O 'ano que vem' chegou!

Para de deixar para depois. Aproveite 44% OFF no 12min Premium!

1444 leituras ·  0 avaliação média ·  0 avaliações

A Vida de Dante Alighieri

A Vida de Dante Alighieri Resumo
12min Originals e 12min Personalities

Este microbook é uma resenha crítica da obra: 

Disponível para: Leitura online, leitura nos nossos aplicativos móveis para iPhone/Android e envio em PDF/EPUB/MOBI para o Amazon Kindle.

ISBN: 

Também disponível em audiobook

Resumo

Considerado o melhor poeta italiano da história, Dante Alighieri é tido como uma das grandes influências que definem a cultura moderna da Europa Ocidental. Com contribuições consistentes para pelo menos cinco áreas diferentes do desenvolvimento humano, o poeta é conhecido até hoje por suas obras e ideias. Então vem com a gente conferir o conteúdo original 12min sobre a vida de Dante Alighieri!

Prólogo: Florença, “onde o sangue civil torna as mãos civis impuras”

Antes de se tornar o berço do Renascimento, Florença era uma cidade de elites cavalheirescas e desordem pública, uma cidade dividida entre várias famílias, com diferentes sentimentos e pensamentos. Algumas delas, principalmente famílias mercantis ricas, eram a favor do papado; estes eram os Guelphs. Em contraste, os gibelinos predominantemente agrários apoiavam o Sacro Imperador Romano e defendiam uma separação entre igreja e estado.

Quem sabe se esse rancor antigo teria quebrado um novo motim, se não fosse pelo amor e também por um Guelph florentino apaixonado, chamado Buondelmonte de Buondelmonti. No início de 1215, em uma cerimônia pública de compromisso, ele desrespeitosamente passou pela noiva e sua família - o poderoso clã Ghibelline Amidei - e pediu em casamento a mão de uma garota de cabelos louros da casa rival de Donati.

Humilhados, os Amidei imediatamente começaram a planejar vingança. Quando não conseguiram decidir sobre o tipo de punição, Mosca dei Lamberti - cuja família era aliada dos Amidei - pronunciou as agora famosas palavras: "Cosa fatta capo ha", que significa "o que está feito está feito" - ou, mais literalmente - "Todas as coisas devem ter uma conclusão". Mosca quis dizer que Buondelmonte deveria ser morto, porque mesmo uma forma mais suave de vingança (como uma simples surra, por exemplo) incorreria tanto em ódio quanto uma forma mais grave, o assassinato.

No domingo de Páscoa do mesmo ano, prestes a se casar com a garota Donati, Buondelmonte foi emboscado pelos Amidei e seus aliados, arrastados de seu cavalo e esfaqueados até a morte ao lado da estátua de Marte, na cabeceira da Ponte Vecchio - mesmo lugar onde ele havia rejeitado sua promessa alguns meses antes. Os antigos cronistas vêem esse assassinato como a origem da divisão da cidade entre as facções Guelph e Ghibelline, o "começo de sua destruição". A dinâmica dessa inimizade definiria a vida política em Florença pelos próximos dois séculos. E também definiria a vida de Dante.

Poesia: “eles me receberam como parte de seu próprio grupo”

Dante Alighieri, o maior poeta da língua italiana, nasceu meio século após o assassinato de Buondelmonte, entre 11 de maio e 11 de junho de 1265. Sua mãe, Donna Bella, morreu durante o parto. Seu pai, Alighiero di Bellincione d'Alighiero, era um membro dos Guelphs, mas era politicamente tão baixo que parece não ter sofrido represálias, mesmo depois que o exército sienês-gibelino derrotou a então predominantemente guelphiana Florença na batalha de Montaperti, cinco anos antes do nascimento de Dante. Seu filho não teria a mesma sorte: por causa de suas afiliações políticas, Dante seria levado ao exílio em 1302, aos 37 anos. O melhor filho de Florença teria que passar as últimas duas décadas de sua vida longe da cidade que o tornaria famoso pela eternidade.

Não se sabe muito sobre a juventude de Dante. É provável que ele tenha recebido uma educação latina dentro do comum. Também é sabido, a partir de seu próprio testemunho, que, para aperfeiçoar seu estilo literário, ele estudou com Brunetto Latini - o mais renomado poeta, filósofo e político florentino da geração anterior. Aos 18 anos, movido por uma visão de sonho horrível e apaixonada, Dante escreveu um de seus primeiros sonetos, que ele enviou aos poetas mais famosos da época para provar que ele havia dominado a arte de escrever poesia. O soneto foi respondido por muitos, mas a resposta mais importante veio, na forma de soneto, de um trovador de 33 anos chamado Guido Cavalcanti. A troca marcaria o início da amizade ao longo da vida - um tanto quanto politicamente tumultuada -.

Marcaria também a introdução de Dante ao "doce novo estilo", o movimento literário mais importante do século XIII. Inspirados pelos versos do poeta nascido em Bolonha - Guido Guinizelli - Dante, Cavalcanti e alguns outros estilistas da Toscana seriam pioneiros em uma mudança revolucionária na literatura, afastando-se do amor tentadoramente erótico e completamente egoísta dos tempos passados ​​para descobrir e retratar a beleza de amar generosa e puramente. Com os estilistas, a imagem da amada angélica e a dor do coração gentil que a adora viriam a ser sujeitos poéticos legítimos pela primeira vez na história da literatura. Os poetas gregos antigos podem ter inventado o amor - mas Dante e seus colegas trovadores, com certeza, o refinaram.

Idioma: “Desde o começo, minha intenção era escrever no vernáculo”

Por mais inovadoras que tenham sido as experiências estilísticas dos trovadores, sua principal contribuição para a história das grandes ideias foi, sem dúvida, política. Ou seja, ao defenderem o uso da língua da Toscana em detrimento do latim na literatura, eles mudaram a história linguística de seu país ainda inexistente e transformaram completamente o cenário social da humanidade.

Em grande parte devido à decisão de Dante de escrever suas obras em sua língua nativa, e não em latim, o dialeto da Toscana se tornou o idioma italiano e o idioma italiano se tornou a "língua franca" da Europa medieval tardia. Nos séculos após a morte de Dante, poetas de toda a Europa seguiram o exemplo e, quando Gutenberg inventou a imprensa, as ideias das principais mentes europeias já começaram a circular entre as massas, anunciando o advento da democracia, do igualitarismo e da economia. 

Dante não escreveu apenas na Toscana - ele também compôs dois importantes tratados defendendo o uso da língua literária italiana. Ambos foram escritos em algum momento entre 1304 e 1307 - e ambos ficaram inacabados. "O Banquete" ("Il Convivio") é uma espécie de enciclopédia de tudo o que era conhecido na época, amplamente descrito como o primeiro grande exemplo de um tratado em prosa vernacular. Já a peça “Sobre a eloquência do vernacular” (“De Vulgari Eloquentia”), foi escrita em latim e contém a primeira discussão teórica de uma língua literária italiana unificadora, “il volgare illustre”.

Política: “tão vilmente punida no eterno exílio”

Os interesses literários de Dante não o isolaram da turbulência política de seus tempos. Pelo contrário - ele acreditava fervorosamente na suposição aristotélica de que o homem é primariamente um ser político. Em 1289, aos 24 anos, ele lutou com a cavalaria pró-papal de Guelph em Campaldino contra as forças gibelinas de Arezzo. Ressoando vitoriosamente, os Guelphs conquistaram o domínio em Florença após a batalha, mas quase imediatamente começaram a brigar, eventualmente se dividindo em duas facções. Os negros continuaram acriticamente críticos ao papa Bonifácio VIII, enquanto os brancos começaram a discordar publicamente de algumas de suas políticas. Dante se alinhou com o último.

Em 1295, na tentativa de garantir um cargo público em Florença, ele ingressou na guilda de médicos e farmacêuticos (aos quais os filósofos também poderiam pertencer). Um ano depois, ele participou de um governo de cidadãos conhecido como Conselho dos Cem. E, em 1300, ele foi eleito para um dos seis escritórios anteriores, ou presidente, das guildas florentinas. Em uma de suas primeiras decisões anteriores, apenas nove dias depois de ser eleito, ele foi forçado a autorizar o exílio de seu “primo amico” (melhor amigo), Guido Cavalcanti, que morreu logo após a febre da malária, longe de casa. 

Em outubro de 1301, Dante fazia parte de uma delegação enviada de Florença ao papa Bonifácio VIII para discutir o futuro da cidade dividida. Ele não estava disposto a ir - mas também relutava em permitir que outra pessoa tomasse seu lugar. Na ocasião do debate, ele expressou suas reservas de uma maneira agora lendária: “Se eu for, quem permanece; e se eu ficar, quem vai?”. Dante estava certo em ter essas dúvidas. A delegação acabou sendo apenas uma desculpa para tirá-lo de Florença. Na sua ausência, os negros conquistaram o controle da cidade e começaram a banir os brancos. O grande poeta descobriu o subterfúgio enquanto viajava para Roma. Em 27 de janeiro de 1302, ele soube que havia sido condenado à multa e ao exílio. Passados um mês e meio, depois de se recusar a pagar a multa, ele foi condenado à morte, caso voltasse para Florença. Apesar de várias tentativas de recuperar a admissão em Florença, ele nunca mais conseguira entrar em sua cidade natal.

Dante refugiou-se primeiro em Verona, e então vagou de um lugar para outro - de Paris a Oxford - e finalmente se estabeleceu em Ravenna. No exílio, Dante, seguindo os ideais Guelph, se tornaria um dos defensores mais fervorosos da posição de que o império não deriva sua autoridade política do papa. Ironicamente, ele também se aproximava de algumas renomadas famílias gibelinas - seus ex-inimigos - e passava o resto de sua vida em seus palácios, aprendendo “quão salgado é o sabor do pão dos outros e como é difícil o caminho que leva alguém para baixo” enquanto subia as escadas da casa dos outros. 

Amor: "a partir de então, o amor governou minha alma"

Em 1274, quando Dante tinha 9 anos, seu pai o levou para uma celebração do primeiro de maio na casa do nobre florentino Folco Portinari. Lá, pela primeira vez em sua vida, ele conheceu a filha de Folco, Beatrice, uma garota apenas alguns meses mais nova que ele. “Naquele exato momento”, ele lembra em “La vita nuova”, sua primeira obra importante, “o espírito vital, aquele que habita na câmara mais secreta do coração, começou a tremer com tanta violência que até as veias mais minuciosas do meu corpo foram estranhamente afetadas; e tremendo, falou estas palavras: 'Aqui está um deus mais forte do que eu que venho para me dominar'. "

Escrito no dialeto toscano entre 1283 e 1293, "La vita nuova" - ou "The New Life" - é uma peça literária rara e bastante original chamada de “prosimetrum”, uma coleção de poemas ligados por comentários em prosa. É também um dos primeiros trabalhos autobiográficos íntimos da história moderna. Nela, Dante descreve seu amor não correspondido por Beatrice, a quem ele veria apenas mais uma vez antes de sua morte prematura, aos 24 anos, em 8 de junho de 1290.

O evento destruiria o mundo de Dante. Os críticos dizem que, de certa forma, o restante de sua vida seria dedicado a encontrar a "língua" para descrever o impacto que Beatrice teve em sua vida e o estado de sua alma depois que ela morreu. Embora "La vita nuova" termine com uma nota de fracasso - porque termina com a decisão de Dante de parar de escrever para Beatrice até que ele seja capaz de colocar em palavras "aquilo que nunca foi escrito de nenhuma outra mulher" - ele finalmente encontraria o linguagem digna de seu sujeito em sua maior realização poética, "A Divina Comédia".

Ética: “Ó raça de homens, nascidos para voar para o céu, como pode um sopro de vento fazer você voltar atrás?”

Assim como o resto dos estilistas, desde o início de sua vida, Dante se interessou pelas maneiras como o amor afeta a mente e o intelecto humanos. No entanto, ao contrário de Guinizelli e Cavalcanti - e especialmente após a morte de Beatrice - Dante não conseguia pensar no amor como uma doença com sintomas reconhecíveis, mas, seguindo Platão, ele o via como um encontro majestoso com o divino, nossa única oportunidade de experimentar o céu em Terra.

Essa ideia revolucionária é tratada com profundidade na obra-prima de Dante, “A Divina Comédia”, um longo poema narrativo em terza rima (um padrão específico de rima) escrito no exílio por mais de dez anos, entre 1308 e 1320. Considerado amplamente um dos maiores trabalhos da literatura mundial, o poema mostra a jornada alegórica de Dante, o poeta-peregrino, através do inferno, passando pelo purgatório e chegando ao paraíso - os três mundos da vida após a morte. Três guias o acompanham nesta viagem. Primeiro, o poeta romano Virgílio, representando a razão, leva-o ao inferno e à metade do purgatório. Então, sua amada idealizada, Beatrice, o acompanha desde a mais alta esfera do céu, a empírea, onde ela o entrega a São Bernardo de Claraval, que representa o misticismo contemplativo e devoção à Maria. A mensagem é bastante simples: somente nossa razão pode nos afastar do pecado e da maldade nesta vida e nos ajudar a experimentar o amor verdadeiro, que, por sua vez, é nosso único meio de alcançar a pureza e, finalmente, Deus.

Escrito com o objetivo de salvar toda a humanidade, “A Divina Comédia” representa não apenas a tentativa de Dante de se comunicar com o outro mundo (Beatrice e Deus), mas também sua compreensão ética da vida humana em sua totalidade - retratando como alguém ganha recompensa ou punição no mundo.

É difícil superestimar seu escopo e influência. E ainda mais difícil imaginar como seria diferente o nosso mundo se esse poema nunca tivesse sido escrito.

Epílogo: “Agora vamos honrar o poeta mais ilustre”

Dante morreu apenas um ano depois de completar "A Divina Comédia", em 14 de setembro de 1321, em Ravena. Seu corpo permanece lá até hoje, longe de seu local de nascimento. Uma tumba vazia em Florença foi construída cinco séculos depois para simbolizar o remorso duradouro da cidade por exilar Dante. Sua frente é adornada com um verso retirado de “A Divina Comédia”: “Onorate l'altissimo poeta”, em português “agora vamos honrar o poeta mais ilustre'”.

Por fim, dói dizer que Dante já deixou Florença, Ravena ou nosso mundo completamente. Ele vive até hoje na língua italiana, que muitas vezes é chamada de "a língua de Dante". Ele também vive na ideia do que é o amor e como ele pode nos transformar. Ele vive, finalmente, em nossa moral: mesmo aqueles que nunca ouviram falar dele, devem muitas das suas ideias sobre pecados e a vida após a morte, sem saber, não à Bíblia, mas à poderosa visão de "A Divina Comédia" - talvez a única obra literária cuja a expressão "divino" nunca será questionada. O mesmo vale para a palavra que muitas vezes acompanha o nome de Dante na Itália: "Il Sommo", “O Insuperável”.

Dica do 12min

Gostou do texto? Não deixe de conferir outros microbooks exclusivos, na categoria “12min Personalidades”.

Cadastre-se e leia grátis!

Ao se cadastrar, você ganhará um passe livre de 3 dias grátis para aproveitar tudo que o 12min tem a oferecer.

ou via formulário: