você pensa na criatividade como uma atividade dos gênios solitários, melhor rever seus conceitos. As atividades criativas precisam ser tratadas profissionalmente. Ninguém é obrigado a ser um gênio, esperando o momento da inspiração cair do céu para começar a trabalhar. Aproveite as chances, estude, crie método, rotina. Mantenha a disciplina, entre erros e acertos. A criatividade é um processo diário. 

Não tenha medo de passar a imagem de amador. Os amadores aproveitam todas as oportunidades surgidas, sem o melindre de seguir um comportamento padrão. Você não tem que ser um gênio, você tem que ser visto e reconhecido.

Pense em processo, não em produto

Pessoas se interessam por pessoas. Pessoas também se interessam pelo trabalho realizado por outras pessoas. Todo mundo quer saber como as coisas são feitas, qual o processo de elaboração de um projeto no passo a passo, desde o começo até a finalização. 

Sempre que precisar expor seu trabalho, procure criar um relacionamento com os clientes e se posicionar como uma pessoa por trás do produto. Você não é só um vendedor, mas também um criador. Demonstre que até chegar àquele resultado houve um processo extenso e trabalhoso. Isso é fundamental para alimentar a relação com potenciais clientes, compradores ou contratantes. 

Quando você compartilha os processos, mostrando os bastidores de tudo o que faz, cria uma conexão inesquecível. Será sempre lembrado como um criador que mostra como as coisas são feitas. Mais que isso: será lembrado como uma pessoa, um trabalhador impactando a vida de outras pessoas. 

Compartilhe um pouco todos os dias 

Não existe sucesso de uma hora para outra. Para atingir o êxito, é preciso trabalhar dia após dia, aos poucos, com muita dedicação e empenho. Se você fizer uma breve pesquisa, verá que os casos de sucesso repentino são, na verdade, fruto de décadas de trabalho e perseverança. 

Um bom trabalho demanda tempo, mas você não precisa esperar o resultado final para mostrar ao mundo como as coisas ficaram daquele jeito. Todo dia, sempre que terminar os trabalhos, confira seus registros e encontre uma parte do seu processo que possa dividir. Assim, além de ficar em evidência, você fortalece a aproximação com quem curte o seu trabalho, alimentando a expectativa pelo produto final de sua obra criativa. 

Abra seu gabinete de curiosidades

Não seja acumulador. Todos nós carregamos coisas estranhas e maravilhosas, encontradas no meio da realização dos trabalhos criativos aos quais nos dedicamos. Podem ser caderninhos de anotações, livros rabiscados, discos e filmes favoritos usados como referência, pessoas conhecidas, experiências acumuladas. 

Tudo isso suscita maior interesse pela nossa obra quando compartilhado com o potencial público. Reserve um tempo para expor esse tipo de curiosidade, por mais bobo que possa parecer. Assim, o toque de humanidade dado ao seu trabalho gera um sentimento de empatia, um gostinho de “ele é gente como a gente”. 

Conte boas histórias

No fim das contas, a vida é feita de histórias contadas. O seu trabalho não fala por si só, ele é descrito e narrado pelas pessoas que entram em contato com ele. E por você, por que não?

Crie boas narrativas ao retratar o trabalho ao qual você tem dedicado dias, semanas, meses ou até mesmo a própria vida. Pode ser que o pontapé inicial do projeto tenha conexão com memórias de infância dos possíveis consumidores. Ou, quem sabe, pequenos fatos ocorridos durante a execução façam com que aumente o interesse pelo produto final. 

Que histórias sua obra esconde que você pode contá-las? 

Ensine o que você sabe

Passamos da metade deste microbook e chegou a hora de lembrar uma lição de generosidade. Ensinar não significa competir. Até porque, conhecer a técnica do mestre não garante a capacidade de imitação instantânea. 

Por isso, não se envergonhe de passar adiante o seu processo criativo, contando como você chegou às conclusões do trabalho. Se for necessário, entre em detalhes para deixar mais claro que é possível, sim, usar a criatividade a seu favor.

A generosidade precisa ser cultivada e, se não fosse por ela, você não estaria ouvindo este microbook agora, não é mesmo? Conhecimento não foi feito para guardar dentro de um baú. Passe adiante, sem dó, sem melindre. Você só tem a ganhar com isso. 

Não se torne um spam humano

Quantidade nem sempre é sinal de qualidade. Por isso, não se preocupe com o número de seguidores na internet e nas redes sociais. Esqueça os artigos sobre como crescer nos meios digitais. 

Foque em conquistar muito mais corações do que olhos. Fazer números não quer dizer muita coisa. Escute apenas aqueles que têm mensagens produtivas para transmitir. Depois de entender a qual time você pertence, dialogue com pessoas com os mesmos interesses que você. De nada adianta se esforçar para o seu trabalho chegar a lugares onde ele não reverbera. 

Menos é mais.

Aprenda a apanhar

Quando o seu trabalho vai para o mundo, você deixa de ser o dono. Ele passa a pertencer ao público. Esteja preparado para ouvir que ele é bom. Também aguente o tranco, vão dizer que ele é ruim.

Críticas negativas vão chegar com maior frequência quanto maior for o seu público. Procure ter ciência de que nem sempre você estará tão inspirado e as outras pessoas têm o direito de não gostar do seu trabalho. Relaxe, respire, aproveite o processo. O medo de sofrer críticas pode podar o seu trabalho e essa nunca é a sua intenção. 

Ninguém morre por ouvir opiniões negativas, então não se desespere. Apanhar é preciso. Só não caia na besteira de alimentar os trolls. Apenas você sabe a verdade do próprio trabalho. Além disso, o velho ditado segue valendo: quem não é visto não é lembrado. Se você é lembrado, mesmo que pelos críticos, é sinal de maior alcance da sua obra.

Venda-se

O romantismo do artista faminto, com o dinheiro corrompendo os processos criativos, precisa ser superado. Muitas grandes obras artísticas foram feitas por dinheiro. Quer dois bons exemplos? O teto da Capela Sistina foi pintado por Michelangelo por uma encomenda do papa. E Mario Puzo escreveu O Poderoso Chefão a troco de grana, já que o artista devia para vários parentes, bancos, casas de apostas e agiotas. 

Não sinta vergonha de passar o chapéu. Faça os trabalhos para satisfazer as suas ambições artísticas, mas não abra mão de manter uma lista de e-mails importantes para divulgá-lo. Mostre ao mundo quais são as suas habilidades. Ninguém vai descobrir o seu talento artístico sem que você dê acesso às suas criações.

E quanto melhor remunerado um artista, melhor a sociedade valoriza este trabalho, sempre impactando na realidade da sociedade na qual vivemos, melhorando nossa relação uns com os outros.  

Fique por perto

Em muitos casos, as pessoas conseguem o que estão procurando por se manter bastante tempo no mesmo lugar. Ainda que no começo os resultados dessas dez dicas não tragam frutos imediatos, persista.

O sucesso não surge de uma hora para outra. Grandes artistas só conseguiram o devido reconhecimento depois de muito trabalho e anos se esforçando, batendo na mesma tecla, insistindo, sem nem pensar em desistir. É muito importante não parar cedo demais. Se depender de nós, você não vai parar nunca e, em breve, vamos ouvir seu nome por todos os cantos. 

E agora?

Entre na internet, poste o seu trabalho. Compartilhe usando a tag #showyourwork e confira quantas outras pessoas aprenderam os princípios ensinados nesta obra. Assim, você descobre outros criativos ao redor do mundo e amplia seus horizontes. 

Use este livro como guia para compartilhar bons trabalhos em progresso, curiosidade, contar histórias e ensinar outras pessoas sobre o seu ofício. Se possível, planeje uma noite especial com amigos ou colegas da mesma área. 

Coloque a generosidade como princípio básico de crescimento e veja a magia acontecer. Seu trabalho vai conquistar o mundo!

Notas finais 

O sucesso não vem de uma hora para outra. E mesmo os trabalhos criativos podem seguir alguns métodos para chegar mais longe e atingir mais público. Não basta apenas esperar a inspiração cair do céu, é mais do que necessário tomar medidas para que o seu trabalho toqueo coração de mais gente. O reconhecimento é fundamental para os artistas ajudarem a transformar o mundo. 

Dica do 12min

Depois de aprender maneiras práticas de deixar claro que você precisa ser valorizado dentro da empresa, nada como ouvir boas dicas de formas efetivas de dar feedbacks para a sua equipe. No microbook A arte de dar feedback, você conta com um guia simples e com lições práticas.  

Cadastre-se e leia grátis!

Ao se cadastrar, você ganhará um passe livre de 3 dias grátis para aproveitar tudo que o 12min tem a oferecer.

Quem escreveu o livro?

Austin Kleon é o autor best-seller do New York Times de três livros ilustrados: Steal Like An Artist, Blackout do jornal e Show Your Work! Seu trabalho foi traduzido para mais de vinte idiomas e apresentado em NPR's Morning Edition, PBS Newshour,The New York Times e The Wall Street Journal. A New York Magazine chamou seu trabalho de "brilhante", o Atlantic o chamou de "posi... (Leia mais)