O Investidor Inteligente

Benjamin Graham Também disponível em audiobook: Baixe nosso app para ouvir gratuitamente.

O autor Benjamin Graham ensinou e inspirou inúmeras pessoas ao redor do mundo com seu livro “O investidor Inteligente”. Ele introduz diversos conceitos e ajuda investidores a não cometerem erros e a terem estratégias de longo prazo bem desenvolvidas. Esse microbook é baseado em uma das obras favoritas de Warren Buffet, que considera “O Investidor Inteligente” o melhor livro já escrito sobre investimentos . O autor ensina como utilizar as ferramentas de análise adequadas e a maximizar a sua chance de ter bons retornos. Quer aprender a tomar boas decisões de investimentos e a seguir os princípios desenvolvidos por Graham? Vem com o 12!

A diferença entre especulação e investimento

O primeiro passo para se tornar um investidor inteligente é entender a diferença entre especulação e investimento. O investimento garante que seu dinheiro inicial, ou seja, a quantidade de dinheiro sobre a qual os juros incidem, esteja salvo e que gere retornos adequados. Qualquer coisa diferente disso é especulação. O investidor experiente deve estar disposto a levar para casa retornos adequados e justos e nunca perseguir retornos exagerados.

O investidor experiente, além de ficar satisfeito com os retornos adequados, considera vantajosa a segurança de seu dinheiro e busca a garantia de que seus investimentos são sólidos. Essas características diferenciam o investidor experiente do especulador, que corre riscos de perder todos os seus investimentos de uma só vez.

Projeções não são 100% confiáveis

Muitos investidores cometem erros escolhendo seus investimentos baseados no histórico do mercado de ações. Eles presumem, de maneira errada, que o que aconteceu no passado se repetirá no futuro. Por exemplo, eles veem que a ação ‘A’ despencou e atingiu seu menor preço no ano de 2000 e um ano depois subiu para a posição número um do mercado. Contudo, essa queda e aumento subsequente pode ter acontecido por diversos motivos – não há nenhuma base para um investidor presumir que é uma jogada inteligente comprar grandes quantidades da ação ‘A’ quando seu preço está em queda. Não há garantia de que o mesmo cenário vai se repetir.

A verdade eterna sobre investimentos é que cada investidor deve sempre ter em mente que projeções não são infalíveis. Na realidade, em muitos casos, ações surpreendentes tiveram crescimentos fenomenais no mercado. Igualmente, um número incontável de ações “seguras” desapareceram sem pistas depois que os gurus do mercado previram altas. Basear seus investimentos apenas em projeções pode ser desastroso.

A decisão final deve ser do próprio investidor

Um dos pontos chaves que o investidor inteligente deve ter em mente é que não há ação que substitua fazer seu dever de casa. Aceitar conselhos de investidores experientes, escutar especialistas do mercado e ler blogs e livros sobre grandes ideias de investimento são todas ações necessárias e oferecem boas dicas sobre o mercado, mas não devem se tornar a base de suas decisões finais. E você não deve se tornar também dependente de ferramentas de investimento, como as projeções ou simplesmente seguir o mercado colocando seu dinheiro onde todos estão colocando. É preciso que você avalie se os pontos de vista dos especialistas são aplicáveis a seu caso, já que você é o único que sabe exatamente qual é seu apetite por risco ou quais são seus objetivos com os investimentos.

Para que você seja capaz de pesar os conselhos oferecidos ou avaliar as opiniões dos especialistas, é importante que você tenha em mente a verdade fundamental de que o valor do investimento deve ser uma função do seu preço, ou seja, deve haver alguma correlação entre o preço que você paga por um investimento e seu valor real em termos de quanto você pode ganhar no futuro.

O exemplo a seguir vai clarear o significado disso. Uma moeda de prata rara é vendida por um determinado valor e você se pergunta se deve comprá-la. Para determinar se esse montante faz sentido, você precisa considerar o valor intrínseco do metal, qualquer aumento no preço do metal e a demanda do mercado de colecionadores.

Você também precisa fazer previsões tão precisas quanto possível para que, quando decidir vender a moeda, o preço seja mais alto que o preço atual dela. Levar em consideração essas questões vai impedir que você compre a mercadoria a um preço alto e inflacionado, que não pode gerar valor suficiente para justificar seu investimento.

O impacto da inflação nos investimentos

Apesar do papel que a inflação tem no sucesso dos investimentos, a maioria dos investidores tende a esquecê-la. Existem diversas razões para se preocupar com o impacto da inflação. Por exemplo, a inflação é uma realidade sempre presente e o aumento no preço da ação fica, na verdade, aquém da inflação cerca de 20% das vezes. Como investidor, quando você determina se o retorno esperado ou a valorização dos investimentos realmente vale a pena, você precisa considerar que a inflação vai prejudicar seus lucros futuros.

Para assegurar que o impacto da inflação nos seus investimentos seja minimizado, você deve considerar investir em ativos que mantêm o ritmo de crescimento da inflação ou que até crescem mais que ela. Por exemplo, ativos imobiliários podem ser uma boa opção, já que você pode presumir que os preços subirão com a inflação no futuro.

Pode também ser uma jogada inteligente investir em ativos protegidos pela inflação, também chamados de TIPS, do inglês, Treasury Inflation Protected Securities. TIPS são investimentos com um período de maturidade predeterminado. Ao atingir a maturidade, quando o dinheiro é pago ao investidor, ajustes são feitos para levar em conta a inflação ou deflação durante o período de investimento. Isso significa que se a inflação subiu durante o período desde que o ativo TIPS foi comprado, você terá seu dinheiro de volta levando em conta a inflação. Os cálculos de inflação ou deflação para os TIPS são baseados no Índice de Preços ao Consumidor, então o ajuste reflete seu poder de compras.

Graham identifica dois tipos de investidor: o investidor defensivo e o investidor empreendedor. Preocupar-se com o impacto da inflação deve ser um primeiro passo crítico para ambos os tipos de investidores por diferentes razões. O investidor defensivo é focado em evitar grandes perdas e está disposto a investir e depois ficar quieto. Por exemplo, eles querem que seus investimentos não tenham complicações e estão felizes em ganhar retornos suficientes enquanto mantêm o risco em um nível mínimo. O investidor empreendedor, por outro lado, está procurando pelos melhores retornos e está disposto a fazer muitos bons negócios para alcançá-los.

Determinar se você usa uma abordagem defensiva ou empreendedora influencia o quanto você está disposto a trabalhar para gerenciar seus investimentos e não de quanto risco você está disposto a assumir.

O investidor defensivo

Se você é um investidor defensivo, você deve escolher a dedo suas ações para que elas te tragam um retorno adequado, sem arriscar seu investimento mais importante. O objetivo principal do investidor defensivo é proteger seus investimentos e não maximizar seus retornos. Para manter o risco a um nível razoável, você deve diversificar seus investimentos, para que o risco se distribua por suas ações e outros ativos.

Diversificação permite que você separe a perda de uma ação do ganho de outra, para que a performance geral do seu portfólio de investimentos continue positiva. Então, como você diversifica? Escolha investir em por volta de 10 a 30 ações diferentes, que estejam entre as mais vendidas e conservadoras do mercado e que possuem um histórico de pagamento de dividendos consistente.

Ações em alta devem ser evitadas, já que apresentam alto risco e você deve também focar em investir somas baixas e ganhar retornos proporcionais. O curso pode ser lento com essa estratégia, mas, como um investidor defensivo, isso se encaixa em seu perfil de risco e garante que no longo termo você tenha bons retornos. Para garantir que o risco com as ações seja mantido a um nível aceitável, invista 25% do total de seus investimentos em títulos.

O investidor empreendedor

A vantagem de ser um investidor empreendedor é que você está disposto a investir mais tempo e energia no processo, o que significa que você terá mais oportunidades para fazer bons investimentos. É muito importante que você entenda seus objetivos ao investir em uma ação que um investidor defensivo não investiria. Para alcançar sua meta de ter retornos melhores que o investidor defensivo, compre quando o mercado está em queda e os preços estão baixos e venda na situação contrária.

Outra tática é comprar ações em crescimento de companhias que estão em desuso no mercado. No entanto, você deve ter certeza de que o preço das ações ainda está mais baixo do que seu valor intrínseco.

Verifique o preço histórico das ações e a média da proporção P/G (preço por ganhos) durante muitos anos, para se assegurar de que tem uma boa compra em suas mãos.

Uma das oportunidades que você deve explorar como um investidor empreendedor é procurar e identificar startups que têm as características certas que as tornam atrativas para grandes corporações.

Uma oportunidade similar é apresentada por ações estrangeiras, que não são tão populares no mercado simplesmente por serem desconhecidas. Antes de investir nessas ações, faça seu trabalho e tenha a garantia de que os fundamentos da companhia são sólidos. Desconfie se está pagando muito por uma ação que você acredita que irá se valorizar. Isso inclui IPOs (Ofertas Públicas Iniciais, onde as ações de uma companhia são oferecidas ao público) superfaturados e as ações de companhias já bem estabelecidas.

Entenda Os títulos conversíveis

Os títulos conversíveis e os títulos de garantia devem ser abordados com precaução ou inteiramente evitados. Esses são títulos emitidos por uma companhia que está procurando aumentar seu capital por algum motivo. A característica especial dos títulos conversíveis é que eles podem vir com um valor definido que você ganha quando o período do título expira, ou podem ser convertidos em um número específico de ações da companhia, a um preço pré estabelecido. Se as ações da companhia estão em alta, então você vai querer converter o título, caso contrário, você vai querer receber o valor definido por ele.

É crítico checar se o preço de emissão do conversível faz sentido ante o preço da ação da companhia, suas expectativas de crescimento e as condições econômicas gerais. Por exemplo, você não vai querer investir em um título conversível de uma companhia que provê acesso discado a internet, não importa quão barato seja o preço, porque você sabe que as expectativas de crescimento são nulas. Usando a mesma lógica, você pode decidir investir em títulos conversíveis oferecidos por uma companhia de tecnologia que faz sistemas de nuvens para a tecnologia móvel, mesmo que seu preço de emissão seja relativamente alto, porque há uma expectativa estável de crescimento.

Jason Zweig aconselha que, quando for comprar conversíveis, você deve pensar neles como ações muito estáveis e não como títulos. A verdade é que conversíveis proporcionam ganhos menores e riscos maiores que outros tipos de títulos. Zweig observa que, entre os anos de 1998 e 2002, os títulos conversíveis ofereciam um retorno médio anual de 4.8%, que era substancialmente melhor do que a perda média anual de 0.6% das ações. No entanto, títulos corporativos de longo prazo renderam uma média de ganho anual de 8.3% no mesmo período.

Porque é importante ter uma margem de segurança

De acordo com Benjamin Graham, “o segredo do bom investimento” é construir uma “margem de segurança”. A margem de segurança denota a diferença entre o preço da ação e seu valor fundamental. Se você conseguir comprar a ação por um valor menor que seu valor fundamental, terá feito um ótimo investimento. Quando você consegue uma boa margem de segurança, pode se dar ao luxo de relaxar mesmo que as previsões sobre os preços das ações estejam erradas. O truque está em identificar quando a ação está sendo vendida a um preço correto que permite uma margem de segurança adequada.

Se dentro do seu portfólio você garante que incorporou os princípios da margem de segurança, você pode ver como a diversificação impede que suas ações sofram com as variações do mercado. A margem de segurança garante que, apesar de haver algumas perdas dentro do portfólio, o resultado líquido de todos os seus investimentos será sempre positivo. Mas nunca se esqueça que ter uma margem de segurança boa não garante que seus investimentos darão lucro: ela apenas limita os riscos de perda.

Os fundos mútuos

Investir em fundos mútuos é uma boa maneira de aproveitar os benefícios da diversificação enquanto deixa os especialistas escolherem as melhores ações para você investir. Se os fundos mútuos são sua preferência, então tenha em mente as seguintes dicas. Os melhores fundos são aqueles que têm um número limitado de clientes, que não promovem seu fundo de maneira exagerada e que possuem gestores que também fazem investimentos pessoais no fundo. Antes de decidir investir em um fundo, considere os fatores de risco e os custos envolvidos e investigue as credenciais dos gestores.

Muitos investidores têm a impressão de que há alguma coisa errada com o fundo mútuo que planejam investir, mas simplesmente ignoram os sinais. Fazendo isso, eles colocam seu dinheiro em risco. Para evitar correr o risco de perder seu investimento, tenha clareza dos quatro piores cenários: a empresa gigante e instável que tem ações extremamente superfaturadas; o conglomerado que quer construir um império; a pequena firma que assume o controle de uma firma muito maior; e a Oferta Publica Inicial (IPO) que possui valor intrínseco próximo de zero.

Jason Zweig aconselha futuros investidores a estudarem o histórico financeiro das companhias que sofreram desastres conhecidos, como a gigante de telecomunicações Lucent, que afundou após a aquisição da Chromatis. O fato de a Chromatis não possuir clientes ou receita deveria ter sido um indicador para os investidores da Lucent de que a companhia estava cometendo um grande erro.

As flutuações do mercado

Benjamin Graham usa uma simples parábola para explicar como um investidor inteligente não deve nunca definir o mercado no tempo ou depender das projeções. É impossível dizer o que vai acontecer com completa precisão. Ele te pede para imaginar que o Sr. Mercado é seu sócio de negócios e que vocês são donos de uma empresa juntos. Agora, o Sr. Mercado quer comprar sua parte no negócio e todos os dias ele te oferece um preço. Como ele é um cara sentimental, seu preço pode ser muito acima ou muito abaixo do valor fundamental das ações da empresa. Depende de você esperar até que o preço seja justo para poder vender.

Outra dica de investimento que essa parábola deixa claro é que reagir de maneira sentimental às mudanças do mercado ou tomar decisões baseadas em emoções é a receita para o desastre.

O que você deve fazer é esperar o preço da ação ficar mais baixo que o valor intrínseco dela, te dando margem de segurança suficiente. Mantenha as emoções longe disso e desenvolva uma abordagem disciplinada para investir. Isso vai te ajudar a diminuir sua vontade de vender ou comprar quando o mercado estiver oscilando. O mercado não deve ditar suas decisões de investimento. Você deve aproveitar as vantagens das flutuações do mercado para ganhar dinheiro através das boas oportunidades criadas.

Muitos investidores iniciantes dependem de consultores financeiros, apesar de suas taxas excederem 1% dos ativos investidos. Alguns desses consultores exibem seu conhecimento, gabando-se sobre como usam análises técnicas para conseguirem excelentes retornos anuais, que excedem 10%. Você deve ficar atento a isso. Se você decidir contratar o serviço de um consultor financeiro, precisa se familiarizar com o tipo de ativos em que ele investe, se ele possui ou não um plano para investimentos e como você pode descobrir se seus investimentos estão de acordo com os planos dele.

Aspectos para considerar ao investir em uma ação

Seguir cegamente o mercado, um especialista ou um consultor financeiro pode te levar a resultados desastrosos com seu investimento. Contudo, como um investidor iniciante, você pode não saber exatamente quais fatores levar em consideração ao avaliar uma ação. Aqui estão seis aspectos que podem ajudar a decidir se vale a pena ou não investir em uma ação:

  • As perspectivas de longo prazo da companhia

  • Finanças sólidas

  • Boa gestão

  • Estrutura de capital sólida

  • Histórico de pagamento de bons dividendos

  • A taxa de dividendos oferecida no momento

Para avaliar corretamente uma ação, você deve começar determinando seu desempenho passado. Você pode, então, fazer estimativas futuras para a ação e ajustar o valor para que isso reflita no novo preço. É importante basear suas análises nos resultados de longo prazo, porque as avaliações feitas com base em resultados de curto prazo não oferecem o mesmo grau de precisão.

A avaliação do valor intrínseco das ações

A empresa Emery Air Freight começou de baixo em 1958, com lucro líquido de $570,000 e, de alguma maneira surpreendente, não só sobreviveu ao pior momento dos serviços de passageiros domésticos da aviação nos anos 1970, como também continuou a crescer em termos de lucro, assim como em termos de preço de ações.

No entanto, essa história de sucesso significa que investir em ações na expectativa de que o mesmo padrão de crescimento continue é uma jogada inteligente? Provavelmente não, porque é preciso considerar outras questões: o aumento da competição na indústria, aumento nos preços do combustível e outros fatores têm o potencial de diminuir o crescimento acelerado da Emery. Um investidor inteligente vai considerar essas possibilidades em sua avaliação do valor intrínseco das ações e das perspectivas de crescimento, e então determinar se o preço atual é justificável.

Eles também consideram que fazer as avaliações emocionalmente, levando em conta que a ação demonstrou uma taxa meteórica de crescimento no passado, é a fórmula para um desastre.

Outro ponto a ser considerado é que ser influenciado por especialistas, gurus de mercado ou pelo próprio comportamento do mercado pode atrapalhar os resultados. O investidor inteligente leva em conta tanto as atividades do mercado quanto a opinião de especialistas, mas esses não constituem a base de suas decisões.

Notas Finais

O livro de Benjamin Graham dá ao investidor iniciante uma visão diferenciada sobre os fatores que devem ser observados para decidir fazer ou não um investimento. O autor deixa muito claro que para o investidor inteligente o risco e o retorno não andam lado a lado.

O investidor inteligente fica satisfeito com retornos adequados e mantém seus riscos sob controle, para que seu capital de investimento não acabe. Eles buscam a garantia de que estão comprando a um preço que tem potencial para retornos. Eles também sabem que precisam manter a margem de segurança, que vai controlar seus investimentos apesar da variação dos preços do mercado. O autor também explica como exatamente o investidor inteligente avalia ações para verificar seu valor intrínseco e determinar se o preço que deve pagar permite uma margem de segurança adequada.

Dica do 12': Gostou deste microbook? Gosta de investimentos? Então confira nosso microbook de Os Segredos da Mente Milionária!

Cadastre-se e leia grátis!

Ao se cadastrar, você ganhará um passe livre de 3 dias grátis para aproveitar tudo que o 12min tem a oferecer.

ou via formulário: