O 'ano que vem' chegou!

Para de deixar para depois. Aproveite 44% OFF no 12min Premium!

3424 leituras ·  0 avaliação média ·  0 avaliações

O fim da procrastinação

O fim da procrastinação Resumo
Produtividade & Gestão do Tempo

Este microbook é uma resenha crítica da obra: The end of procrastination: how to stop postponing and live a fulfilled life

Disponível para: Leitura online, leitura nos nossos aplicativos móveis para iPhone/Android e envio em PDF/EPUB/MOBI para o Amazon Kindle.

ISBN: 978-85-4310-935-0

Também disponível em audiobook

Resumo

Uma história da procrastinação 

A procrastinação é um problema antigo na história da humanidade. Existem escritos do poeta grego Hesíodo e também do filósofo romano Sêneca falando sobre essa mania de deixar tudo para depois. Em ambos os casos, os autores falam do desperdício do tempo para a execução de tarefas como um dos grandes responsáveis pela vida passar tão rápido, como se escorresse pelas nossas mãos. 

O ato de procrastinar é um dos grandes entraves para uma vida plena. Existem muitos estudos provando que as maiores razões para os sentimentos de culpa e arrependimento atormentando a mente das pessoas tem a ver com as coisas que elas deixam de fazer, não com as coisas que realmente fizeram. 

Perder oportunidades por deixar tudo para depois é um desperdício de tempo. E isso passa pela cabeça de todos nós, diariamente. Quem nunca apertou o botão soneca do despertador do celular nas primeiras horas da manhã que atire a primeira pedra. 

Ao procrastinar, você perde um tempo que poderia ter sido investido em algo de valor. E esse desperdício não pode ser recuperado, já que o tempo não volta. Ao derrotar esse inimigo que seduz todos nós em momentos de preguiça, cansaço ou falta de vontade, a sua capacidade de realização das tarefas mais difíceis aumenta. 

Mas antes de vencer o inimigo, precisamos conhecê-lo profundamente. De que maneira o fantasma da procrastinação nos atormenta hoje?

A atual era da paralisia decisória 

Por mais corrido que seja o dia a dia contemporâneo, o mundo virou um prato cheio para a procrastinação. E quem tem a capacidade de não deixar nada para depois está uns bons passos à frente da concorrência. Numa sociedade cada vez mais competitiva e com boas oportunidades rareando, isso é um ativo de fundamental importância.

Pensemos nas mudanças no estilo de vida entre os séculos 20 e 21. A expectativa de vida mais que dobrou, a taxa de mortalidade infantil diminuiu a níveis baixíssimos, a violência caiu consideravelmente, os conflitos militares são os menores da história e ainda dispomos de comunicação instantânea, como jamais visto por nossos antepassados. 

Por meio da internet, podemos ler notícias de todo canto do mundo, falar com pessoas a milhares de quilômetros daqui, fazer compras e esperar a entrega em nossas casas e ainda estudar de idiomas a cursos superiores. Tudo a um toque de dedos, com um clique.

São milhões de oportunidades diárias que outras gerações não tiveram durante toda a vida. Com tudo isso à disposição, temos a impressão de que o tempo também está a nosso dispor. Mas ele não volta e continua tendo 24 horas diárias. São mudanças demais e muitos estímulos para o mesmo tempo de milhões de anos atrás. 

Desse jeito, como resistir à procrastinação, se a impressão é de que o tempo está em nossas mãos, a nosso dispor? Como decidir o que fazer, se as opções são tantas? 

Motivação por recompensas e punições

É comum ter a obrigação de realizar tarefas que não parecem ter o menor sentido para nós. Gastar o tempo cumprindo obrigações que não nos agradam é a rotina de muita gente no horário de trabalho, cumprindo funções meramente burocráticas e que não satisfazem seus anseios. 

Tarefas assim costumam ser vistas como desagradáveis e desmotivadoras. E tiram qualquer estímulo para a realização de cada uma delas em tempo hábil. Uma boa maneira de driblar as atividades mais enfadonhas é bolar recompensas e punições. 

Quase como um truque mental. Parece um joguinho de criança, mas essa motivação extrínseca ativa instintos que nos movem. Coloque-se metas para a realização das tarefas mais chatas. 

Mesmo uma pequena recompensa já estimula o seu cérebro a não deixar nada para depois. E uma punição, por mais boba que seja, faz você lembrar no inconsciente o quanto não cumprir o combinado gera consequências ruins. Já é um bom começo quando se trata de mudança interna e individual. 

Motivação baseada em metas

Quando a motivação para executar tarefas diárias é baseada em metas, é bem possível que haja uma melhoria na produtividade. Em compensação, não haverá uma felicidade duradoura na execução de tarefas, cumpridas em piloto automático para não sofrer punições. 

As metas, por mais necessárias que sejam para os números mensais de uma empresa, contribuem fortemente para uma frustração. A motivação por metas é traiçoeira e tem a tendência de nos deixar profundamente desanimados. 

A melhor forma de se sentir motivado para cumprir hábitos é com motivação interna. Para isso, você precisa parar e pensar em quais são os seus propósitos e o que leva você a estar no local de trabalho. É só o dinheiro ou você tem um plano de carreira por ali? Quando há motivação interna, não existe procrastinação forte o suficiente para lhe impedir de fazer o que deve ser feito. 

Criando hábitos

Já passamos da metade do microbook e agora vamos falar do cumprimento de tarefas desagradáveis. Não tem jeito, é impossível fugir delas o tempo todo. Algumas só terão essa característica no começo da execução. Com o passar do tempo, você vai se acostumando.

Os efeitos emocionais das tarefas enfadonhas variam. Mas o fato é que quanto maior a aversão e complicação do trabalho a ser feito, o obstáculo à sua frente para cumprir as ingratas missões também vai aumentar, chegando ao tamanho de um elefante.

Para isso, você precisa criar novos hábitos. Manter as coisas como estão  mantém também você inerte e paralisado. É necessário se acostumar com esses trabalhos chatos até que eles cheguem ao ponto de se automatizarem em seu cérebro. Não sabe como incluir um novo hábito para superar a procrastinação? Calma, a gente ajuda.

Lista de hábitos

Essa ferramenta é muito simples, mas fundamental para o desenvolvimento da disciplina na luta contra a procrastinação. Criar uma lista de hábitos ajuda a fortalecer a força de vontade e a deixar de adiar tudo que é importante. 

Com apenas três minutos por dia, você coloca no papel todas as mudanças significativas, duradouras e de vital importância que você precisa. Assim, seu cérebro entende como vencer a fraqueza, você se mexe e adquire forças para o desenvolvimento de novos hábitos. 

Não importa qual o trabalho necessário. Você pode incluir entre os novos hábitos desde acordar cedo até parar de fumar, parar de apertar o botão soneca do despertador, deixar de comer demais, perder menos tempo na internet ou parar de beber em excesso. Escolha o novo hábito. Parar de procrastinar pode ser um deles, por que não?

O preenchimento da lista de novos hábitos para implantar na vida daqui pra frente é, por si só, um novo hábito. E este é um bom passo para uma nova vida sem procrastinação. 

Como funciona a lista de hábitos? 

Ela é bem simples e trabalha como uma tabela preenchida diariamente. Pode ser escrita à mão ou feita pelo computador. 

Cada tabela corresponde a um mês. As linhas representam os dias e as colunas os hábitos. Para cada um dos hábitos a ser implantados, dê um nome diferente. Também imponha uma meta mínima para cada um desses hábitos. 

Lembre de colocar uma meta baixa para não colocar uma aversão emocional e aumentar as chances de a procrastinação dar as caras. Pronto, agora é só colocar em prática essa mudança gradativa por uma nova vida. 

O fim da procrastinação e seu novo começo 

Qual o seu propósito? Onde você quer chegar? Sem saber responder a essas duas perguntas, as chances de sentir o desânimo que leva à procrastinação aumentam consideravelmente. 

Por mais modelos teóricos e fundamentos científicos que você conheça, sem saber qual o caminho mais adequado a seguir de acordo com o seu perfil, fica tudo muito mais difícil. Ninguém ganha uma corrida se não sabe onde quer chegar. 

A batalha contra a procrastinação é uma tarefa diária. Fatalmente, você terá dias de desânimo ao acordar, com aquela vontade de não sair da cama e ficar dormindo o dia todo.

Mas é isso o que você quer? Não haverá consequências terríveis para a sua vida financeira e profissional caso não resista a ficar embaixo das cobertas? Da mesma forma que você precisou se acostumar quando criança a levantar cedo para lutar por seus objetivos, é possível vencer a batalha contra a procrastinação diariamente. 

Vai deixar para depois?

Notas finais 

Se você é daquele tipo de pessoa que sempre deixa as coisas para depois, a lição deste livro foi que isso é uma questão de escolha e é muito possível mudar esse cenário. A adoção de novos hábitos, bem como a maior compreensão de como funciona a procrastinação, é fundamental para uma vida de prazos cumpridos e menos atrasos. Não deixe para depois o que pode fazer hoje. É clichê, mas os ditados populares nunca erram.

Dica do 12’

'Bora melhorar ainda mais o desempenho? A dica para complementar o aprendizado é ouvir o microbook O sucesso é treinável. Nele, você terá boas dicas para aplicar no dia a dia e assim ter melhores resultados em seu trabalho, ganhando destaque entre a concorrência e podendo almejar voos mais altos.

Cadastre-se e leia grátis!

Ao se cadastrar, você ganhará um passe livre de 3 dias grátis para aproveitar tudo que o 12min tem a oferecer.

ou via formulário:

Quem escreveu o livro?

O autor é um especialista no assunto. Petr Ludwig criou o site procrastination.com, para tratar do assunto. É consultor e orientador de empresas, dedicando-se a aumen... (Leia mais)