44% OFF

#BLACKFRIDAY 12min - Traga sua carreira de volta aos trilhos!

Não perca essa chance! Escolha um livro agora e potencialize seu aprendizado!

86 leituras ·  0 avaliação média ·  0 avaliações

Como cuidar do glaucoma

Como cuidar do glaucoma Resumo
Saúde & Dieta

Este microbook é uma resenha crítica da obra: Como cuidar do glaucoma: um guia prático para quem convive com o maior causador de cegueira irreversível no mundo!

Disponível para: Leitura online, leitura nos nossos aplicativos móveis para iPhone/Android e envio em PDF/EPUB/MOBI para o Amazon Kindle.

ISBN: 

Também disponível em audiobook

Resumo

O que é glaucoma?

O glaucoma causa a perda progressiva das células ganglionares e da camada de fibras nervosas da retina, responsáveis pela visão. Complicou? 

Então imagine os olhos como uma máquina fotográfica. A retina forma as imagens, como o filme da máquina. Elas são transmitidas até o cérebro pelo nervo ótico, um tipo de cabo que transmite os arquivos da máquina para o computador. Esse cabo vai se definhando dia após dia nos casos de glaucoma. 

Essa doença, em boa parte das vezes é silenciosa, com uma cegueira impossível de reverter por cirurgia, como acontece com a catarata. Por sinal, existem algumas diferenças entre elas. Vamos entender? 

Diferenças entre glaucoma e catarata

Enquanto a catarata turva a visão, o glaucoma preserva a visão central, sem causar aquela sensação de vista embaçada. O glaucoma reduz o campo de visão de fora para dentro, a catarata não diminui esse campo. E só existe cirurgia de reversão da visão para a catarata, o glaucoma causa cegueira definitiva. 

O que causa o glaucoma? 

A maioria dos casos de glaucoma não tem causa definida, mas é possível rastrear fatores de risco para buscar diagnósticos precoces. Alta pressão ocular, em geral acima de 21 milímetros de mercúrio, idade avançada, histórico familiar e afrodescendência são fatores comuns aos acometidos por glaucoma. 

Tipos de glaucoma

Na metade deste livro, precisamos esclarecer que existem dois os tipos de glaucoma, o primário e o secundário. O glaucoma primário de ângulo aberto também é conhecido como glaucoma crônico simples, responsável pela maioria dos casos. Não costuma dar sintomas e se manifesta quando o estágio da doença já está avançado, com a pressão do olho bastante alta.

O glaucoma secundário, de ângulo fechado, tem causa identificada. Geralmente, acontece pelo uso indevido de colírios à base de corticoides por muito tempo, ou quando a catarata ocupa um espaço cada vez maior dentro do olho e diminui a capacidade de drenagem da pressão ocular. 

Sintomas do glaucoma

Na maioria dos casos, o glaucoma não dá sinais no começo da doença. Em compensação, o glaucoma secundário, o que mais cega, causa dor. Essa dor pode ser esporádica ou diária, leve ou forte. Costuma ocorrer à noite ou sob baixa luz, é até difícil de localizar. Em alguns casos, ocorre até enjoo.

Essa dor pode surgir no meio do sono. Existe um pequeno teste para contatar o glaucoma. Se você acordar no meio da noite com dor nos olhos, tente olhar para uma lâmpada incandescente. Se houver um halo em torno da luz, é possível que sua pressão ocular esteja alta. Tente tocar no olho, suavemente, para comparar a pressão com o outro olho.

Se a dor for muito forte, com turvação da visão, olhos vermelhos e náuseas, é possível que haja um glaucoma agudo. Corra para o oftalmologista, conte os sinais e não perca tempo. 

Como diagnosticar o glaucoma

Você já sabe que o glaucoma pode ser silencioso. E não tem outro jeito de diagnosticar a doença além da visita anual ao oftalmologista. Ele identifica possíveis alterações do nervo ótico e pressão ocular, além de outras alterações na parte da frente do olho. 

Não é fácil identificar o glaucoma, são exames que se combinam para medir o campo de visão central em aparelhos de alta complexidade tecnológica. Há quanto tempo você não faz um check-up nos olhos? Vai continuar perdendo tempo? 

Tratamentos do glaucoma 

É importante deixar claro que cada caso de glaucoma requer tratamento específico, levando em consideração histórico do paciente, estágio da doença e outros cuidados individuais. Mas não se pode deixar a doença avançar sem tratamento. 

Antes a crença comum entre os especialistas era de que a sequência de tratamento com colírio e depois com laser era o ideal para curar o glaucoma. Se não desse certo, a cirurgia antiglaucomatosa era feita. 

Como muitos pacientes reclamam da necessidade de usar colírio, hoje há tratamentos baseado na ingestão de remédios. A evolução da medicina e da tecnologia melhorou a qualidade de vida dos pacientes de glaucoma. Em alguns casos, até mesmo o uso de medicamentos de controle de pressão arterial pode ser indicado. 

Se nos últimos 20 anos os tratamentos contra o glaucoma avançaram consideravelmente, uma coisa não mudou. A necessidade de se consultar com o oftalmologista de confiança, periodicamente, previne e trata essa e outras doenças da visão. 

Notas finais 

A prevenção é sempre o melhor remédio. Nessa breve aula, ficou claro o quanto entender o que é o glaucoma é fundamental para que um possível tratamento tenha os resultados desejados. E se faz muito tempo que você não se consulta com um oftalmologista, está esperando o quê?

Dica do 12’

Você pode aprender um pouco mais sobre saúde e visão ouvindo o microbook Tenho ceratocone, e agora? Nele, você aprende de um jeito simples sobre uma doença que pouca gente conheçe, surge ainda na juventude e que é até simples de ser tratada.

Cadastre-se e leia grátis!

Ao se cadastrar, você ganhará um passe livre de 3 dias grátis para aproveitar tudo que o 12min tem a oferecer.

ou via formulário:

Quem escreveu o livro?

O autor é um médico oftalmologista com mais de 20 anos de experiência no tratamento do gl... (Leia mais)