×
44% OFF

Não deixe suas metas para 2022

Assine 12min Premium por apenas R$0,46/dia e aprenda mais em menos tempo!

1418 leituras ·  0 avaliação média ·  0 avaliações

Caos criativo

Caos criativo Resumo
Desenvolvimento Pessoal

Este microbook é uma resenha crítica da obra: Messy - How to be creative and resilient in a tidy-minded world

Disponível para: Leitura online, leitura nos nossos aplicativos móveis para iPhone/Android e envio em PDF/EPUB/MOBI para o Amazon Kindle.

ISBN: 978-85-8174-508-4

Editora: Belas-Letras

Também disponível em audiobook

Resumo

Criatividade 

O segredo para alimentar constantemente a criatividade é buscar sempre ser o primeiro a fazer o que ninguém fez antes. Mas a criação não surge do nada. E quando você falha, não significa que o lado criativo está morto. Longe disso.

Você precisa enfatizar para si mesmo as próprias falhas, percebendo que nelas estão a resposta para todos os seus problemas de ordem criativa. Quando erramos, nos sentimos mal por tudo ter saído muito diferente do planejado. Mas essa não é a resposta ideal diante dos tropeços, porque é impossível ter tudo previsto, do começo ao fim. 

Se o seu plano saiu dos trilhos, é sinal de que você necessita aperfeiçoar um ponto, trabalhar com mais afinco na dificuldade, fortalecer as fraquezas e assim ficar centrado na sua capacidade mental. Não precisa necessariamente refazer todos os passos dados, mas talvez uma pequena parte das tarefas executadas não foram, assim, tão bem feitas. 

Pode ser também que seja necessário mudar o jeito de trabalhar, olhar sob outros ângulos, reestruturar cada item da sua tarefa. Não tenha medo do erro. E nem se cobre demais por ele. Falhas são humanas e vão aparecer em momentos inesperados, faz parte da vida. 

As pessoas excessivamente organizadas se apavoram quando perdem o controle sobre inúmeras situações. Mas todo controle não passa de ilusão. O imprevisto não avisa quando vai dar as caras. E é do caos que nascem os criativos. 

Colaboração 

Trabalha em equipe? Se a sua atuação para criar depende de outras pessoas, primeiro é bom lembrar todos os dias da necessidade de colaboração. Atenção! Colaboração é sinônimo de comprometimento com um objetivo em comum, mas é muito diferente de autossacrifício. Ninguém deve se ver rebaixado para outros membros do grupo se destacarem com maior proeminência. 

Muito menos é necessário ser amigo dos seus colegas de trabalho. Já viu aquelas imagens de ambientes criativos sempre caóticos, até mesmo com pessoas gritando umas com as outras? Pois é, está aí a mostra de como o caos pode ser aliado da criação. Um ambiente de criadores em permanente paz é quase impossível de existir. 

Isso porque a ajuda mútua em prol da criação não significa, necessariamente, amizades indestrutíveis. Aliás, quase nunca é, especialmente numa equipe de 50 e tantas pessoas. Muitas vezes, integrantes de um grupo de criadores até se odeiam, mas se unem para criar e levar o trabalho adiante. 

A colaboração criativa quase nunca é realizada por meio de abordagens mais arrumadinhas em ambientes tranquilos. Pode ser necessário chacoalhar a equipe para tirar de lá o melhor do potencial de cada um. E agora? 

Quando você se deparar com disfunções, distrações, obstáculos e mesmo brigas, é hora do seu lado criativo minimizar as rupturas, identificar as tarefas a serem executadas e focar as energias no trabalho eficiente. Não tem segredo. Errou? Onde, como e por quê? Para onde ir? O caos abriga muitas ideias perdidas, esperando ser resgatadas. 

Improvisação 

Em alguns momentos, a criatividade pode exigir de nós momentos de improvisação. Será que para isso precisamos de uma inspiração repentina? Nada disso! Para improvisar, é preciso também estar preparado. 

Ninguém consegue tirar da cabeça, em poucos segundos, um discurso impactante se não estiver com bagagem sólida e conhecimentos prévios. Se você for destinado a falar em público assim, repentinamente, tudo aquilo que estudou, leu e consumiu durante toda a vida será necessário para dar o melhor de si.

Agora mesmo, ouvindo este microbook, você já está se preparando para algum momento de improviso. Quando será? Hoje? Amanhã? Depois? Ninguém sabe. O imprevisto pode acontecer a qualquer momento. E você precisa se preparar para estes momentos todos os dias, a cada minuto, em todas as situações da sua vida.

Lembre-se que você precisa estar atento a tudo o que acontece ao seu redor. Não é apenas no ambiente profissional que acontecem situações caóticas para se atentar, tirar o que há de melhor e assim criar bagagem para os momentos da necessária improvisação. 

Por mais admirável que seja o talento de algumas pessoas capazes de criar e impactar o público com experiências, não se iluda com isso. Por trás desse talento admirável, há muito estudo, método, treinamento e preparação. Todo talento precisa ser bastante lapidado antes de ser colocado à prova. 

Vencendo

Você quer vencer? Ora, todos queremos! Mas muitas vezes, o seu oponente nada mais é do que um ponto de referência para avançar um pouco mais dentro da própria capacidade. O seu maior adversário precisa ser encarado de frente todos os dias, não somente quando houver um embate contra a concorrência. Não sabe de quem se trata? 

É você mesmo. Todos os dias, é travada uma luta interna, contra os medos e inseguranças que nos deixam apavorados quando tudo sai do controle e parecemos ser incapazes de criar. Se assustou? Não devia. É assim mesmo. Nunca sentiu um friozinho na barriga, sozinho, com a missão de fazer brotar uma nova ideia mirabolante que parece não ser possível de ser extraída da sua própria mente?

Isso é um processo normal, mas que precisa ser superado para avançar. Para isso, trabalhe sempre no autoconhecimento. Entender quais são as suas dificuldades, habilidades e receios é fundamental para fortalecer o processo criativo nos momentos em que estiver pressionado, precisando dar respostas rápidas às cobranças dos seus superiores. 

Essa luta contra o inimigo interno acontece em diversos segmentos de atuação. No mundo dos negócios e nos esportes isso é mais visível. Basta olhar para um atleta de alto rendimento lutando para bater os próprios recordes e notar como a superação o alimenta para conquistar títulos. 

Se você segue perdendo para si mesmo, não vai conseguir criar nada de relevante, enquanto adversários ainda mais poderosos podem usar dessa fraqueza para desestabilizar você. Vai fugir da luta?

Bolhas e medidas

Pessoas poderosas, desde os governantes até os chefes das grandes corporações, acreditam piamente que quanto mais compreendem o mundo, mais fácil fica para controlarem e explorarem recursos. 

Dessa forma, pensam na própria capacidade de enxergar valor, quantificar e classificar tudo que nos cerca. O maior erro nesse tipo de conduta é começar a perceber o mundo apenas de acordo com a nossa régua. Pessoas que trabalham no campo criativo precisam tomar cuidado para não cair nessa armadilha

Você precisa, em alguns momentos, olhar o mundo da forma como ele é. São muitas crenças e comportamentos diferentes convivendo juntos. A sua bolha não é o único pensamento que existe. Tente olhar o mundo como ele é de fato, de acordo com as diversas crenças e comportamentos dos muitos grupos existentes, não se limitando à própria percepção. 

Não ter em mente as diferenças de visões de mundo que existem é o primeiro passo para se perder na confusão em que se escondem as ideias salvadoras do processo criativo. 

O paradoxo da automação

Automatizar processos no trabalho é o que muita gente deseja em diversos segmentos. Afinal, a automação reduz erros e dá menos margem para as coisas saírem do controle. Ainda assim, é preciso tomar cuidado com o paradoxo da automação, um problema aplicado a vários contextos. 

Quando as coisas saem, digamos, num piloto automático, dentro de um sistema com poucas falhas, não é permitido ousar e tentar a sorte de novas maneiras. E por mais que se deseje minimizar problemas, eles dão origem a todo tipo de inovação. Não surge nada de novo num ambiente de plena paz. O que parece ser uma melhoria, pode matar a sua criatividade.

Resiliência

Contratempos surgem. Não tem jeito, por melhor que seja o seu planejamento, uma hora ou outra as coisas saem do esperado. E, se você quer sobreviver como criativo, necessita resistir ao inesperado. 

Trabalhar a resiliência exige tanto autoconhecimento quanto a capacidade de perceber que é nesses momentos que surgem soluções inesperadas. Quanto maior a resiliência, menor o impacto do caos no trabalho ou na sua atividade criativa.

O caos se instaurou e você não sabe o que fazer? Respira, calma, relaxa. Vai passar. É hora de refletir, pensar, analisar todo o cenário e dele tirar soluções. Elas vão surgir, você sabe, você pode. Siga em frente!

Vida

Muita gente se sente incapaz de perceber as pistas dadas no meio da bagunça. Num meio caótico, sempre estão escondidas as ferramentas necessárias para trabalhar as habilidades de criação. Mas é importante deixar claro que existe algum tipo de ordenação mesmo na bagunça. E só você é capaz de entender como ela funciona. 

No seu caos, um monte de ideias está esperando para serem usadas à sua maneira. É só trabalhar, se preparar para adaptar cada uma delas de acordo com a sua necessidade. Vamos começar?

Notas finais 

A obsessão por manter tudo organizado nem sempre é positiva. Deu para entender bem o quanto nós precisamos de, pelo menos, um pouco de bagunça interna. Sem ela, não poderemos avançar, criar e encontrar soluções para problemas atuais. Quando as coisas estiverem desordenadas, não se preocupe: é um bom sinal para aflorar toda a criatividade aí dentro da sua cabeça. 

Dica do 12min

Viu como no meio da desorganização também saem coisas boas? Ouça agora o microbook O lado bom do lado ruim. Nele, você aprende a tirar lições e experiências positivas mesmo quando tudo parece estar se desmanchando. 

Cadastre-se e leia grátis!

Ao se cadastrar, você ganhará um passe livre de 3 dias grátis para aproveitar tudo que o 12min tem a oferecer.

Quem escreveu o livro?

Tim Harford é membro do conselho editorial do Financial Times. Sua coluna, “o Undercover Economist”, que revela as idéias econômicas por trás de experiências cotidianas, é publicado no Financial Times e distribuído em todo o mundo. Ele também é o único econo... (Leia mais)