50 Ideias de Economia que Você Precisa Conhecer

Edmund Conway Também disponível em audiobook: Baixe nosso app para ouvir gratuitamente.

A economia é um assunto que, de modo geral, as pessoas só percebem quando as coisas vão mal. Só quando a economia enfrenta uma crise e milhares perdem seus empregos, os preços sobem muito ou caem depressa demais, é que damos atenção a essa disciplina. Sem dúvida, nesses momentos ela parece bem triste, especialmente quando acentua os desafios e as restrições com que nos defrontamos, destaca a realidade de que não podemos ter tudo aquilo que queremos e ilustra o fato de que os seres humanos são intrinsecamente imperfeitos. A economia examina as atitudes e reações humanas perante o sucesso e o fracasso financeiro, além de investigar todas as escolhas diante das opções a se tomar mediante cenários diversos. É uma ciência que abrange a história, a política, a psicologia e, claro, uma ou outra equação. Se cabe à história nos dizer os erros que cometemos no passado, cabe à economia descobrir como fazer as coisas de maneira diferente da próxima vez. Se ela terá êxito nisso, já é outra questão. O conhecimento que acumulamos durante séculos sobre a melhor maneira de administrar nossas economias tornou-nos mais ricos, mais saudáveis e longevos do que nossos antepassados poderiam imaginar. Mas isso não é, de forma alguma, um fato consumado. A ideia desse livro não é ser uma narrativa contínua, mas nos elucidar cada uma dessas cinquenta ideias. Elas fazem sentido sozinhas, mesmo que tenham sido sublinhados pontos de outros capítulos que podem ser interessantes. Vamos entender essas definições nos próximos 12 minutos?

1. A mão invisível

A “mão invisível” é uma forma sintética de expressar a lei da oferta e da demanda. Também explica como o “puxa e empurra” desses dois fatores serve para beneficiar toda a sociedade. Em termos simples, o conceito é o seguinte: não há nada de errado se as pessoas agem em interesse pessoal. Num mercado livre, a força combinada de todos que lutam por seus interesses individuais beneficia a sociedade como um todo, enriquecendo todos.

2. Oferta e demanda

A lei da oferta e da demanda explica por que os supermercados cobram bem mais por salsichas premium e do que pelas comuns. Ou porque uma empresa de informática aumenta o preço de um notebook que só mudou de cor, por exemplo. O mercado reúne compradores e vendedores, seja num conjunto físico de bancas sobre as quais os produtos são expostos, seja em um mercado virtual como o da Wall Street, no qual a maioria das negociações é feita por meio de redes de computadores. E o nexo entre demanda e oferta é o preço. Essas três informações, aparentemente inócuas, podem nos dizer muito sobre a sociedade. São a base da economia de mercado. A demanda representa a quantidade de bens ou serviços que as pessoas estão dispostas a comprar de um vendedor a um preço específico. Quanto maior o preço, menos pessoas vão querer comprar, chegando a um ponto em que simplesmente se recusarão a comprar. De modo análogo, a oferta indica a quantidade de bens ou de serviços fornecidos por um vendedor a determinado preço. Quanto menor o preço, menos bens o vendedor desejará vender, pois, para produzi-los, despende dinheiro e tempo. O preço é justo? Os preços são o sinal que nos diz se a oferta ou a demanda de determinado produto está aumentando ou diminuindo.

3. A armadilha malthusiana

Tal ideia prega que a raça humana está se expandindo e explorando tão rapidamente os recursos do planeta que ela está rumando para uma inevitável autoaniquilação. Eis a armadilha malthusiana. Eles também se reproduzem em ritmo exponencial. Será que estamos nos expandindo tão depressa que não conseguiremos nos sustentar? Há dois séculos, o economista inglês Thomas Malthus estava convencido de que estávamos. Calculou que os humanos estavam crescendo muito mais depressa do que suas fontes de alimentação. Em termos mais específicos, teve a ideia de que a população humana estava crescendo geometricamente, enquanto os alimentos disponíveis para os humanos aumentavam aritmeticamente. A seu ver, a raça humana estava rumando para uma ruína inevitável. A menos que reduzisse voluntariamente a taxa de natalidade, o que considerava inconcebível, a população humana sofreria um entre três males nada palatáveis impostos pela natureza para mantê-la dentro de certos limites sustentáveis: fome, doença ou guerra. As pessoas não conseguiriam comer, sucumbiriam a alguma praga ou lutariam umas com as outras para obter recursos cada vez mais escassos.

