×
50% OFF

Você está a 12min da sua melhor versão!

Aproveite 50%OFF no 12min e comece a se desenvolver agora!

2475 leituras ·  0 avaliação média ·  0 avaliações

Equipes brilhantes

Equipes brilhantes Resumo
Gestão & Liderança

Este microbook é uma resenha crítica da obra: The culture code: the secrets of highly succesful groups

Disponível para: Leitura online, leitura nos nossos aplicativos móveis para iPhone/Android e envio em PDF/EPUB/MOBI para o Amazon Kindle.

ISBN: 978-8543107660

Editora: Sextante

Também disponível em audiobook

Resumo

Construindo segurança: quando dois mais dois são dez

Você já se perguntou o que leva alguns grupos a serem mais fortes do que a soma de suas partes, enquanto outros parecem bater cabeça o tempo todo?

Isso se deve à cultura de grupo. Essa força poderosa está presente nos negócios bem-sucedidos. Onde existe uma equipe vitoriosa, a cultura de grupo está presente. Com ela, a soma de dois mais dois é dez. Ou até mais. Os resultados se multiplicam quando todos têm um mesmo objetivo para trabalhar juntos.

Uma cultura de grupo forte é capaz de fazer aumentar a receita líquida das empresas a longo prazo, já que tudo é feito em prol do mesmo objetivo. Pensar coletivamente não é besteira, né? 

As maçãs boas

Imagine um bom funcionário apresentado a três tipos de personagens maléficos. O canalha, que desvia recursos, o displicente, que não se esforça no dia a dia, e o derrubador, que aposta em ver tudo dando errado. 

Em média, a queda no desempenho desse bom funcionário é de 30% a 40%. Isso prova que as maçãs podres podem, sim, destruir as maçãs boas num ambiente de trabalho. Por isso, os bons funcionários precisam ser valorizados, para que se sintam importantes individualmente. Caso contrário, o apodrecimento é um caminho sem volta para todo o cesto da equipe, ficando ainda mais infrutífera.

Construindo o pertencimento

É preciso deixar claro que a cultura de grupo não significa um ambiente leve o tempo todo, com felicidade e tranquilidade sem fim. Muitas vezes, um local de trabalho com foco no grupo é agitado, com funcionários orientados para solucionar problemas difíceis conjuntamente. 

Para isso, é fundamental contar com muitos feedbacks. Eles precisam ser sinceros, mesmo que verdades desconfortáveis venham à tona. A maturidade necessária na cultura de grupo preenche lacunas de ressentimento quando as coisas não vão bem. 

Um feedback de qualidade estimula o esforço para encontrar soluções e leva a equipe a melhorar o desempenho de maneira orgânica. É preciso ser claro e direto sem soar ofensivo. Quando todos do time sabem em que patamar estão, a sensação de pertencimento aumenta. 

Transformando o pertencimento

Chegamos à metade do microbook com uma modificação simples e capaz de transformar a sensação de pertencimento num grupo de trabalho. Quanto mais comunicativo for o ambiente, maiores as chances de os projetos se tornarem bem-sucedidos. 

Para haver mais química e coesão no dia a dia, cheio de correria e metas para serem batidas, ajuda muito ter as mesas mais próximas. Parece besteira? Quanto mais perto, mais inevitável é a troca de experiências, conversas e questionamentos para entender quantos passos ainda serão necessários para chegar no destino comum.

Mesmo que o ambiente seja focado na cultura de grupo, volta e meia surgem as individualidades. O distanciamento físico influencia um maior afastamento de ideias, prejudicando a troca de feedbacks e opiniões. Quanto mais próximos os funcionários de um setor, maior seu senso de pertencimento.

Ideias práticas

A construção de um ambiente de trabalho seguro e colaborativo não é simples, nem acontece de uma hora para outra. E por mais que não exista um manual de instruções ou um passo a passo robótico, boas ideias podem ser colocadas em prática, aumentando a sensação de um ambiente de trabalho verdadeiramente coletivo. 

Incentive essas práticas positivas e note a transformação no dia a dia, com melhoria nos resultados:

  • Reitere várias vezes que você está prestando atenção no que é dito, não importa quem fale. Afinal, todo mundo deseja ser ouvido;
  • Deixe claro desde o início o fato de que você também está sujeito a erros. Especialmente se for um líder, a sensação de que ninguém é infalível encoraja os funcionários a tentarem, sem medo de broncas;
  • Abrace o mensageiro, mesmo quando ele trouxer uma mensagem ruim. Ele não é o culpado, apenas informa o fato;
  • Visualize as futuras conexões, tanto interna quanto externamente;
  • Exagere nos agradecimentos, nunca é demais dizer muito obrigado;
  • Seja cuidadoso no processo de contratação. Dá trabalho, é claro. Mas contratar errado e trazer uma maçã podre para a equipe é um erro brutal;
  • Elimine as maçãs podres, elas contaminam todo o ambiente;
  • Crie espaços seguros e ricos em conexões. Permita que o grupo possa compartilhar experiências, das boas às ruins. Faça com que ninguém sinta medo de errar;
  • Garanta que todos tenham voz, sem medo de perguntar, tentar, levantar a voz para sugerir ideias;
  • Recolha o lixo. Quando necessário, ajude nas tarefas mais primárias de sua atividade, sem vergonha de se sentir rebaixado. Isso aumenta a sensação de pertencimento e coletividade;
  • Valorize os momentos de transição e mudanças. Afinal, nada é para sempre;
  • Evite os feedbacks agressivos, que podem fazer a equipe se sentir humilhada;
  • Aproveite a diversão. Afinal, você também está aqui para aproveitar, para desfrutar. 

Compartilhe vulnerabilidades

Sempre que possível, divida a equipe em pequenos e em grandes grupos. Dessa forma, fica mais fácil criar cooperação entre seus membros e valorizar mais a sensação de pertencimento entre todos. 

As vulnerabilidades individuais e coletivas precisam ser sempre compartilhadas para saber onde precisam ser trabalhadas as melhoras em direção  ao sucesso. 

Estabelecendo um propósito

Por fim, direcione toda a equipe para um objetivo comum. Pode parecer básico, mas isso é esquecido por muitos líderes. Sem um mesmo propósito, não existe cultura de grupo. 

Nas equipes de trabalho, você vai encontrar funcionários mais proficientes e outros mais criativos. Busque conciliar as duas habilidades para que se complementem e fique mais fácil encontrar soluções para os problemas. 

Sua equipe pode brilhar conjuntamente, ou fracassar se cada um só pensar em si. Qual é a sua escolha? 

Notas finais 

Liderar grupos, dos menores aos maiores, nunca é fácil. Quando eles são muito fragmentados e a equipe não se entende, a missão é praticamente impossível. Estabelecer uma cultura de grupo não é um processo que ocorre de uma hora para outra, mas Daniel Coyle forneceu ferramentas bem simples para mudar o cenário atual. Coloque-as em prática, faça com que dois mais dois virem dez na sua equipe.

Dica do 12’

Para aplicar conhecimentos na vida laboral, ouça o microbook Faça do coaching um hábito e descubra boas maneiras de melhorar os costumes e a gestão no seu ambiente de trabalho.

Cadastre-se e leia grátis!

Ao se cadastrar, você ganhará um passe livre de 3 dias grátis para aproveitar tudo que o 12min tem a oferecer.

Quem escreveu o livro?

O autor é um premiado jornalista e editor da publicação Outside, já foi duas vezes finalista do National Magazine Award, que premia artigos... (Leia mais)