×
44% OFF

Não deixe suas metas para 2022

Assine 12min Premium por apenas R$0,46/dia e aprenda mais em menos tempo!

3595 leituras ·  0 avaliação média ·  0 avaliações

Procrastinação - resenha crítica

Procrastinação Resenha crítica
Produtividade & Gestão do Tempo

Este microbook é uma resenha crítica da obra: 

Disponível para: Leitura online, leitura nos nossos aplicativos móveis para iPhone/Android e envio em PDF/EPUB/MOBI para o Amazon Kindle.

ISBN: 

Editora: Independente

Também disponível em audiobook, baixe agora:


Resenha crítica

O conceito de procrastinação

Conforme a nossa autora, o conceito de procrastinação pode ser definido como o comportamento de adiar compromissos e tarefas, gerando um círculo nada virtuoso de maus comportamentos.

Estes podem interferir, até mesmo, na saúde das pessoas (como aquelas que deixam de frequentar a academia por preguiça ou ir a uma consulta médica tão logo sintam um desconforto).

Nesse registro, procrastinar pode ser considerado, portanto, ausência de progresso, estagnação etc. Dito de outra forma, a procrastinação consiste em uma forma de comportamento severamente autodestrutiva e desadaptativa que está no cerne de muitas dificuldades que vivenciamos rotineiramente.

O comportamento procrastinatório nasce por razões evolutivas, pois somos inclinados a exaltar as recompensas imediatas em detrimento dos resultados futuros. Desse modo, o nosso cérebro trava uma batalha constante entre gratificações de longo e curto prazo (ou, se preferir, entre o “eu futuro” e o “eu presente”).

Superar essa condição é, certamente, uma atitude que demanda altos níveis de determinação. Para tanto, a autora enfatiza a necessidade de valorizarmos o primeiro passo rumo a sua superação.

Do contrário, sempre ficaremos desanimados perante uma atividade complexa que requeira muita concentração e tempo. Uma dica valiosa é fragmentar essas atividades em várias pequenas etapas.

Método 25-5

Este método é bastante conhecido pelas pessoas que acompanham o mercado financeiro. Caso você já tenha ouvido falar sobre Warren Buffet, é provável que também conheça o método 25-5, pois a estratégia foi amplamente divulgada por ele.

Em resumo, trata-se de um modo de planejamento composto por prioridades. Assim, você deve traçar vinte e cinco metas para um determinado período (geralmente, de um ano), selecionando as 5 mais relevantes e elaborando uma segunda lista.

Definir claramente os objetivos e traçar metas são iniciativas que impulsionam as pessoas a agirem com mais afinco em suas atividades. Isso ocorre, segundo a autora, porque conhecer o seu “ponto de chegada” é, por si mesmo, um estímulo.

Definir o caminho a seguir auxilia o nosso cérebro a se manter estimulado com cada pequena vitória alcançada. Com certeza, você conhece o jargão “vamos por partes”, não é mesmo?

Um programador, assim como qualquer outro profissional, sabe que aquele maravilhoso software não vai nascer excelente. É necessário dividir o projeto, planejando os recursos disponíveis, desenvolvendo e testando cada um deles.

Para tanto, os profissionais da área começam pelos elementos essenciais, isto é, aqueles que são considerados o âmago do projeto. No final, ele será concluído com uma aparência agradável.

Essa mesma noção é válida para todas as áreas. Ao construir uma casa, por exemplo, não é admissível pensar na decoração sem, anteriormente, levantar as paredes. Caso você deseje ter R$ 1 milhão em dez anos, deve dividir a quantia em metas anuais, tanto de aportes mensais quanto de economia (lembre-se, evidentemente, de levar os juros em consideração).

No fim de cada etapa, você pode avaliar os seus resultados. Nesses momentos, Soares enfatiza a viabilidade de oferecer a si uma recompensa proporcional às metas atingidas.

Planejamento diário

O seu maior problema, talvez, não se limite a projetos futuros, englobando também aquelas tarefas de estudo ou trabalho que, por um motivo ou outro, sempre ficam para um indefinido “depois”.

Se for assim, a autora recomenda organizar antecipadamente o seu dia. No final de cada expediente, analise o que deverá ser feito no dia seguinte, produzindo uma lista de, pelo menos, seis itens.

Mantenha essa lista em um local facilmente visível e inicie o seu dia de trabalho pela primeira atividade anotada. Tenha em mente que o seu planejamento pode ser baseado nas prioridades ou, se preferir, temporal.

Seja como for, o mais importante é deslocar o seu foco para essas ações. A técnica Pomodoro é uma ótima ferramenta para o auxiliar nesse caso. Soares a interpreta como uma versão 25-5 para o tempo, isto é, se comprometer a realizar vinte e cinco minutos de trabalho para cada cinco minutos de descanso.

O seu cérebro assimilará, a partir dessa técnica, tudo o que foi feito, alternando entre o modo focado e o difuso. Com efeito, essa dinâmica é capaz de gerar ótimos resultados, principalmente, ao ser aplicada aos estudos. Após definir as suas tarefas, pode ser que você ainda não saiba como priorizá-las.

Uma das principais dicas de Soares consiste na utilização da “Matriz de Eisenhower”. Essa ferramenta é tão poderosa e simples que vem sendo largamente empregada nas indústrias que se dedicam a desenvolver novos produtos. Vale a pena pesquisar por ela no Google.

Agora que chegamos na metade da leitura e você já notou que o planejamento é o componente central para evitar a procrastinação, vamos nos concentrar em outras estratégias comprovadamente eficazes.

Ensaio mental

Para a nossa autora, o ensaio mental deve preceder a realização de uma atividade ou tarefa. Isso é crucial para o seu êxito. Em outras palavras, você precisa visualizar previamente o conjunto de pensamentos e atitudes que pretende adotar (assim como aqueles que devem ser eliminados), a fim de que a ação seja eficiente.

Desse modo, o ensaio mental consiste em uma espécie de autocrítica destinada à identificação de pontos fracos e fortes que devem ser suprimidos ou reforçados. Um bom exemplo disso pode ser encontrado nos atletas profissionais: eles costumam usar essa técnica antes das grandes competições que participam.

A ideia central é massificar, o máximo possível, todos os pensamentos e ações corretas até que isso se concretize em um hábito internalizado, de tal forma que o atleta não se sinta pressionado ao competir em alto nível.

Evidentemente, apenas o ensaio mental não é o suficiente: é imprescindível delinear estratégias precisas e claras acerca de onde se deseja chegar, aliando-as ao poder de motivação.

Ao atingir esse ponto, é necessário formular um planejamento efetivo, capaz de apontar nitidamente quais são as suas prioridades. Você pode almejar, por exemplo, melhorar a saúde, ganhar mais dinheiro, aprender um novo idioma etc.

Para chegar ao seu objetivo, não é possível importar, na íntegra, as estratégias e os hábitos de outros indivíduos, uma vez que essa atitude pode levar-lhe a caminhos que destoam de seus propósitos.

Nessa jornada, uma das lições mais importantes, segundo a autora, é evitar ser “multitarefas”. Soares argumenta que, ao não focar em poucas tarefas, tendemos a nos distrair facilmente com banalidades.

Crie hábitos

Há diversas pesquisas que indicam que uma tarefa realizada por vinte e um dias seguidos se torna um hábito. Quando é realizada por noventa dias consecutivos, o nosso cérebro entra em uma espécie de “modo automático”.

Em outras palavras, é necessário preservar e encontrar a força de vontade necessária para fazer tudo conforme o planejado. Muitas pessoas, ao entrarem em contato com a técnica dos vinte e um dias tende a associá-la ao costume de sempre reclamar de tudo.

Afinal, saímos de casa e logo reclamamos do porteiro mal-humorado, do café, do trânsito, enfim, uma sequência de reclamações que parecem não ter fim e apenas fazem mal a quem fala e pensa a respeito.

Desse jeito, nada mudará. Na verdade, a sua capacidade de mudança é bastante restrita, uma vez que só pode controlar a si mesmo. Dúvida? Então, fique sem reclamar por vinte e um dias e note a diferença que isso causará em seu dia a dia.

Por exemplo, se você deseja ser um escritor, deve se impor uma meta de palavras ou páginas a serem escritas por dia. Por outro lado, caso almeje uma vida mais saudável, frequente a academia (aquela que você pagou a mensalidade e não frequentou) e solicite aos instrutores sequências de atividades físicas que te agradem.

Não tem dinheiro para bancar uma academia? Reserve quarenta minutos do seu dia e saia para caminhar, selecione um local que goste de ir. Não se esqueça de associar o máximo de elementos possíveis a cada uma de suas atividades.

Questione-se

Soares convita os leitores a se questionarem. De fato, essa técnica é a mais surpreendente desta obra. Se você tem aplicado diferentes estratégias para vencer a procrastinação ou ainda não sabe como começar essa jornada, a dica da autora é clara: questione-se.

Olhe no espelho e se pergunte (de preferência, em voz alta): quantas palavras ou páginas você escreverá hoje? Você fará exercícios? Entregará aquele relatório importante antes do final do dia?

É altamente recomendável que você preste atenção em suas próprias respostas. Seja sempre sincero, gostando ou não das respostas que dará. Se não gostar, entre em ação imediatamente para mudar a situação.

Estabeleça um firme compromisso consigo, pois, antes de se preocupar em agradar a sua esposa ou marido, a sua mãe ou o seu chefe, é indispensável estar satisfeito consigo mesmo.

Aproveite o embalo e questione a qualidade do dia que passou. Busque listar tudo o que foi ruim e bom e os porquês. Caso tenha sido bom, faça de novo amanhã. Se foi ruim, analise os motivos e implemente uma estratégia capaz de assegurar que tudo seja diferente no dia seguinte.

Se você considerar que perdeu muito tempo nas redes sociais, tome a decisão de deixar o seu smartphone fora de vista ou desinstalar os aplicativos. Utilize as opções de bloqueio em seu computador.

Arranjou uma desculpa para não fazer exercícios? Seja sincero: ficou satisfeito com a justificativa? Utilizará as mesmas desculpas amanhã? E no dia seguinte? Reflita: se as respostas ficarem chatas e tiverem que ser mudadas, você terá um claro sinal de que essas desculpas não são realmente válidas.

Notas finais

Cumpre ressaltar, por fim, que a procrastinação não deve ser compreendida como ausência de análises lógicas das situações. Em termos práticos, os indivíduos que a autora denomina de “procrastinadores crônicos” não aprenderam, ainda, a resistir à atração da “zona de gratificação instantânea”.

A maioria das pessoas, nesse enquadramento, possuem a “autoestima elevada frágil”. Trata-se, em outras palavras, de uma autoimagem distorcida. A procrastinação, portanto, é uma consequência desse estado, gerando dificuldades na gestão de tempo e afetando a capacidade de administrar emoções.

Todos esses elementos, ao serem articulados e vivenciados no dia a dia, tendem a ser responsáveis por um comportamento autodestrutivo que, felizmente, pode ser superado ao comemorar as pequenas vitórias, aplicar os métodos propostos por Soares e, sobretudo, buscar ajuda.

Dica do 12min

Gostou do microbook? Então, leia também O fim da procrastinação e conheça outras formas brilhantes para incrementar a sua motivação e superar as barreiras que atrapalham a produtividade.

Cadastre-se e leia grátis!

Ao se cadastrar, você ganhará um passe livre de 3 dias grátis para aproveitar tudo que o 12min tem a oferecer.

Quem escreveu o livro?

Autora de "Procrastinação: Guia científico sobre como parar de procrastinar... (Leia mais)