4. Custo de oportunidade

Por mais que sejamos ricos e influentes, nunca nos dedicaremos exclusivamente a fazer apenas aquilo que queremos fazer. Tampouco poderemos realizar todas as tarefas necessárias em uma única tarde. A economia lida com esse problema por meio do conceito de custo de oportunidade, que se refere simplesmente a entender se o tempo ou o dinheiro de alguém poderia ser investido em algo melhor. Cada hora de nosso tempo tem seu valor. Cada hora que nos dedicamos a determinada tarefa poderia muito bem ser dedicada a outra, a dormir ou a assistir a um filme. Cada uma dessas opções tem um custo de oportunidade diferente – ou seja, aquilo que nos custam em termos de oportunidades perdidas.

5. Incentivos

Há incentivos ocultos por trás de tudo. A maioria das redes de supermercados norte-americanos, por exemplo, oferece cartões de recompensa a seus clientes, que lhes dão descontos adicionais em suas compras. O cliente recebe o incentivo de comprar com mais frequência naquele estabelecimento, o que, por sua vez, garante mais vendas à rede. Todavia, outro incentivo importante para o supermercado é o fato de o cartão permitir saber o que certos clientes estão comprando. Com isso, o supermercado não só consegue saber o que deve estocar nas prateleiras como também pode oferecer aos clientes descontos especiais, personalizados, ganhando mais dinheiro ainda vendendo informações sobre os hábitos de consumo de seus clientes a agentes de marketing externos, para os quais essas informações são muito valiosas. Por causa da mão invisível, ambas as partes da equação se beneficiam, reagindo a fortes incentivos em cada etapa do caminho.

6. Divisão do trabalho

Podemos produzir bem mais e melhor dividindo o trabalho e especializando-nos naquilo que cada um sabe fazer bem. A divisão do trabalho vem sendo praticada há milênios. A divisão do trabalho ajudou a impulsionar a primeira Revolução Industrial, permitindo que países do mundo todo aprimorassem drasticamente sua produtividade e sua riqueza. É o método de produção por trás de quase todo objeto manufaturado que você possa imaginar.

7. Vantagem comparativa

Jack Welch, antigo CEO da General Electric, dizia que “toda fábrica deveria estar sobre uma barcaça” – indicando que, idealmente, as fábricas deveriam poder ir flutuando para onde quer que as despesas com pessoal, materiais e impostos fossem menores. Hoje, pode-se dizer que tal cenário é uma realidade, pois as empresas, não mais presas a nações específicas como na época de Ricardo, levam seus funcionários e seu dinheiro para o lugar que preferirem. Na verdade, segundo alguns economistas, isso faz com que os salários caiam rapidamente, e os cidadãos de alguns países fiquem pior do que os de outros. O contra-argumento é que, em troca, o país que cria empregos no exterior beneficia-se com os lucros elevados dessa empresa, redistribuídos a seus investidores, e com os preços mais baixos nas lojas. Outros alegam que a vantagem comparativa é uma teoria simplista demais, presumindo, entre outras coisas, que cada mercado é perfeitamente competitivo (na verdade, o protecionismo interno e os monopólios garantem que os mercados não sejam assim), que não existe emprego pleno e que os trabalhadores deslocados podem muito bem encontrar outros empregos nos quais terão a mesma produtividade. Há quem diga que se as economias se especializassem em determinadas indústrias, como sugere a teoria da vantagem comparativa, reduziriam significativamente sua diversidade econômica, deixando-as muito vulneráveis a circunstâncias variáveis.

8. Capitalismo

Talvez o capitalismo tenha atraído mais críticas do que qualquer outro modelo econômico. Na verdade, originalmente seu nome era uma expressão pejorativa idealizada pelos socialistas e marxistas do século XIX para se referirem aos aspectos mais reprováveis da vida econômica moderna: exploração, desigualdade e repressão, para citar apenas três. Em seus primeiros dias, o modelo recebeu críticas da Igreja, pois a prioridade que se dava ao lucro e ao dinheiro era considerada uma ameaça aos ensinamentos religiosos. As críticas mais persistentes são: gera a desigualdade, promove o desemprego e a instabilidade e tende a altos e baixos. Outros advertem que não leva em conta seu impacto sobre o meio ambiente.

9. Keynesianismo

Encontra-se bem no centro da economia keynesiana a ideia de que a política fiscal deve ser usada como ferramenta de controle de uma economia. Foi uma teoria esposada por um dos maiores pensadores do século XX, o economista John Maynard Keynes, cujas ideias ajudaram a modelar a economia do mundo atual, sendo muito respeitadas e seguidas até hoje. Até a Grande Depressão, supunha-se que a economia era autorregulada, em sua maior parte que a mão invisível, deixada por conta própria, elevaria automaticamente o nível de emprego e a produção econômica a um ponto ideal. Keynes discordou frontalmente. Durante um período de queda, a baixa demanda por bens poderia causar uma grave depressão, fazendo com que a economia se contraísse e gerasse desemprego. O governo teria a responsabilidade de dar a partida na economia emprestando dinheiro e gastando-o, contratando pessoal para o setor público e destinando verbas para projetos de infraestrutura pública – por exemplo, construindo estradas e ferrovias, hospitais e escolas. O corte da taxa de juros pode ajudar a melhorar a economia, mas não consegue resolver tudo. Segundo Keynes, os valores adicionais gastos pelo governo iriam se infiltrar pela economia. A construção de uma nova estrada, por exemplo, cria trabalho para construtoras, cujos funcionários saem e gastam seu dinheiro em alimentos, bens e serviços, o que, por sua vez, ajuda a manter ativa a economia como um todo. O ponto central de seu argumento era a ideia do multiplicador.

10. Monetarismo

John Maynard Keynes versus Milton Friedman: o embate econômico supremo. Não se trata apenas de dois polemistas fenomenalmente inteligentes e com frequência ácidos; não importa se tiveram formações muito diferentes, o primeiro um inglês educado em Eton e o outro nascido no Brooklyn, filho de imigrantes judeus da Hungria. São doutrinas radicalmente opostas, uma batalha ideológica por trás da economia dos últimos 50 anos. Enquanto Keynes prestava mais atenção no desemprego do que na inflação, advertindo que a economia poderia melhorar com certa dose de interferência estatal, Friedman sustentava que as pessoas deveriam ficar por conta própria, sendo a principal tarefa do Estado o monitoramento e o controle da quantidade de dinheiro que circula na economia. Em seu livro seminal Uma história monetária dos Estados Unidos 1867–1960, escrito com Anna Schwartz, ele expôs as teorias do monetarismo.

11. Comunismo

Há alguns anos, a BBC pediu a seus ouvintes radiofônicos que votassem em seu filósofo preferido. Quando os votos começaram a chegar, apareceram alguns candidatos óbvios, como Platão, Sócrates, Aristóteles, Hume e Nietzsche, dentre outros. À medida que a contagem era feita, logo ficou evidente que havia um vencedor para o título de filósofo predileto dos britânicos: Karl Marx. O ponto nevrálgico da famosa teoria de Marx é que as sociedades estão em meio a um processo de evolução, rumando de sistemas econômicos pouco justos e sofisticados para um destino final ideal. Tendo começado nos Estados feudais, passando pelo mercantilismo até o moderno sistema capitalista, a sociedade humana evoluiria naturalmente para um sistema mais justo e utópico. Esse sistema, dizia, era o Comunismo. Em uma sociedade comunista, a propriedade e os meios de produção não pertenceriam a indivíduos ou empresas, mas a todos. Inicialmente, o Estado possuiria e controlaria empresas e instituições, gerindo-as de cima para baixo, assegurando-se de que as empresas não oprimiriam seus trabalhadores. Com o tempo, porém, o Estado iria desaparecer. Esse, disse Marx, representaria o estágio final da sociedade humana, quando se dissolveriam as barreiras de classe que tinham estratificado as nações durante milhares de anos.

12. Individualismo

A frase foi cunhada por Karl Marx, que a usou com desgosto: “O culto ao indivíduo”. Mas, no final do século XX, a ideia de que as escolhas individuais têm importância primordial na criação de políticas econômicas tornou-se dominante. Essa filosofia, semente do thatcherismo e do reaganismo, proveio de uma pequena nação europeia: a Áustria. Apesar de a Economia ser o estudo daquilo que leva as pessoas a tomarem certas decisões, os economistas clássicos tendiam, em nome da facilidade, a enfatizar que, de modo geral, as pessoas agem em uníssono. Se, por exemplo, chega uma nova variedade de batata frita às prateleiras e se mostra popular, é porque os consumidores são atraídos por ela. A Escola Austríaca, que nasceu no final do século XIX e ganhou forças no século XX, concentrou-se nas razões específicas de cada indivíduo para decidir adquirir determinado produto. A economia convencional era, e ainda é, um assunto muito elevado, examinando o desempenho econômico de uma nação como um todo, ou um subconjunto desse país, usando medidas agregadas como o Produto Interno Bruto e a inflação. Em lugar disso, a Escola Austríaca enfatiza que a tomada individual de decisões precisa ficar em primeiro plano. Afinal, só indivíduos podem agir; países, empresas e instituições não têm mente própria – são uma entidade coletiva, compreendida por muitos indivíduos diferentes.

13. Economia do lado da oferta

O governo aumenta os impostos, mas, em vez de recolher mais dinheiro em suas contas, acaba reduzindo suas receitas. Por outro lado, a diminuição dos impostos faz com que obtenha mais dinheiro. A lógica econômica virou pelo avesso. Mas não se trata de bruxaria; trata-se do principal fundamento da Economia do Lado da Oferta. A Economia do Lado da Oferta é uma das teorias econômicas mais controvertidas. A discussão em torno dela envolve a divisão entre aqueles que defendem a maior distribuição da riqueza por parte do governo e aqueles que acreditam, acima de tudo, na liberdade individual e no livre mercado. Em termos amplos, a Economia do Lado da Oferta refere-se à reforma do lado da oferta da economia.

14. A revolução marginalista

Por que atribuímos a um ser humano um valor tão superior ao de outro? Grandes atletas podem ser bons em seus respectivos esportes, mas por que valem tão mais do que aqueles cujo papel é essencial para nosso bem-estar, como professores e médicos? A resposta pode ser encontrada naquilo que os economistas chamam de margem.

15. Dinheiro

A economia não se limita ao dinheiro, mas o dinheiro transforma todos em economistas. Peça a uma pessoa para pagar um valor por alguma coisa e você terá acionado um interruptor invisível em seu interior. O dinheiro é um dos elementos vitais de uma economia. Sem ele, seríamos forçados a praticar o escambo, ou seja, a trocar bens ou a oferecer um favor ou um serviço para pagar por alguma coisa. Assim como a comunicação entre duas pessoas fica bem mais fácil quando ambas falam a mesma língua, em vez de confiarem em gestos e ruídos, o dinheiro proporciona um meio de troca simples, sem o qual qualquer transação ficaria insuportavelmente complicada.

Em países onde as pessoas perdem a fé no dinheiro, talvez por culpa da hiperinflação, geralmente recorrem a uma economia de escambo.

16. Micro e macro

“Micro ou macro?”, costuma ser a primeira pergunta que se fazem dois economistas que acabam de ser apresentados; a diferença entre os dois enfoques chega ao coração da economia. Geralmente, são considerados pelos economistas mais estritos como campos de estudo completamente separados, a ponto de que muitos passam a vida inteira especializando-se em um ou em outro, sem sentir falta de nada. Qual a diferença? Derivada de mikros, palavra em grego antigo que significa “pequeno”, microeconomia é a expressão usada para o estudo da maneira como lares e empresas tomam suas decisões e interagem com os mercados. Um especialista em microeconomia pode se concentrar na forma como um tipo específico de lavoura com arado aumentou ou diminuiu nos últimos anos.

17. Produto Interno Bruto

O PIB de um país é, pura e simplesmente, a medida de sua renda total. Produto = produção ou atividade econômica; interno = numa economia específica; bruto = total. É a medida mais reconhecida da força e do desempenho econômicos de um país.

18. Bancos centrais e taxas de juros

Muitas das estatísticas nas quais os bancos centrais baseiam suas decisões estão defasadas quando são publicadas. O valor da inflação refere-se ao mês anterior. O pior é que, como leva tempo para que os verdadeiros efeitos de certas mudanças na economia se manifestem em termos estatísticos, são necessárias, por exemplo, semanas ou até meses para que os preços mais elevados do petróleo ou de metais aumentem os preços ao consumidor. Os bancos centrais precisam conduzir a economia olhando pelo retrovisor, em vez de fazê-lo através do para-brisa. As metas têm mudado com o tempo. Quando o monetarismo estava na moda na década de 1980, por exemplo, alguns bancos centrais tentaram manter o crescimento da oferta de dinheiro em determinado nível. Hoje em dia, a maioria dos bancos centrais preocupa-se em manter a inflação sob controle. De qualquer forma, a principal ferramenta de que dispõe um banco central para influir na economia é a taxa de juros.

19. Inflação

Geralmente, a inflação se expressa em termos anuais. Logo, uma taxa de inflação de 3% significa que, em uma economia, os preços estão, em média, 3% maiores do que 12 meses antes. Como uma das estatísticas econômicas mais reveladoras, a inflação pode ajudar a ilustrar se uma economia goza de boa saúde, se está superaquecida ou em lento declínio. Se for alta, a economia corre o risco de se ver presa a uma espiral inflacionária ou mesmo a uma hiperinflação; a diferença entre uma e outra depende da magnitude dos aumentos de preços. Há diferentes métodos de medir a inflação, tais como o IPC, o IPV e o IGP-M, cada de acordo com parâmetros distintos.

20. Dívida e deflação

Deflação implica que os preços de bens e serviços estão caindo, geralmente de ano para ano. Desinflação ocorre quando a taxa de inflação se reduz, embora se mantenha positiva.

21. Impostos

O advento do Estado de bem-estar social e dos sistemas de seguridade social na segunda metade do século XX. Comprometidos com o pagamento da saúde, educação, bem-estar de desempregados e idosos e segurança pública, os Estados modernos tiveram de gastar valores significativamente maiores, e para isso tiveram de arrecadar mais. A resposta? Os impostos.

22. Desemprego

Na economia, em última análise, tudo se reduz ao desemprego. Por maior que seja a atenção dada por especialistas e políticos ao Produto Interno Bruto, à inflação, às taxas de juros ou à riqueza de seu país, a simples questão de haver ou não emprego para as pessoas ainda é a principal. A meta do emprego pleno costuma ser uma das primeiras promessas eleitorais feitas pelos partidos políticos do mundo todo, embora o cumprimento dessa promessa varie muito. A decisão governamental de enfrentar o desemprego é compreensível, tendo em vista o trauma associado à perda do emprego; mas o que faz com que o livre mercado seja uma forma dinâmica de gerir a economia é a capacidade de as empresas contratarem e despedirem pessoas à medida que se desenvolvem.

23. Moedas e taxas de câmbio

Os mercados de câmbio, muitas vezes chamados de Forex, acrônimo de foreign exchange, “câmbio”, em inglês, são os lugares nos quais os investidores compram e vendem moedas. São das mais antigas instituições financeiras do mundo, datando da época dos romanos, ou mesmo de antes, e funcionam desde que surgiu o dinheiro e o comércio internacional. Mas os romanos se espantariam ao ver o tamanho, a sofisticação e a dimensão internacional desses mercados hoje em dia.

24. Balança de pagamentos

Como a balança de pagamentos é responsável por todo o comércio que entra e sai de um país, inclusive o dinheiro injetado nele por outras nações ou, por exemplo, enviado para famílias e filiais de empresas situadas em outros países, sua importância não pode ser exagerada. A balança de pagamentos mostra se um país está tomando empréstimos excessivos durante determinado período e, com isso, acumulando problemas para o futuro ou emprestando dinheiro a outros em troca de bens. Em última análise, vai revelar se um país tem um futuro próspero pela frente ou se, pelo contrário, terá de pedir a ajuda do Fundo Monetário Internacional, por exemplo, para se manter flutuando.

25. A confiança e a lei

A economia não pode funcionar na plenitude de sua capacidade sem padrões oficiais, estabelecidos por leis nacionais e internacionais. Além disso, até os mais ardorosos defensores do livre mercado, que acreditam que toda e qualquer empresa, desde bancos centrais até empresas de eletricidade e de projetos de estradas, deve ser privatizada, aceitam que ainda precisamos dos governos para nos obrigar a respeitar os direitos legais. Sem essas leis, o livre mercado não poderia funcionar adequadamente, e ficaríamos com a anarquia – um perigo apontado por Adam Smith, pai da Economia, já no século XVIII.

26. Energia e petróleo

Para a economia mundial todas as mercadorias são importantes. Sem aço ou concreto, a indústria da construção civil iria se paralisar, e as redes elétricas que fornecem nossa energia dependem de fios de cobre. Contudo, nos últimos cem anos, nenhum produto tem sido tão importante quanto o petróleo bruto.

27. Mercados de títulos

Os mercados internacionais de títulos, em que empresas e governos conseguem dinheiro, são bem menos conhecidos e compreendidos do que seu equivalente em participações, o mercado de ações, mas, em muitos aspectos, são bem mais importantes e influentes. Ao determinar se um país consegue dinheiro barato ou não, os mercados de títulos têm ajudado a determinar o curso de guerras, revoluções e conflitos políticos, e têm tido profundas implicações em quase todos os aspectos da vida há séculos. Mesmo em períodos de paz, a capacidade de arrecadar dinheiro de um governo é de importância crucial para seus cidadãos: quanto mais altas as taxas de juros que ele precisa pagar, mais altos os custos de crédito para a economia como um todo. Logo, ignore o mercado de títulos – mas faça-o por sua conta e risco. O preço dos títulos soberanos, emitidos por governos nacionais, revela o conceito de crédito do governo, a facilidade com que ele consegue dinheiro e como suas políticas são recebidas. Se um governo não consegue mais recorrer ao mercado de títulos, terá dificuldades para se sustentar.

28. Bancos

As empresas que compõem o setor bancário e financeiro não só guardam nossas economias e nos emprestam dinheiro quando necessitamos, como também atuam como o sistema arterial que transporta o dinheiro pela economia, motivo pelo qual costumam ser chamadas de intermediários financeiros. Sua principal função é transferir dinheiro em massa, levando daqueles que querem emprestar até aqueles que desejam pedir empréstimos. Para que uma economia funcione adequadamente, precisa contar com um setor financeiro desenvolvido e saudável. Por quê? Porque tanto empresas quanto indivíduos precisam invariavelmente tomar empréstimos para fundar e depois desenvolver negócios decentes, empolgantes, inovadores. Sem os bancos, praticamente ninguém conseguiria comprar um imóvel, pois, para isso, a maioria das pessoas depende de um financiamento hipotecário. Do mesmo modo, os bancos exercem o importante papel de meio de troca. Tente imaginar um dia de sua vida sem um banco. Usamos cartões de débito e de crédito ou cheques na maioria de nossas compras, e, assim, os bancos estão envolvidos, indiretamente, em quase todas as transações que fazemos.

29. Ações e valores

O mercado de ações não é um cassino. O dinheiro investido diretamente pelas pessoas contribui para o crescimento de uma empresa e, por extensão, da economia como um todo. Um mercado de valores próspero é, com frequência, prova de uma economia de crescimento rápido. Isso tem sido verdade desde que as primeiras empresas foram criadas para aproveitar a rápida expansão dos impérios coloniais europeus. Como proprietários da empresa, os acionistas têm direito a uma parte de seus lucros. Se a empresa tiver lucro após reservar verbas para pagamento de custos e de planos de investimento, os acionistas recebem um dividendo ou pagamento anual. Eles também podem lucrar quando o valor da ação sobe, embora corram o risco de perder seu investimento se o seu valor cair. Caso a empresa quebre, os acionistas ficam em um lugar mais distante da fila que os proprietários de títulos, e por isso, as ações costumam ser consideradas investimentos mais arriscados do que a dívida.

30. O risco nos negócios

Os mercados de futuros e opções, também conhecidos como mercados de derivativos, são, provavelmente, os mais arriscados e lucrativos de todos os mercados. É por um bom motivo, pois é justamente com o risco que os mercados de derivativos financeiros e mercadorias negociam. É neles que companhias e operadores especulam com o que esperam que vá acontecer com os preços de tudo, desde ações, valores, títulos e moedas, até metais, mercadorias, clima e preços de imóveis. Os mercados de futuros e opções são, hoje, alguns dos mais importantes e agitados do mundo, pois as companhias precisam tomar decisões similares com frequência, seja um produtor de milho fixando um preço ou um grande exportador como a Ford ou a Microsoft tomando posição em certas moedas para garantir que não vão perder caso o valor do dólar baixe subitamente.

31. O ciclo econômico

Em tese, deve haver um nível ideal de atividade econômica no qual um país pode se manter indefinidamente. Chamam a isso de pleno emprego; todos os elementos de produção em uma economia são usados em sua capacidade ideal. A inflação não precisa aumentar e a economia pode crescer em uma taxa consistente. Na prática, porém, esse ponto ideal nunca foi atingido. A história já viu ciclos de diversos tipos.

32. Pensões e o Estado de bem-estar social

Embora os Estados tenham oferecido pensões, educação e outros benefícios a alguns cidadãos desde a época romana, geralmente, em troca de serviços militares, os Estados de bem-estar e os sistemas de seguridade social são fenômenos relativamente recentes. Até o século XX, os países costumavam cobrar impostos de seus cidadãos apenas para protegê-los da criminalidade e de invasões. Porém, após a Primeira Guerra Mundial e a Grande Depressão, quando a proporção da penúria de muitas famílias ficou clara, países como o Reino Unido e os EUA tornaram-se “Estados de bem-estar social”, nos quais os impostos são usados para redistribuir o dinheiro para aqueles considerados como mais necessitados, sejam idosos, desempregados ou doentes. O modelo original foi desenvolvido na Alemanha por Bismarck, uma década após o término da Guerra Civil do outro lado do Atlântico.

33. Mercados monetários

Os mercados monetários fazem o mundo financeiro girar, estabelecendo as regras e bolando taxas que o financiam e o fazem andar para frente.

34. Estourando bolhas

As bolhas econômicas ocorrem quando o entusiasmo de especuladores e investidores sobre determinado ativo faz com que seu preço vá mais alto do que deveria. Claro que a determinação do preço “correto” é subjetiva, e aí está o problema. Mesmo quando os preços das ações de empresas relacionadas com a internet atingiram valores estonteantes, em 2000, muitos analistas e especialistas afirmaram que seu preço era razoável. O mesmo aconteceu com preços de imóveis nos EUA e no Reino Unido em 2006, antes de começarem a cair durante a crise econômica que se seguiu.

35. Crises de crédito

Em termos gerais, há duas escolas de pensamento sobre a forma como se comportam os mercados financeiros. Uma diz que os seres humanos tendem a oscilar do estado de medo ao de cobiça, e que os mercados podem ficar obsessivos e essencialmente irracionais ao extremo. Sua conclusão é que sempre iremos de bolha em bolha. Essa é a teoria dos ciclos de crédito. Quando tudo vai bem, o dinheiro é barato e abundante, mas às vezes esses tempos são interrompidos por uma crise de crédito, os bancos simplesmente param de emprestar, causando a quase paralisia da vida econômica normal. A outra teoria diz que, com o tempo, os mercados se corrigem sozinhos, tornando-se cada vez mais eficientes e menos propensos a neuroses, o que significa que, um dia, quedas e crises vão se tornar coisas do passado. A teoria baseia-se na crença de que, no longo prazo, os seres humanos podem se aperfeiçoar. É essa a tese sustentada pela equação maravilhosa, idealizada por Myron Scholes e Fischer Black.

36. Destruição criativa

Como a natureza, os mercados livres podem ser cruéis. Às vezes, causam o fracasso de indivíduos talentosos e dignos. Não perdoam: se sua ideia não der certo, pode levar à bancarrota; se fizer um mau investimento, pode chegar a perder tudo. Contudo, segundo a lei da destruição criativa, esses fracassos podem, em última análise, produzir companhias e economias mais fortes e sociedades mais ricas, porque elas precisam eliminar o que é velho, ineficiente e pouco competitivo para abrir lugar para o novo, o vibrante e o forte.

37. Casa própria e preços de imóveis

Em termos puramente econômicos, a propriedade é considerada simplesmente como um tipo de ativo. É relativamente fácil de comprar e vender e seu valor tende a aumentar ou a diminuir com o passar do tempo. Contudo, diferentemente de outros ativos, tais como ações, vinhos, quadros ou moedas de ouro, a propriedade também tem uma função essencial: é um lugar para se morar. Porém, a verdade é que os preços de imóveis têm se mostrado sujeitos a diversos ciclos de altos e baixos nos últimos 50 anos, culminando, em 2008, com a queda nos preços de moradias nos EUA e no Reino Unido, com uma velocidade que não era vista desde a Grande Depressão. Por que os preços de imóveis são tão propensos a esses abalos?

38. Déficit público

Para onde vai o dinheiro? Apesar de ser alvo de discussões, muitos economistas acreditam que a era de déficits governamentais persistentes iniciou-se quando o Estado começou a proporcionar sistemas amplos de seguridade social para seus cidadãos. Isso implicou gastos significativos em saúde, auxílio-desemprego e educação, por exemplo, que antes costumavam ser geridos pelo setor privado ou por fundações e organizações de caridade. Foi a passagem do estado de guerra para o Estado de bem-estar.

39. Desigualdade

A desigualdade não é nova. Vem desde a Inglaterra vitoriana. Apesar dos esforços continuados dos políticos para reduzir a lacuna entre ricos e pobres, essa brecha ainda é extremamente grande. No quarto de século após o início da década de 1980, os níveis de desigualdade, com efeito, ampliaram-se significativamente em quase todos os países desenvolvidos do mundo. Apesar de essa lacuna ter diminuído na França, na Grécia e na Espanha, a separação entre ricos e pobres aumentou muito no Reino Unido, e, no final da primeira década do novo milênio, tanto no Reino Unido quanto nos EUA, a desigualdade atingiu o mais alto nível desde a década de 1930.

40. Globalização

Tudo isso é consequência da globalização, mas descrever o fenômeno apenas nesses termos seria muito enganoso. Em Economia, globalização refere-se aos vínculos comerciais e econômicos que ligam o mundo e que têm sido tão importantes para a história da humanidade. Tão antiga quanto as montanhas? A globalização tem ficado cada vez mais importante desde 1492, ano em que Colombo desembarcou na América, embora já houvesse um vibrante comércio internacional entre a Europa e o Oriente muito antes disso. Apesar do uso da expressão ter ficado mais comum a partir da década de 1980, e de as décadas após a queda do Muro de Berlim e do fim da Guerra Fria serem consideradas como o divisor de águas da globalização, estamos longe de ser a primeira era de amplo comércio, intercâmbio e migração internacional. Esse título deve ir para a era vitoriana.

41. Multilateralismo

Multilateralismo significa que um país colabora com todos os outros na tomada de decisões importantes, em vez de agir sozinho – unilateralmente – ou em parceria com outro país (ou grupo de países) – bilateralmente. Parece simples bom senso, mas, mesmo em uma era de globalização, o nacionalismo econômico ainda é uma força poderosa.

42. Protecionismo

O protecionismo normalmente significa a imposição de barreiras e impostos a produtos importados do exterior e medidas para impedir a absorção de empresas nacionais por companhias estrangeiras. Ele é tão antigo quanto o próprio comércio. Um dos métodos mais antigos encontrados pelos governantes para arrecadar dinheiro foi a imposição de tarifas alfandegárias, algo que persiste desde a Antiguidade.

43. Revoluções tecnológicas

Por trás de toda transformação há uma nova tecnologia. A invenção da máquina a vapor e o aproveitamento de combustíveis fósseis como o carvão mudaram subitamente a maneira como as pessoas viviam, remodelando horizontes sociais e artísticos. Foi a era de Wordsworth e de Turner, uma época em que a arte expressava tanto encanto quanto horror diante das mudanças profundas que estavam acontecendo; e um período de insegurança política, que coincidiu com a Revolução Francesa e a independência norte-americana.

44. Economia do desenvolvimento

A evolução econômica da humanidade tem andado com a exploração dos recursos naturais do planeta, particularmente desde a Revolução Industrial. Sem o uso de recursos como carvão e petróleo, é difícil imaginar como as economias ocidentais poderiam ter se desenvolvido tanto e criado tamanha riqueza e prosperidade nos últimos séculos.

45. Economia ambiental

A evolução econômica da humanidade tem andado junto com a exploração dos recursos naturais do planeta, particularmente desde a Revolução Industrial. Sem o uso de recursos como carvão e petróleo, é difícil imaginar como as economias ocidentais poderiam ter se desenvolvido tanto e criado tamanha riqueza e prosperidade nos últimos séculos. Isso cria um dilema quanto ao progresso e os impactos que ele causa em nosso mundo.

46. Economia comportamental

A experiência revela que as pessoas não se mostram consistentemente racionais. Se o fumante obeso fosse mesmo racional, começaria a fazer uma dieta e pararia de fumar imediatamente, reconhecendo o perigo que está causando à sua saúde. Se fôssemos mesmo racionais, não nos deixaríamos levar por ofertas do tipo “compre um e leve outro grátis”; julgaríamos a adequação de nossos salários apenas com base em seu nível absoluto sem nos preocuparmos em compará-los com o que nosso vizinho ou concunhado ganham.

47. Teoria dos jogos

A teoria dos jogos é a ciência por trás da estratégia humana. Estuda como os humanos tentam prever as ações dos outros e quais são as consequências finais dessas ações. Assim, tornou-se uma das mais influentes ideias econômicas das últimas décadas. No século XVIII, Adam Smith argumentou que os seres humanos são intrinsecamente egoístas, mas que quando esse egoísmo é canalizado por um mercado, o resultado final é a melhoria da sociedade. A teoria dos jogos, por sua vez, examina de que forma o egoísmo influencia a maneira como as pessoas negociam umas com as outras.

48. Economia da vida diária

Mesmo nos ambientes mais exóticos e sem relação com o mercado encontramos aplicação para as regras fundamentais da Economia, quer isso signifique oferta e demanda, a mão invisível, incentivos humanos ou quaisquer outras do panteão de regras econômicas. Afinal, a economia é o estudo das decisões humanas, que não necessitam de um cenário monetário para funcionar.

49. Economia da felicidade

A economia tradicional não tem uma explicação satisfatória para isso. Desde a época de Adam Smith, presume-se que a riqueza é a principal medida do progresso de um país. É por esse motivo que os economistas tendem a se concentrar em medidores como Produto Interno Bruto, desemprego e um punhado de indicadores sociais como expectativa de vida e desigualdade. Mas até pouco tempo, a felicidade não era um desses medidores, o que, se lembrarmos da importância atribuída pelos filósofos ao contentamento desde os primeiros dias da humanidade, é de se surpreender.

50. Economia do século XXI

Os economistas têm sido ridicularizados por não conseguirem prever importantes mudanças no cenário financeiro e por não terem percebido sinais que apontavam para uma súbita catástrofe no mercado de valores. Agora, nos primeiros anos do terceiro milênio, foram levantadas questões mais fundamentais sobre as bases da disciplina e é difícil ignorá-las. Percebendo que as pessoas não agem sempre de maneira racional, é possível que os legisladores adotem uma posição mais paternalista. Já há, por exemplo, tentativas para regular mais severamente o mercado hipotecário, e com isso os consumidores teriam mais dificuldades para tomar decisões contrárias a seus melhores interesses a longo prazo.

Notas Finais

As 50 ideias de Economia é o livro que faltava para quem ainda busca desculpas para não entender dessa ciência tão importante. Não há mais razões para dizer ser ignorante quanto a termos difíceis de Economia. Fundamental para quem quer melhorar sua relação com o dinheiro, o mercado e tudo o que o envolve.

Dica do 12'

Já que estamos falando de Economia, que tal investir? Leia 'O Investidor Inteligente'!

Cadastre-se e leia grátis!

Ao se cadastrar, você ganhará um passe livre de 3 dias grátis para aproveitar tudo que o 12min tem a oferecer.

ou via formulário: