44% OFF

Não deixe suas metas para 2022

Assine 12min Premium por apenas R$0,46/dia e aprenda mais em menos tempo!

1112 leituras ·  0 avaliação média ·  0 avaliações

Inspirado

Inspirado Resumo
Tecnologia e Inovação

Este microbook é uma resenha crítica da obra: 

Disponível para: Leitura online, leitura nos nossos aplicativos móveis para iPhone/Android e envio em PDF/EPUB/MOBI para o Amazon Kindle.

ISBN: 978-85-5081-382-0

Editora: Alta Books

Também disponível em audiobook

Resumo

Lições das principais empresas de tecnologia

Existe alguém melhor para aprender sobre inovação do que com os gigantes da tecnologia? Analisando a história das principais empresas desse grupo, podemos notar alguns padrões de comportamento. Existe uma grande diferença entre  o modelo de produção destas empresas e o restante do mercado.

Por trás de todo grande produto de sucesso, tem alguém procurando combinar tecnologia e design, buscando resolver os problemas do pilar essencial da relação de consumo: os clientes. Eles são o foco do trabalho do gerente de produtos, e é pelos problemas ou necessidades deles que o gerente de produtos vai se interessar. 

A equipe que trabalha junto ao idealizador do projeto é um pilar essencial para desenvolver e entregar um produto de qualidade.

A venda de soluções tecnológicas

Na era dos produtos intangíveis, o que se vende não é material, mas uma ideia, um conceito. É necessário construir um produto que foque nos problemas únicos de um recorte de clientes vinculados a experiências movidas à tecnologia.

Bons exemplos de empreendimentos que conseguem se posicionar no mercado de tecnologia e oferecer soluções são as startups, que encontram o encaixe pouco a pouco, até se consolidarem no mercado.

Ainda que consolidadas, empresas que tenham um mercado consumidor relativamente estável precisam continuar inovando seu produto, para que possam consistentemente oferecer algo coerente com as necessidades e realidade dos usuários.

Antes de saber o que fazer, saiba o que não fazer

Muitas iniciativas de produto fracassam, e isso se deve ao processo antiquado que muitas pessoas ainda usam (Ideação – Roadmap – Exigências – Design – Desenvolvimento – Teste – Utilização). Essa linha de produção, que se aproxima do modelo das indústrias da revolução industrial, ainda que ágil, tem problemas sérios.

O principal problema desse processo em cascata é que todo o risco se acumula no fim. A validação do cliente acontece muito tarde. Produtos precisam entregar soluções, e é necessário saber se ele é capaz de atingir isso antes de entrar em desenvolvimento. Dessa maneira, é possível evitar gastar tempo e dinheiro com projetos infrutíferos. 

Portanto, os três princípios que levam ao sucesso no desenvolvimento de produtos são:

  • Os riscos precisam ser abordados com antecedência, em vez de aparecerem só no final. Esses riscos vão desde o risco de valor, risco de usabilidade, risco de viabilidade, risco de viabilidade do negócio e assim por diante;
  • Produtos precisam ser definidos e projetados colaborativamente, não em cascata. É necessário que a equipe de engenharia implemente requisitos que conversem com as equipes de design, de produto e assim por diante. Soluções movidas à tecnologia precisam ser bem amarradas e funcionais;
  • O produto deverá tratar da entrega de soluções e garantir que a solução resolva os problemas subjacentes, sem criar nenhum novo.
  • Assim, o produto precisa ser holístico, possuir funcionalidades úteis e ter monetização associada à funcionalidade, além de ter um bom design de experiência do usuário e conseguir atrair e adquirir usuários e clientes.

Princípios de Fortes Equipes de Produtos

Equipes bem estruturadas criam produtos bem estruturados. Equipes de produtos precisam reunir responsabilidades e habilidades especializadas para construir bons produtos. Uma boa citação que fala sobre o papel da equipe de produtos vem de John Doerr, investidor de risco do Vale de Silício, que comenta que “Nós precisamos de equipes de missionários, não de equipes de mercenários.”

Mercenários seriam aqueles que constroem tudo o que são pedidos, já missionários acreditam na visão e são comprometidos em resolver problemas dentro da empresa.

Uma típica equipe conta com um design de produto e algo entre 2 e 12 engenheiros. Esses profissionais precisam trabalhar como um superorganismo de colaboração.

Visão e Estratégia de Produto

Uma visão de produto consegue enxergar o futuro que se almeja criar. Empresas que criam produtos de tecnologia precisam comunicar bem essa visão de futuro, inspirando investidores, parceiros e futuros clientes. É apenas assim que se pode contar com olhares que unem força para fazer dessa visão de futuro uma realidade.

Esse futuro deve ser planejado para agradar a maior parte das pessoas de um recorte, mas a obsessão por agradar a todos pode lançar o produto num ciclo de não satisfazer ninguém. Não existe uma estratégia de produto ideal para todos os casos.

Para ter uma boa visão, deve-se começar sabendo o porquê (Qual o propósito do produto?). Depois, é necessário pensar no problema que o produto resolve, sem ter medo de pensar grande nessa visão, afinal de contas, o produto precisa inspirar. Pensar grande não significa ser determinista,pois o que importa é que o produto seja factível. 

Avaliação de Oportunidade

Ainda que o produto tenha uma boa visão e uma boa perspectiva de horizonte, é necessário que ele esteja encaixado e alinhado em uma oportunidade. Uma avaliação de oportunidade feita de forma fundamentada pode poupar muito tempo de desenvolvimento, bastando fazer 4 perguntas:

  1. Qual o objetivo de negócio este desenvolvimento vai resolver?
  2. Como pode-se saber se o sucesso foi obtido?
  3. Qual problema será resolvido para o cliente?
  4. Em que tipo de cliente estamos focados?

Essa avaliação de oportunidade deve ser feita tanto no momento de criação de produtos novos, quanto no relançamento ou atualização de produtos. Pois ao lançar uma nova versão, o objetivo não é aprimorar algo existente, mas criar algo inteiramente novo.

Uma vez que o produto e o mercado tenham uma probabilidade de encaixe, é necessário avaliar de forma constante as mudanças de perfil dos usuários. Uma das técnicas mais comuns de fazer isso é com o teste Sean Ellis, que envolve a pesquisa de usuários e como eles se sentiriam caso não pudessem mais usar o produto ou algumas funcionalidades específicas.

Entrevistas de Cliente

O cliente é o pilar mais necessário e importante do ciclo de consumo de produtos. Entender o cliente é uma das funções dos gerentes de produtos, que devem conduzir entrevistas para que seja possível identificar perfeitamente os pormenores a respeito do mercado.

Sempre é necessário entender:

  • Seus clientes são quem você pensa que eles são?
  • Eles realmente possuem os problemas que você pensa que têm?
  • Como o cliente vai resolver esse problema hoje?
  • O que é necessário para que a sua solução seja mais interessante que a forma como eles resolvem hoje?

Descobrir as respostas para essas perguntas é uma das habilidades mais poderosas e importantes que um gerente de produtos pode ter. É a partir dessas respostas que se pode ter um norte mais claro e ideias inovadoras para redirecionar o produto em desenvolvimento.

As melhores dicas para tirar o melhor proveito do contato com os clientes seriam:

  • Ter uma frequência regular de questionamentos ao cliente, a fim de conseguir entender melhor como o produto tem se comportado nas mãos dos usuários, o que poderia ser melhorado e assim por diante;
  • Entender, ainda que rapidamente, o feedback. Nas entrevistas, não se deve tentar convencer ou provar nada aos usuários. Os clientes regurgitam informações, que os profissionais devem apenas absorver, sem réplicas;
  • Preparar antecipadamente perguntas indispensáveis que devem ser feitas;
  • Acompanhar o cliente, procurando notar uma evolução do mesmo usuário no decorrer do tempo, conforme novas versões do produto chegarem ao mercado.

Prototipagem

Protótipos estão presentes em qualquer linha de produção de tecnologia. Na maior parte do tempo, engenheiros se debruçam sobre ideias de produtos e protótipos. Isso acontece para que os riscos sejam encontrados, principalmente quanto à viabilidade técnica.

As principais preocupações seriam relacionadas a: 

  • o algoritmo;
  • o desempenho;
  • a escalabilidade;
  • a tolerância às falhas;
  • a necessidade de utilização de uma tecnologia nova para a equipe;
  • a utilização de serviços terceirizados;
  • a dependência de mudanças relacionadas a novas ou outras equipes.

Protótipos devem trazer a possibilidade de escrever apenas as linhas de código suficientes para mitigar o risco de viabilidade técnica.

Uma vez que o protótipo interno tenha sido aprovado, é hora do protótipo de usuário entrar em cena, passando por vários tipos de validação. A apresentação desse protótipo pode acontecer de forma mista (conforme ele estiver sendo desenvolvido internamente), ou no fim da linha de produção do protótipo. Tudo depende das ideias do gerente de produto.

Teste de Usabilidade

O potencial usuário deve ter a oportunidade de acessar o produto antes que ele entre no mercado. Uma vez que o protótipo esteja pronto e tenha passado pelas mãos dos usuários, é necessário captar informações dos que tiveram contato com a ferramenta, para saber o que é necessário fazer antes que o produto chegue ao mercado.

Existem três cenários que devem ser analisados: 

  • aquele em que o usuário terminou a tarefa dentro do produto sem problemas ou sem precisar de ajuda; 
  • aquele em que o usuário teve dificuldade, mas terminou; 
  • e aquele em que o usuário frustrou-se e desistiu de usar o produto.

Em geral, cada cenário possui algo a nos contar, sendo necessário interpretar cada um desses contextos e suas peculiaridades.

O objetivo aqui é ganhar entendimento profundo dos usuários e como eles constroem a relação com o produto, identificando pontos de resistência no protótipo e correções indispensáveis.

A Cultura Interna Correta

Sem estimular o desenvolvimento de uma boa equipe, seguir pelas fases de testagem e reavaliação de produtos é impraticável. Boas equipes possuem uma visão de produto persuasiva, guiada pelos ideais da marca.

Sem isso, a empresa pode perder a habilidade de inovar. Empresas consistentemente inovadoras e inspiradoras seriam a Amazon, a Google, Facebook e Netflix. Elas possuem alguns pontos em comum, como:

  • Uma cultura centrada no cliente;
  • Visão de produto persuasiva, que cria o futuro, ainda que ele não exista atualmente;
  • Estratégia de produto focada;
  • Gerentes de produto fortes e obstinados;
  • Coragem corporativa;
  • Equipes de produtos estáveis e constantes;
  • Tempo e investimento para inovação.

É somente assim que se pode ter certeza que o empreendimento tem um norte coerente e capaz de entregar, no final da linha de produção, algo que realmente possa fazer sucesso entre os consumidores.

Notas Finais

Um bom produto é fruto de uma boa cultura interna. É por meio de uma cultura interna funcional que um bom produto poderá nascer. A cultura da inovação precisa da cultura de experimentação, de mentes abertas, do empoderamento da equipe, da crença na tecnologia e na crença no próprio negócio.

É necessário enxergar as oportunidades e mover-se rápido diante delas. Uma forte cultura de execução inclui líderes para a ação, unindo todas as partes de uma maneira holística e coerente rumo ao mesmo fim. Apenas com uma equipe de Missionários, e não Mercenários se poderá alcançar o Santo Graal dos produtos de tecnologia.

Dica do 12’

Que tal entender um pouco mais do impacto que o seu produto de tecnologia pode ter no mundo a partir do que Charles Handy tem a falar em The Second Curve: Thoughts on Reinventing Society?

Cadastre-se e leia grátis!

Ao se cadastrar, você ganhará um passe livre de 3 dias grátis para aproveitar tudo que o 12min tem a oferecer.

ou via formulário:

Quem escreveu o livro?

Marty é fundador do Silicon Valley Product Group, além de autor e palestrante. Ele já ajudou centenas de empresas a criar produtos que os clientes amam através de seus trabalhos em pesquisa e consultoria. Realizou posições de produtos executivos no eBay, AOL, Netscape, Continuus e HP; start-ups e Fortune 500. Responsável pela estratégia de negócios, estratégia de produto, gerenciamento de produtos, design de produto, experiência de usuário e processo de desenvolvimento de produtos para as principais empresas d... (Leia mais)