A Arte da Guerra Resumo - Sun Tzu

Aprenda a aprender de casa! Para você usar o tempo a seu favor! REDUZIMOS A ASSINATURA EM 30%!

Oferta por tempo limitado!

20543 leituras ·  4.6 avaliação média ·  4500 avaliações

A Arte da Guerra

A Arte da Guerra Resumo
Gestão & Liderança

Este microbook é uma resenha crítica da obra: 

Disponível para: Leitura online, leitura nos nossos aplicativos móveis para iPhone/Android e envio em PDF/EPUB/MOBI para o Amazon Kindle.

ISBN: 856001800X

Também disponível em audiobook

Resumo

Guerra é uma questão de vida ou morte, também no mundo dos negócios. Não é à toa que o clássico de Sun Tzu, A Arte da Guerra, se popularizou entre empreendedores e CEOs pelo mundo inteiro. Nesse microbook você poderá desenvolver uma visão estratégica sobre a cadeia de comando, táticas para encarar e analisar a concorrência, como enganar o seu inimigo e, principalmente, o que é necessário para ganhar a guerra dentre as diversas batalhas que serão travadas no acirrado mercado.

Sun Tzu é quase uma figura mítica e muitos historiadores questionam a sua existência. Ele foi o general e estrategista a serviço do Rei Hu Lu e escreveu o tratado militar, A Arte da Guerra, entre os anos de 476 e 221 a.C. Sun viveu em um período de muitas guerras quando sete nações disputavam os territórios férteis da China. Certamente, essa é uma personalidade que tem inúmeros aprendizados que podem ser aplicados ao mundo de negócios em uma abordagem mais atual. Aprenda como fazer isso nos próximos 12 minutos!

Estude guerra em tempos de paz

Guerra é uma questão de vida ou morte. O Estado depende de entender a arte da guerra para sobreviver e se perpetuar. Estudar a guerra antes que ela ocorra é importante, pois esse é o conhecimento que servirá para criar seus planos. Para Sun Tzu, o general que desenha planos antes da batalha sempre vence o general que não se planejou. Além de conhecer sobre a guerra, também é preciso conhecer sobre si mesmo e sobre o inimigo para sermos capazes de nos comparar. Entendendo os exércitos envolvidos em uma batalha em 7 dimensões, você conseguirá prever se vencerá ou se será derrotado no campo de batalhas.

  1. Qual dos dois governantes dos estados inimigos tem obediência total do seu povo, de forma que eles irão segui-lo até mesmo para suas próprias mortes?

  2. Qual dos generais é mais capaz?

  3. Qual lado tem vantagens naturais, climáticas e conhece a natureza do terreno?

  4. De que lado a disciplina de seus homens é imposta mais fortemente?

  5. Qual lado tem o exército mais forte?

  6. Qual lado tem os oficiais e soldados mais bem treinados?

  7. Qual lado tem mais consistência em dar recompensas e punições? Compare cuidadosamente o exército de seu inimigo com o seu próprio exército e assim você saberá quais os pontos fortes de cada lado. Planeje de acordo com as circunstâncias. Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, você sempre será vitorioso. Planejar e ser preciso nunca é demais.

Não ser derrotado para vencer

Os melhores generais só entram em batalhas que sabem que vão ganhar. Os piores entram em batalhas, apenas. Um general habilidoso evita batalhas onde existe o risco de derrota e isso faz com que ele não seja derrotado e seja temido. A oportunidade da vitória vem dos erros do inimigo. Para garantir a vitória, existem regras essenciais:

  1. Você deve saber quando lutar e quando não lutar.
  2. Você deve saber como lidar tanto com forças inferiores como superiores a do seu exército.
  3. Seu exército deve ter espírito de luta e disciplina.
  4. Você deve lutar para que você esteja preparado e seu inimigo esteja despreparado.
  5. Você deve ter capacidade militar e liberdade para comandar suas tropas sem a interferência de superiores.

Ataque somente quando você tem a vantagem e sempre evite o inimigo onde ele é forte

Evite o exército inimigo quando suas formações de tropa estiverem em perfeita ordem ou quando eles tiverem uma posição mais vantajosa, como em um terreno mais alto, por exemplo. Nunca entre em uma batalha por raiva; O motivo pelo qual se luta é para se conquistar algo. A raiva é passageira, mas um Estado destruído não tem volta. Evite as armadilhas para as quais seu inimigo vai tentar te atrair. Não conduza seu exército para lugares onde seus suprimentos não chegarão ou por terrenos desconhecidos.

O General e o Soberano não podem causar a derrota

Um exército é comandado por um general, mas este também é comandado pelo soberano. Essa cadeia de comando pode criar problemas e é preciso entendê-los para evitá-los. Um soberano pode atrapalhar o exército se der as ordens erradas. Isso pode ser feito quando ele pede que as tropas avancem ou recuem quando é impossível. O soberano, ao governar o exército de modo negligente ou colocar oficiais em funções inadequadas, pode fazer com que se percam guerras. Esses erros abalam a confiança dos soldados e causam a derrota. Não só o soberano, mas também o general pode ter problemas graves. As características do general que levam à derrota são:

  1. Teimosia - Que leva a destruição;
  2. Covardia - Que leva a captura;
  3. Destempero - Que o deixa suscetível a insultos;
  4. Honra em excesso - Que o deixa suscetível a vergonha;
  5. Compaixão em excesso pelos seus homens - Que leva a um exército fraco. Ele pode ser imprudente e levar seu exército à destruição, ou ser um covarde e ser capturado. Um general pode ser orgulhoso ou descontrolado e se sentir provocado por provocações do inimigo; ou ele pode estar preocupado com o conforto de seus próprios homens e deixar tais considerações impedir táticas militares. O general é responsável se qualquer uma dessas calamidades acontecerem com um exército:
  6. Se ele lança seu exército contra uma força que seja dez vezes o seu tamanho, fazendo com que seus soldados fujam.
  7. Se os seus soldados são muito fortes em relação aos seus superiores, causando insubordinação.
  8. Se os soldados são fracos demais, levando-os a serem desgastados por oficiais e desertarem.
  9. Se os oficiais superiores são raivosos e indisciplinados, levando-os a atacar por sua própria vontade e causar a ruína do exército.
  10. Se o general é fraco e indeciso, o que resulta em um exército fraco e desorganizado.
  11. Se o general não é capaz de estimar a força do inimigo e lança uma força inferior contra uma superior, levando a uma derrota esmagadora.

Estratégia e Espionagem

Uma guerra prolongada pode esgotar os recursos de qualquer estado, deixando-o fraco e vulnerável, afinal, manter um exército é caro. É preciso focar em vitórias rápidas e decisivas, não em campanhas prolongadas. Em uma guerra, deve-se evitar cercar cidades muradas, porque isso geralmente leva meses de preparativos e pode te deixar lento. Para diminuir o custo da guerra é preciso capturar um Estado, uma cidade ou um exército inimigo inteiro e intacto ao invés de destruí-lo através de uma batalha cara. E para conseguir isso, você precisa de uma força muito maior do que a do seu inimigo. Um grande general vai subjugar seus inimigos sem qualquer luta, o que constitui o triunfo final. Os melhores exércitos se destacam não só por ganhar, mas por ganhar com facilidade. Outra forma de economizar os recursos do seu Estado é tomar os de seu inimigo, levando consigo todos os alimentos, armas, armaduras e homens. Isso economiza o custo de abastecer seu exército e poupa seus camponeses da carga de trabalho para manter o seu exército. Batalhas individuais podem acabar com as guerras e por isso você deve envolver espiões: eles fornecem informações decisivas sobre a disposição do inimigo. Espiões também podem ser úteis para espalhar boatos e segredos falsos nas linhas inimigas, por isso, recompense-os bem e garanta sua fidelidade. Esse é um custo muito baixo a se pagar se você conseguir economizar os custos de uma longa guerra. Ah, e o último conselho do implacável Sun Tzu: se você planejar um ataque baseado em um segredo contado por um espião, mate-o, assim como quaisquer outras pessoas para as quais ele possa ter contado o segredo, para que assim seu ataque não corra o risco de perder seu poder.

Engane seu Inimigo

A arte da guerra é baseada na habilidade de enganar e dissuadir o inimigo. Você deve mascarar sua força com fraqueza, coragem com timidez e a ordem com a desordem. Confundir seu inimigo vai fazer com que ele nunca esteja preparado e páreo para você. Faça com que suas tropas finjam desordem quando na realidade eles são altamente disciplinados. Quando você se aproximar de seu inimigo, faça parecer que você está bem longe. Quando você estiver pronto para atacar, faça parecer que você não está. Brinque com seu inimigo como um gato brinca com um rato. Se ele tem um temperamento difícil, irrite-o. Se ele está confortável, perturbe-o; se está bem suprido, faça com que ele passe fome; se está tranquilamente acampado, force-o a se mudar. Se você quer que o inimigo avance, tenha uma isca para ele; e se você deseja que ele recue, cause sofrimento a ele. Um combatente inteligente aproveita a iniciativa e impõe sua vontade sobre o comportamento do exército inimigo. Ataque-o em seus pontos vulneráveis, de modo que ele tenha que correr para se defender. Faça com que seu inimigo fique tentando adivinhar por onde você vai atacar, forçando-o a se dividir e espalhar suas forças. Fazer com que ele tenha que se preparar para ataques em várias frentes cria o caos e garante que você sempre tenha vantagem.

Conheça seus soldados e os soldados do inimigo

O espírito de um soldado tem seu ponto ótimo pela manhã. Ao meio dia ele já começa a se por e durante a noite ele só pensa em retornar ao acampamento. Se os soldados ficam de pé apoiados em suas lanças, eles estão com fome. Se existe confusão e caos no acampamento, a autoridade do general é fraca. Quando os soldados que buscam água para o acampamento começam a beber antes de retornar, eles estão sofrendo de sede. Quando eles começarem a comer seu próprio gado e agir como se eles não fossem mais voltar para as suas tendas, saiba que eles estão dispostos a lutar até a morte.

Conheça o terreno onde você luta

Um bom general sabe onde lutar e não lutar, sabe quais ordens do seu soberano deve seguir e quais deve desobedecer. Como a água molda o seu curso de acordo com o chão por onde flui, o bom general também tem que se adaptar à situação, ao terreno e à disposição do inimigo. Observe o terreno para tirar proveito de suas vantagens naturais e evitar as suas desvantagens. Nunca escale montanhas, vá contra a corrente ou se desloque para longe dos seus suprimentos. Evite penhascos, lugares fechados ou atoleiros em que uma pequena tropa pode destruir um exército inteiro. Observe o inimigo e seus soldados também. Observe, entenda os riscos e as oportunidades antes de começar um ataque. Nunca se exponha.

Disciplina e incerteza levam o soldado a lutar até a morte

Controlar uma grande tropa não é diferente de uma pequena. O importante é dividir os homens em grupos menores e usar sinais tais como gongos, tambores e bandeiras para controlar suas forças. Eles vão se mover como um só e os covardes não se atreverão a recuar e nem o valente avançará sozinho. Um grande general conduz seu exército como se estivesse levando um único homem pela mão. Trate seus soldados como filhos e eles vão ficar do seu lado até a morte. Se você é incapaz de comandá-los com autoridade, eles serão tão inúteis como crianças mimadas. Uma disciplina de ferro entre seus soldados é necessária para a vitória. Mas para que a disciplina seja eficaz, seus soldados devem admirá-lo e respeitá-lo. Você deve tratá-los de forma humana e ao mesmo tempo mantê-los sob controle com disciplina e castigos. Como um general, você também deve manter segredos. Mantenha seus soldados desinformados e incertos e mude seus planos com frequência para manter ambos, os seus soldados e o inimigo, tentando adivinhar. Faça longas e tortuosas rotas, em vez de diretas. Só revele suas intenções quando estiver totalmente imerso no campo de batalha. Se a situação parecer boa, conte a seus soldados sobre o assunto, mas quando a situação parecer desfavorável, mantenha esse conhecimento para si mesmo. Quanto mais você penetrar no estado inimigo, mais os seus soldados se sentirão parte de algo maior. Coloque-os em situações inesperadas, onde não há escapatória, e eles vão perder todo o senso de medo e lutar com força máxima, mesmo que até a morte.

Notas Finais

As regras da guerra não mudam e o bom general está sempre pronto para ela. Estudar as habilidades de guerra, planejar corretamente e saber como gerenciar a tropa são habilidades críticas para um general. Um general qualificado escolhe lutar somente quando sabe que a vitória é certa, para nunca ser derrotado e sempre ser temido. Saber enganar seu inimigo e usar o território a seu favor também são essenciais.

Dica do 12': Que tal aplicar os conhecimentos adquiridos nesse livro em sua vida?! Leia um livro do 12min hoje.

Cadastre-se e leia grátis!

Ao se cadastrar, você ganhará um passe livre de 3 dias grátis para aproveitar tudo que o 12min tem a oferecer.

ou via formulário:

Quem escreveu o livro?

Sun Tzu nasceu em 544 antes de Cristo e foi um general, estrategista e filósofo chinês. Mais conhecido por sua obra A Arte da Guerra, que é composta por 13 capítulos de estratégias militares. Sun Tzu, também pode ser grafado como Sunzi. Tzu é um título que significa "Mestre". Tradicionalmente, Sun Tzu terá vivido no Período das Primaveras e Outonos da China (722 a.C. – 481 a.C.) como general do Rei Hu Lu. Uma das histórias mais conhecidas sobre Sun Tzu, do Shiji, descreve o seu temperamento da seguinte forma: ante de contratar Sun Tzu, o rei de Wu testou as suas capacidades ordenando que treinasse um harém de 180 concubinas para que elas se tornassem em soldados. Sun Tzu dividiu-as em duas companhias, escolhendo para as comandar as duas concubinas preferidas do rei. Quando Sun Tzu lhes ordenou que se colocassem de face no chão, elas riram-se. Como rea... (Leia mais)