Desvendando os Segredos da Linguagem Corporal

Allan Pease Também disponível em audiobook: Baixe nosso app para ouvir gratuitamente.

A linguagem corporal é algo que a maioria das pessoas presta pouca ou nenhuma atenção. Contudo, utilizá-la da maneira correta é fundamental para influenciar os outros e obter autoridade.

Se você não mantém bons hábitos com a linguagem corporal, pode dar a entender que tem baixa confiança, sendo percebido por terceiros como um indivíduo fraco e/ou preguiçoso – elementos que um parceiro em potencial ou um chefe prestam muita atenção.

E aí, se interessou? Então, venha conosco descobrir, em apenas 12 minutos, como conhecer novas pessoas pode ser uma experiência empolgante e, também, obter uma visão mais ampla da comunicação. Boa leitura!

Compreendendo o básico

Segundo Allan e Barbara Pease, nossos autores, as mulheres são muito mais perceptivas do que a maioria dos homens. Isso significa que elas conseguem identificar mais facilmente as contradições entre as palavras de alguém e sua linguagem corporal – habilidade confirmada em um estudo realizado por psicólogos da Universidade de Harvard.

Os participantes do estudo foram convidados a assistir um pequeno vídeo de uma conversa entre um homem e uma mulher e, depois, interpretar o que estava acontecendo, apenas lendo suas expressões. As mulheres obtiveram uma precisão de 87%, enquanto os homens não ultrapassaram a marca de 42%.

Isso também é verdade para as mães, uma vez que elas dependem dos sinais não-verbais das crianças pequenas. Exames de ressonância magnética mostram que a mulher tem de 14 a 16 áreas no cérebro para avaliar o comportamento de outras pessoas.

Em comparação, os homens dispõem apenas de 4 a 6 dessas áreas no cérebro. Isso explica por que as mulheres dizem que os homens falam muito pouco e os homens dizem que as mulheres falam demais.

O cérebro feminino é organizado para o “rastreamento múltiplo”. A mulher comum pode falar ao telefone, assistir a seu programa de TV favorito, ouvir uma segunda conversa e tomar uma xícara de café – tudo ao mesmo tempo.

Se você prestar atenção aos adivinhos e cartomantes, notará que, em sua imensa maioria, são mulheres.

Elas alegam ter o poder de vislumbrar o futuro das pessoas. Todavia, as pesquisas realizadas sobre o assunto mostram que elas usam uma técnica chamada “cold reading” (ou “leitura fria”, em tradução livre), que confere uma precisão de quase 80% ao “ler” uma pessoa recém-conhecida.

Se você quiser fazer um trabalho melhor ao ler a linguagem corporal de alguém, confira essas três regras:

1. Leia gestos em “clusters”

Isso significa que, quando você estiver tentando ler a linguagem corporal de alguém, deve saber que cada gesto é como uma palavra com diferentes significados. Os gestos vêm em frases chamadas clusters, que revelam a atitude ou os sentimentos de uma pessoa.

Um cluster de linguagem corporal, assim como uma frase, precisa de cerca de três palavras antes de definir com precisão cada uma das palavras.

Vamos ver um exemplo de cluster.

Se alguém tem os braços e as pernas cruzados, a cabeça e o queixo voltados para baixo e a mão segura o queixo enquanto ouve alguém falar, isso pode significar que o indivíduo em questão não está impressionado com o que está ouvindo.

O primeiro gesto neste cluster é dobrar os braços e as pernas, o que é um sinal de defesa. O segundo gesto aqui é o sinal de cabeça com o queixo abaixado, que revela hostilidade. E o terceiro gesto é a mão que sustenta o queixo, o que revela o tédio.

2. Procure por congruências

Quando os sinais não-verbais e os sinais verbais são incongruentes, as pessoas, principalmente as mulheres, dependem dos primeiros e desconsideram o contexto verbal.

Por exemplo, digamos que alguém discorde de você. Sua linguagem corporal se alinhará com suas frases verbais. Se a pessoa concordar, mas seu corpo discordar, isso deve ser considerado incongruente.

3. Leia gestos no contexto

Caso o seu interlocutor esteja com os braços e as pernas bem fechados e com o queixo abaixado quando você estiver tentando vender alguma coisa, isso significa que ele não foi atraído pela sua oferta.

Não obstante, se uma determinada pessoa apresenta estes mesmos sinais em outros contextos, isso quer dizer que tais gestos fazem parte de seu comportamento padrão, ou seja, ela não está necessariamente rejeitando à sua oferta.

Portanto, é necessário contextualizar esses elementos antes de tentar ler a linguagem corporal de alguém. Do contrário, sua avaliação será incorreta. Outra maneira de se tornar um leitor melhor é assistir à TV sem áudio e praticar a leitura da linguagem corporal das pessoas.

Você também pode visitar um local público e observar a linguagem corporal das pessoas.

O poder está em suas mãos

Se você deseja demonstrar sinceridade e ser amigável, mostre as palmas das mãos ao falar. Esse gesto comunicará, subconscientemente, que você não está armado e não é uma ameaça.

As pessoas tendem a mostrar as palmas das mãos quando dizem coisas como "eu não fiz isso" a fim de transmitir honestidade. Similarmente, ao mentir, os homens escondem as palmas de suas mãos, comunicando, sem o saber, que não estão falando a verdade.

Por outro lado, quando estão mentindo, as mulheres tentam parecer ocupadas ou falar sobre tópicos não relacionados para evitar o assunto.

Os vendedores são treinados a observarem as mãos de seus clientes enquanto explicam por que não podem comprar determinado produto: se as palmas estiverem abertas, eles estão dando uma explicação válida.

Dito isso, aprender a observar os gestos das mãos pode se tornar uma ferramenta valiosa para desmascarar um mentiroso ou contratar uma pessoa honesta. Além disso, simplesmente mantendo as palmas das mãos abertas, você pode pressionar outra pessoa a ser honesto também.

Nesse sentido, há três gestos principais que você deve conhecer:

  • palmas para cima. Isso mostra mansidão e segurança. É altamente recomendável usar esse gesto ao dialogar;
  • palmas para baixo. Isso mostra autoridade imediata, semelhante ao gesto que Hitler utilizava;
  • mão fechada. Isso evoca sentimentos negativos e pode se traduzir em algo como “faça isso ou aquilo”.

Aperto de mãos

Os autores recomendam que você aperte a mão de pessoas que demonstrem estar felizes em conhecê-lo. Não inicie essa forma de cumprimento com indivíduos que não o apreciam, pois, esse gesto é um sinal de confiança e boas-vindas.

Em vez disso, espere até que o outro inicie o aperto de mãos ou lance um pequeno aceno de cabeça como saudação. Lembre-se de que mulheres que tomam a iniciativa deste cumprimento obtêm melhores primeiras impressões.

Existem três atitudes subconscientes básicas que são transmitidas quando você cumprimenta dessa forma alguém que acabou de conhecer:

1. Dominância

A dominância pode se traduzir em algo como "Ele está tentando me dominar, tenho que ser cauteloso".

Isso acontece quando a mão está levemente virada para dentro e as palmas voltadas para baixo. Ela não precisa estar totalmente voltada para baixo, mas se a mão da pessoa estiver em cima da sua, então, você está a receber um aperto de mão dominante.

2. Submissão

Este conceito pode ser traduzido como "Eu posso dominar essa pessoa, ela vai fazer o que eu quero".

Nesses casos, a palma está normalmente voltada para cima. Isso é eficaz quando você quer que alguém assuma a responsabilidade ou fazer outra pessoa se sentir no controle da situação.

3. Igualdade

A melhor tradução para este aperto de mãos é "Eu me sinto confortável com essa pessoa".

Quando duas pessoas dominantes apertam as mãos, uma luta simbólica pelo poder acontece, gerando um sentimento de igualdade e respeito. Convém ressaltar que essas mensagens são enviadas sem que tenhamos conhecimento delas.

A magia do sorriso

Um cientista francês do século XIX fez o primeiro estudo conhecido sobre o poder do sorriso. Ele estudou a mente de pessoas executadas na guilhotina para examinar como os músculos da face funcionam e descobriu os dois músculos que controlam o sorriso.

Os músculos zigomáticos principais, que correm pela lateral da face e se conectam aos cantos da boca, e o músculo orbicular, que puxa os olhos para trás, fazendo com que se estreitem produzam o efeito de pés-de-galinha no lado dos olhos ao sorrir.

O músculo zigomático maior pode ser conscientemente controlado e usado em sorrisos falsos. O músculo orbicular, por sua vez, age de forma independente e mostra um sorriso verdadeiro.

Se você deseja comprovar a sinceridade de um sorriso, deve verificar a existência de rugas no canto dos olhos, uma vez que as pessoas que mentem sorriem apenas com a boca.

Quando sorrimos para alguém, a outra pessoa geralmente tende a sorrir de volta. Isso acontece automaticamente.

A professora Ruth Campbell, da University College London, acredita que temos, em nossos cérebros, um neurônio-espelho responsável por reconhecer rostos e expressões. Segundo ela, tendemos a copiar, inadvertidamente as expressões faciais de terceiros.

Por isso, é recomendável sorrir frequentemente para as pessoas, a fim de influenciar uma atitude positiva em relação a você.

Por outro lado, se uma pessoa nunca sorri e os cantos da boca se mantêm virados para baixo, isso geralmente mostra que ela conviveu com emoções negativas durante toda a vida.

Estudos comprovam que as pessoas tendem a se afastar desses indivíduos, o que é uma má notícia para quem, por um motivo ou outro, precisa desenvolver competências de sociabilidade.

Notas finais

Quando alguém demonstra uma atitude defensiva, é provável que transmita esse estado de espírito cruzando os braços sobre o peito. Isso se dá porque, quando crianças, aprendemos a nos esconder atrás de algo para nos proteger.

Certamente você se lembra que se escondia atrás de sua mãe ou de uma mesa sempre que se sentia ameaçado, porém, à medida que envelhecemos, percebemos que essa atitude não é aceitável e, assim, passamos a usar nos braços para nos proteger.

Do ponto de vista comunicativo, os braços cruzados se destinam a colocar uma barreira entre você e o outro. O problema é que tal atitude é percebida, pelos outros, como sendo a de uma pessoa incerta ou insegura.

Muitos alegam que repetem esse gesto porque se sentem confortáveis, todavia, não se esqueça de que, o tempo todo, sinalizamos nossas ideias e emoções para as pessoas, mesmo quando não sabemos disso.

Dica do 12min

Se você gostou do assunto, acompanhe os vídeos do canal Metaforando e veja como os princípios da linguagem corporal podem ser aplicados na interpretação de fatos corriqueiros da vida nacional!

Cadastre-se e leia grátis!

Ao se cadastrar, você ganhará um passe livre de 3 dias grátis para aproveitar tudo que o 12min tem a oferecer.

ou via formulário: