×
44% OFF

Não deixe suas metas para 2022

Assine 12min Premium por apenas R$0,46/dia e aprenda mais em menos tempo!

856 leituras ·  0 avaliação média ·  0 avaliações

Vencedoras por opção - resenha crítica

Vencedoras por opção Resenha crítica
Carreira & Negócios

Este microbook é uma resenha crítica da obra: Great by choice

Disponível para: Leitura online, leitura nos nossos aplicativos móveis para iPhone/Android e envio em PDF/EPUB/MOBI para o Amazon Kindle.

ISBN: 978-85-5080-777-5

Editora: Alta Books

Também disponível em audiobook, baixe agora:


Resenha crítica

Prosperar em meio à incerteza

Desde os primeiros anos do século 21, Jim Collins se debruçou em uma extensa pesquisa para entender os motivos que levam algumas empresas ao topo e outras ao naufrágio por completo. Ele destrinchou casos e casos de quem persistiu e alcançou o topo de sua área de atuação e também foi a fundo entender os motivos pelos quais alguns concorrentes acabavam no meio do caminho, fracassando na tentativa de sucesso empresarial.

A conclusão mais importante a que ele chegou foi de não haver uma única resposta. Não existe manual de instruções pronto para definir quem vai conseguir boas margens de lucro e quais empresas não passarão muito tempo oferecendo produtos e serviços. 

Ainda assim, existem indícios sobre passos errados tomados durante uma trajetória. Normalmente, alguns procedimentos equivocados são comuns na vida profissional de quem não dura muito tempo diante da concorrência. 

Ao começar uma nova empreitada, não é possível prever o futuro. Mas é perfeitamente viável e necessário criá-lo. Temos que desenhar uma nova realidade de uma corporação, construindo-a dia após dia. As incertezas em um mundo de rápidas mudanças nos colocam contra a parede, com a obrigação de atualizações constantes sobre o mercado, a concorrência e a necessidade de inovação. 

Se você voltar os olhos para 15 anos atrás, verá que de lá para cá ocorreram muitos eventos que desestabilizaram o mundo, causaram turbulências em mercados de diversos segmentos e alteraram muitas expectativas sobre os próximos anos. Houve quem desistisse no meio do caminho e os insistentes, teimosos, que seguiram e estão aí, firmes e fortes até hoje. Isso é uma questão de escolha.

Você pode ficar atônito ou aterrorizado ao se deparar com desafios desconhecidos surgidos no dia a dia de um empreendedor. Ou então, pode se sentir encorajado a passar por cima do que está pelo caminho até chegar ao lugar desejado. A escolha é sua. Para quem ama superar desafios, a resposta a esses estímulos parece óbvia, mas é bom sempre ficar atento.

Mesmo com a imprevisibilidade do futuro, é dentro de você mesmo que se encontra a tarefa simples e mais importante de sua vida: administrar o próprio destino. Afinal, tomar conta da própria trajetória é o passo inicial para optar por um caminho de sucesso e vitórias. E isso não é pouco, exige atitude, liderança e inteligência.

Líderes 10x

Quem sonha com o sucesso profissional já ouviu incontáveis vezes sobre a necessidade de ser líder. Mas só isso não basta. É preciso escolher ser, dia após dia, o tipo de liderança que empurra sua empresa para frente, no caminho do sucesso e das realizações, sem esperar que os resultados caiam do céu como em um passe de mágica.

É que existem dois tipos diferentes de liderança. Cada um deles atinge resultados bem diferentes, mesmo diante das mesmas circunstâncias desafiadoras. A primeira é a que produz líderes comuns. Eles chefiam equipes de diversos tamanhos, vão atrás de seus objetivos, procuram bater metas, se esforçam para motivar os colaboradores, mas não vão além do básico. Quem é líder dessa maneira não deixa muitas marcas na experiência profissional dos colaboradores. Em pouco tempo, é esquecido. 

Já a segunda maneira de liderança é conhecida como a de líderes 10x. Nesse caso, falamos de profissionais que provam, no dia a dia do trabalho, serem dez vezes melhores que seus colegas. Um líder 10x multiplica ao máximo o potencial de cada profissional envolvido em um projeto. Para isso, é preciso trabalhar com paixão, empenho e vontade de chegar ao topo. Aqui, não se trata de apenas exercer um cargo de chefia burocrático. 

O nome indica a necessidade de trabalhar com dez vezes mais competência do que os concorrentes. Isso não é para muitos. É preciso buscar respostas sem ficar apegado às perguntas, não se intimidar com desafios, se sentir preparado para dar de cara com surpresas e ainda assim superá-las sem tremer as pernas. 

Quando você pratica esse tipo de liderança, consegue furar a fila da concorrência e entra no caminho dos vencedores, que não se contentam com nada menos que o lugar mais alto do pódio. O líder 10x contagia seus subordinados com otimismo e garra para fazer das metas a serem conquistadas verdadeiras lutas, das quais só se contenta com a vitória. Se possível, por nocaute. Multiplicar é o verbo a ser conjugado para sua liderança. 

Liderar acima da linha da morte 

Passamos da metade deste microbook e agora vamos pensar em uma história de esforço. Imagine que você e uma equipe estão escalando o Everest. A missão é linda, desafiadora, um sonho a ser realizado por todos os envolvidos. Claro, chegar ao topo do mundo, literalmente falando, é uma missão e tanto. Precisa de muito empenho e dedicação para não desistir. 

Acontece que no meio do caminho, as coisas começam a sair bem diferente do planejado. Vocês precisam esperar uma avalanche, protegendo uns aos outros. Algumas pessoas ficam com medo e apavoradas, outras só sabem gritar e acreditam que todos vão morrer. Os ventos continuam fortes e vai ficando cada vez mais difícil prosseguir na missão. 

Neste momento, é necessário ter paciência e estratégia. Isso porque se todos tentarem prosseguir de uma só vez, sem ordem, existe o perigo do topo do Everest ficar entupido de gente, aumentando as chances de novos deslizamentos. 

Então, a subida deve ser feita organizadamente. Um por vez, indicando quais são os melhores caminhos para facilitar a vida de quem vem atrás. Os diálogos devem ser precisos para não colocar em risco a vida de mais ninguém. 

Se cada um decide fazer o que bem entende, nada vai dar certo. É preciso uma liderança acima da linha da morte, indicando os caminhos a serem tomados em meio ao frio, fome e vontade de desistir.

Pois se isso parece apenas metáfora, na verdade já aconteceu com quem buscou chegar ao topo da montanha de maneira literal. E no dia a dia das empresas vencedoras, a liderança acima da linha da morte é o que as impede de passar por derrocadas sem precedentes, como avalanches derrubando colaboradores um a um, ou todos simultaneamente. 

É preciso transmitir calma e entender cenários de crise, para que sua equipe não se apavore e tome atitudes atabalhoadas para resolver problemas de uma só vez, sem pensar nas consequências. Assim como a neve tem o poder de nos levar para baixo com um único passo errado, é necessário planejar, pensar e direcionar o que cada colaborador deve fazer para superar o momento de crise. 

Caso contrário, o topo da montanha não vai passar de metáfora.

A receita EMC 

A receita EMC é um conjunto de práticas operacionais duradouras. Elas criam uma fórmula de sucesso que pode ser aplicada de maneira consistente, replicando assim atitudes necessárias para superar momentos de crise, superar a concorrência e aproveitar as melhores oportunidades surgidas em seu mercado de atuação. 

A sigla EMC significa específico, metódico e consistência. É comum ouvir em grandes empresas líderes falando sobre a necessidade de desenvolver um sistema EMC, papos sobre o EMC diminuir riscos ou até o neologismo EMCear um projeto. Isso porque esse código operacional é a receita perfeita para transformar estratégia em resultados práticos, com pequenas táticas diárias para o sucesso. 

Ao ser específico, você foca o trabalho naquilo que quer. Você tem alvo certo e se livra de ser genérico, atirando para todos os lados, sem um direcionamento mais definido. O metódico tem a ver com adotar procedimentos padrão. Ninguém trabalha simplesmente do jeito que quer, mas da forma como as coisas funcionam em sua empresa, com regras bem definidas. E a consistência garante a durabilidade de seus projetos. 

Implementar um formato EMC de trabalhar é sinônimo de colocar sua empresa entre as vencedoras do mercado. 

O retorno sobre a sorte

Prosperar em meio à incerteza, liderar durante o caos, enfrentar um mundo cheio de turbulências, sem previsões ou controle de tudo o que nos cerca. Como é possível? Devemos esperar uma boa sorte para seguir adiante?

Sim e não. Isso porque a verdadeira sorte é a junção de oportunidade com preparo. Apenas os mais competentes podem lidar com imprevistos de um jeito maduro, sem cometer erros infantis e com discernimento para caminhar de maneira ágil e correta.  Os estudos sobre as empresas mais bem sucedidas do mundo em nosso século mostram que só os mais antenados sobreviveram aos dias de escassez, crises e revoluções tecnológicas.

Sorte também é questão de preparo. E quem para no tempo, contando apenas com o acaso para prosseguir, não opta pelo sucesso, mas escolhe ser do time que apenas reclama sobre o próprio destino. Tente outro caminho. Busque soluções para seus problemas, faça sua empresa chegar ao topo. Você pode. 

Notas finais 

O sucesso não é mera questão de sorte. Algumas empresas dão muito certo porque se preparam adequadamente para cada passo dado. Outras ficam no meio do caminho por pura falta de conhecimento e empenho de quem conta com o acaso para desfrutar da prosperidade. Quando entendemos essas lições básicas, temos mais chances de chegar aonde queremos. É hora de virar o jogo e seguir a trilha do êxito. 

Dica do 12min

No microbook Jogar para vencer, você aprende mais sobre como se destacar em meio à competição em todos os segmentos. Confira!

Cadastre-se e leia grátis!

Ao se cadastrar, você ganhará um passe livre de 3 dias grátis para aproveitar tudo que o 12min tem a oferecer.

Quem escreveu o livro?

James C. "Jim" Collins, III é um consultor de negócios, autor, professor e palestrante sobre sustentabilidade e crescimento nos negócios. Collins recebeu um BS em Ciências Matemáticas na Universidade de Stanford e, posteriormente, obteve seu MBA (também de Stanford) seguido de 18 meses como consultor da McKinsey & Company. Ele então trabalhou como gerente de produto da Hewlett-Packard. Collins iniciou sua carreira de pesquisador e docente na faculdade da Graduate School of Business da Universidade de Stanford, onde recebeu o Prêmio de Ensino Distinto em 1992. Em 1995, e... (Leia mais)