O 'ano que vem' chegou!

Para de deixar para depois. Aproveite 44% OFF no 12min Premium!

2101 leituras ·  3.0 avaliação média ·  1 avaliações

A Vida de William Shakespeare

A Vida de William Shakespeare Resumo
12min Originals e 12min Personalities

Este microbook é uma resenha crítica da obra: 

Disponível para: Leitura online, leitura nos nossos aplicativos móveis para iPhone/Android e envio em PDF/EPUB/MOBI para o Amazon Kindle.

ISBN: 

Também disponível em audiobook

Resumo

Nascido há quase 500 anos atrás, William Shakespeare é geralmente reconhecido como o maior de todos os escritores ingleses e um dos criadores mais extraordinários da história da humanidade. Sua obra consiste em dois longos poemas narrativos, 154 sonetos amplamente aclamados e cerca de 40 peças - mais da metade das quais são consideradas obras-primas.  Se interessou? Então vem com a gente conferir o conteúdo original 12min sobre a vida de Shakespeare!

“A única cena agitada em um país”

Nos últimos dias de 1592, um pequeno e curioso panfleto foi publicado na Inglaterra elizabetana sob o título barroco "Groats-Worth of Wit de Greene”, “comprado com um milhão de arrependimentos". Continha, segundo a editora, os desejos moribundos de Robert Greene, sem dúvida o dramaturgo mais popular das gerações passadas.

Greene morreu poucos meses antes, sem um tostão no bolso. Ele torna esse sentimento particularmente conhecido em uma seção famosa do panfleto, que toma a forma de uma carta endereçada a seus sucessores - três dramaturgos sofisticados, coletivamente conhecidos como "intelectuais universitários". Ele os adverte para que parem de escrever para o teatro, pois podem acabar como ele, quebrados e abandonados pelas mesmas pessoas que estão enriquecendo: os atores, “aqueles fantoches [...] que falaram pela boca”.

Essas palavras hostis e cruéis são o primeiro anúncio público de William Shakespeare, até então um novato de 28 anos com apenas algumas peças em seu currículo. Porém, apenas seis anos e mais de dez peças depois, um jovem clérigo chamado Francis Meres descreveria esse mesmo dramaturgo como “alguém com a língua doce”, observando que, se as musas pudessem falar inglês, falariam como Shakespeare formulava as suas frases. Surpreendentemente, Shakespeare escreveu quase todas as suas melhores peças depois.

"Um homem em seu tempo desempenha muitos papéis"

Com formação em Cambridge, Greene acusa Shakespeare de ser um alpinista social e um charlatão não escolarizado, repassando os versos da "inteligência universitária" como sendo sua. Além disso, ele alega que essa “cena sacudida” - um trocadilho óbvio no nome de Shakespeare - se considera superior a todos os outros e acredita erroneamente que ele pode ser capaz de fazer tudo e qualquer coisa. No jargão moderno, a frase latina conhecida como "Johannes Factotum" pode ser traduzida como "Johnny faz tudo" ou o mais popular "pau para toda obra".

Shakespeare foi, de fato, algumas coisas em sua vida: ator, dramaturgo, poeta, empresário. Indiscutivelmente, ele é muito mais conhecido hoje pelas peças que ele foi feito para interpretar postumamente: um bardo nacional, um gênio universal, um filósofo incomparável, um impostor - para citar apenas algumas de suas habilidades. Em alguns desses papéis, ele se destacou; em outros, ele vacilou - os sucessos superam os fracassos por uma ampla margem. Para evitar as armadilhas da idolatria e pintar um retrato mais completo do homem rotineiramente considerado o maior dramaturgo do mundo, talvez seja melhor se repassarmos alguns papéis que Shakespeare representou em seu tempo e descobrir o que o tornou um homem único para todas as idades.

Shakespeare, a pessoa

Embora a evidência documental de Shakespeare seja mais extensa do que qualquer outro dramaturgo inglês, exceto Ben Jonson, pouco se sabe com certeza aceitável sobre sua vida.

Ele foi batizado em 26 de abril de 1564 e provavelmente nasceu poucos dias antes. Seu pai, John, era um bem-sucedido fabricante de luvas e um estimado cidadão de Stratford, por isso é seguro supor que ele tenha enviado seu filho para a recém-fundada King's New School, uma premiada escola de gramática. Shakespeare provavelmente deixou a escola quando tinha 15 anos. Aos 18 anos, casou-se com Anne Hathaway, uma mulher oito anos mais velha. Anne já estava grávida no momento do casamento e, seis meses depois, deu à luz uma filha, Susanna, em 26 de maio de 1583. Logo depois, os gêmeos Hamnet e Judith nasceram: no início de 1585.

Desde o nascimento dos gêmeos de Shakespeare até o panfleto de Greene de 1592, há uma lacuna no registro da vida de Shakespeare. Presumivelmente, em algum momento desse período sombrio de sete anos, ele ingressou em uma companhia de teatro que visitou Stratford e depois acompanhou os atores a Londres. Lá, ele rapidamente se tornou ator e dramaturgo e, em 1594, tornou-se um membro-chave da organização teatral de maior sucesso na Inglaterra elisabetana: os homens de Lord Chamberlain.

Em 1596, aos 11 anos, o único filho de Shakespeare, Hamnet, morreu. Nesse mesmo ano, o College of Heralds concedeu-lhe um brasão de armas, dando-lhe o status de "cavalheiro". Na época, essa distinção tinha um significado social real, apenas cerca de 5% da população podia reivindicar status de nobreza. Além de se tornar um cavalheiro, Shakespeare estava lentamente se tornando o principal dramaturgo do período, devido aos sucessos de "Romeu e Julieta", "Sonho de uma noite de verão" e "O mercador de Veneza".

Investidor astuto, ele começou a adquirir propriedades em Londres e Stratford e, em 1597, comprou a segunda maior casa de sua cidade natal. Dois anos depois, com os outros membros de sua companhia, ele se tornou sócio do recém-construído Globe Theatre. "As You Like It" e "Hamlet" foram algumas das primeiras peças a serem executadas lá. Em 1603, após a morte da rainha Elizabeth, a trupe de Shakespeare acrescentou um novo e importante sucesso à sua já grande prosperidade: eles se tornaram servos do novo governante, o rei James I. A partir de então, eles eram conhecidos como os homens do rei, e as peças de Shakespeare eram agora realizadas regularmente no palácio real.

Shakespeare escreveu quase todas as suas tragédias mais conhecidas - "Otelo", "Rei Lear", "Macbeth" - nos três anos seguintes. Posteriormente, ele se voltou para a tragicomédia e o romance, despedindo-se pungentemente do teatro com "A Tempestade", cujo protagonista Prospero anuncia o fim de todos os prazeres e promete afogar seu livro "mais profundo do que nunca."

Em 1613, o mundo foi destruído pelo fogo. Nesse mesmo ano, aos 49 anos, Shakespeare parece ter se aposentado em Stratford, onde morreu três anos depois, em 23 de abril, seu suposto aniversário.

Shakespeare, o dramaturgo

No ano da morte de Shakespeare (1616), seu contemporâneo Ben Jonson - então admirado como o melhor escritor da Inglaterra - tornou-se o primeiro dramaturgo a ter seus trabalhos reunidos e publicados como um todo. Este foi um evento sem precedentes: na Inglaterra elizabetana, os dramas eram vistos como algo da moda e projetados para o palco, não como algo duradouro e financeiramente atraente, como um livro publicado.

Felizmente, as “Obras Completas” de Jonson se mostraram populares e inspiraram dois colegas atores e amigos íntimos de Shakespeare, John Heminges e Henry Condell, a produzirem o “Primeiro Fólio”, uma edição coletada das peças de Shakespeare. Publicado em 1623, o volume foi precedido por um poema de louvor por ninguém menos que Jonson, que - embora geralmente arrogante e provocador - elogiou aqui seu amigo Shakespeare como o melhor poeta da Inglaterra e o dramaturgo supremo da história. 

Suas peças foram escritas no estilo dominante do dia e refletiam os valores convencionais de seu período; quase todas as histórias já haviam sido contadas por outra pessoa antes dele; ele raramente - se é que alguma vez - quebrou as convenções teatrais estabelecidas por seus antecessores. Então, o que é que torna suas obras tão duradouras e sempre relevantes? Quatro coisas parecem se destacar:

● O idioma dele Em suas peças, Shakespeare emprega mais de 21.000 palavras separadas, e cada 12 delas é sua criação. Para dar apenas uma seleção aleatória: ele parece ter inventado o verbo "vomitar", o substantivo "crítico", o adjetivo "moda" e o advérbio "instintivamente". Não é verdade que ele cunhou mais palavras novas em inglês do que qualquer outra pessoa, mas certamente é verdade que ele fez isso com uma facilidade sem precedentes.                  

● Sua imaginação e imagens:

Não é apenas o número de palavras: também é o que Shakespeare conseguiu fazer com elas. Um mestre da linguagem figurativa, ele poderia construir peças poderosas de retórica, como o discurso de Marcos Antônio em "Júlio César" e belas passagens de versos líricos, como as cenas de amor de "Romeu e Julieta". Ele podia deixar escapar comentários espirituosos e até vulgares como os de Bottom em "Sonho de uma noite de verão", ou Malvolio em "Noite de Reis", e também compor discursos intensos como os proferidos por Macbeth ou Rei Lear nas peças homônimas. Quando a trama exigiu, ele era capaz de escrever um monólogo memorável, como Hamlet, de “ para ser ou não ser”, e realizar tudo o que desejasse.

● Sua universalidade e destreza Shakespeare era extremamente versátil:

De fato, não é exagero dizer que ele é o único dramaturgo da história que se destacou igualmente na comédia e na tragédia. Nem esperamos comédias de Sófocles e Racine, ou tragédias de Aristófanes e Molière; Shakespeare nos deu não um - mas alguns espécimes perfeitos de ambos. Camponês que virou cavalheiro, ele sabia como satisfazer os gostos dos monarcas e as expectativas dos "anciãos" - os mais pobres dos pobres que só podiam assistir a suas peças do "quintal" dos teatros por um único centavo. Até hoje, as peças de Shakespeare têm a capacidade de encantar crianças em idade escolar e também os mais velhos.                  

● Sua capacidade de criar personagens tridimensionais:

Isso é, mais do que tudo, o que separa Shakespeare de seus contemporâneos e quase qualquer outro dramaturgo da história. Praticamente todo personagem nele é realista e natural e “tanto um indivíduo quanto os da própria vida; é tão impossível encontrar dois iguais. Nas palavras de Harold Bloom, um admirador moderno de Shakespeare, “Cervantes o rivaliza com duas personalidades gigantes: Don Quixote e Sancho Panza, mas Shakespeare tem centenas. Barnardine, em 'Medida por Medida ' , fala apenas quatro vezes, e num total de sete frases, e ainda o conhecemos completamente.” Alguns outros personagens - como Hamlet, Falstaff, Iago, Lear e Macbeth - parecemos conhecer ainda melhor do que nós.                  

Shakespeare, o poeta

Quando os teatros de Londres foram fechados por causa de uma praga entre 1592 e 1594, o sempre prático Shakespeare voltou-se para a poesia não dramática - na esperança de ganhar dinheiro com um rico patrono. O resultado foi "Venus and Adonis" e "The Rape of Lucrece", duas obras narrativas dedicadas ao conde de Southampton. Mais ou menos nessa época, Shakespeare também começou a escrever seus sonetos, poemas populares de 14 linhas construídos com três quadras e um dístico final. A forma foi inventada pelo poeta italiano Petrarch no século 14 e logo depois varreu a Europa, gerando milhares de imitadores antes que Shakespeare tentasse.

Publicado pela primeira vez (provavelmente sem o consentimento de Shakespeare) para a recepção morna em 1609 - e criticado por séculos devido à sua natureza predominantemente homossexual e várias referências sexualmente explícitas - os sonetos de Shakespeare são hoje considerados por muitos como alguns dos maiores poemas de amor já escritos. Em cento e cinquenta e quatro no total, eles formam um ciclo solto, girando em torno dos relacionamentos do autor com três personagens principais: a Juventude Justa, a Senhora das Trevas e o Poeta Rival.

Não sabemos se eles são baseados em pessoas reais, mas provavelmente não é necessário discutir isso. Os sonetos são ótimos não por causa de sua história ou importância autobiográfica, mas por causa de sua imensa beleza artística. Alguns deles - por exemplo, 18, 29, 106, 116, 129, 130 - são densamente ricos em linhas inesquecíveis cujo "calor dos sentimentos, brilho das imagens e graça das frases" não foram superados até hoje. Shakespeare poderia estar ciente disso: "Nem o mármore, nem os monumentos dourados dos príncipes sobreviverão a essa poderosa rima", escreveu ele no início de seu famoso 55º soneto. O tempo provou que ele estava certo.

Shakespeare, o filósofo

Dois séculos após a morte de Shakespeare, o poeta romântico inglês Samuel Taylor Coleridge escreveu que "[Shakespeare] não era apenas um grande poeta, mas também um grande filósofo" e o descreveu como "o maior gênio que talvez a natureza humana já tenha produzido". 

No entanto, isso é um exagero: Shakespeare não era, na verdade, nem um estudioso e nem um filósofo. Além disso, ele não era - como seu contemporâneo Jonson, muito instruído - alguém que falava por injustiça ou arriscava o conforto de sua vida por ideais e princípios..

Mas, talvez, foi isso que fez dele um artista tão único. Observador perspicaz da natureza humana, ele nunca filtrou os pensamentos de seus personagens através de suas próprias atitudes e crenças. Mesmo quando julgou alguns deles, ele fez isso por uma questão de convenção, e não por ser moralista. Ele sabia que "nossas virtudes estão na interpretação da época" e que "não há nada de bom ou ruim, mas pensar faz com que seja".

Então, ao invés de interpretar o que viu, ele escolheu apenas retratar. Isso é muito mais difícil do que parece. É quase impossível ser neutro. Shakespeare, de alguma forma, constantemente é. Sabemos muito pouco sobre ele, porque ele não se retrata em nenhum lugar de suas peças ou sonetos. Ele é, nas palavras de Alexander Pope, “acima de todos os escritores, o poeta da natureza: o poeta que mantém para seus leitores um espelho fiel das maneiras e da vida. Quando você lê outros grandes autores, estuda principalmente seus cérebros e corações; quando você lê Shakespeare, estuda tudo, menos ele”.

"Tudo e nada"

O romancista popular francês Alexandre Dumas observou uma vez que “depois de Deus, Shakespeare criou mais. Um século depois dele, o escritor espanhol Jorge Luis Borges deu um passo adiante, equiparando os dois em uma bela e de dez parábolas”.

"Eu, que tenho sido tantos homens em vão, quero ser apenas um homem - eu mesmo", diz Shakespeare a Deus na história de Borges. "Nem eu sou o que sou", responde Deus de um turbilhão. “Sonhei com o mundo como você sonhava com suas peças, querido Shakespeare. Você é uma das formas dos meus sonhos: como eu, você é tudo e nada.

Nesse paradoxo final, Shakespeare não é realmente diferente do criador supremo: quando tudo o que é dito e feito, os dois parecem ter criado pessoas muito mais reais do que eles - e então, espantados com suas próprias criações, recuaram para o anonimato.

Dica do 12min

Gostou do texto? Não deixe de conferir outros microbooks exclusivos, na categoria “12min Personalidades”.

Cadastre-se e leia grátis!

Ao se cadastrar, você ganhará um passe livre de 3 dias grátis para aproveitar tudo que o 12min tem a oferecer.

ou via formulário: