44 Mandamentos Para Ficar Milionário

Robert Kinsley Wise Também disponível em audiobook: Baixe nosso app para ouvir gratuitamente.

O dinheiro pode ser extremamente prosaico, uma das coisas mais banais que existem. Aquilo que hoje custa umas poucas moedas, daqui a algum tempo vira um bem valiosíssimo. Existem algumas coisas em maior número, na nossa sociedade, do que dinheiro. Há dinheiro em todo lugar. Acha-se dinheiro na rua, esquecido em bolsos, jogado no chão da cozinha, perdido entre as almofadas do sofá. Afinal, como algo que é tão comum pode valer tanto para as pessoas? O livro de Robert K. Wise se dedica a tentar descobrir por que as pessoas, mesmo frequentando as mais bem-recomendadas conferências, assistindo aos maiores professores, graduando-se nas melhores universidades ou simplesmente sendo as mais inteligentes, não conseguiam acertar suas vidas financeiramente. Temos conceitos seculares, gastas fórmulas matemáticas, uma linhagem nobre de especialistas que passaram suas vidas debruçados sobre a literatura de finanças pessoais, e ainda assim a maioria não consegue enriquecer e acaba passando dificuldades. Reserve os próximos 12 minutos para aprender os principais mandamentos, ou lições, que levam uns a ter tanto e outros tão pouco.

Lições dos ricos x lições dos pobres

A melhor maneira de entender por que algumas pessoas ficam ricas e outras não é observar padrões de comportamento. Quanto dinheiro você tem agora não é nem de longe determinante para decidir quanto dinheiro você terá daqui a 10 anos. Há uma razão para homens com nada mais do que a motivação certa terem construído grandes fortunas ao longo dos anos ao passo que um sem-número de vencedores de loteria perdeu tudo em pouco tempo. Ricos pensam como ricos, enquanto pobres insistem em continuar pensando como pobres.

Os ricos têm planos, os pobres têm "ideias"

Os mais pobres são donos das mentes mais ávidas, excitantes, criativas, cheias de ideias. Pena que não realizam nenhuma. O problema dos pobres é que eles têm um sério bloqueio na hora de realizar o planejamento, e isso se deve a uma série de fatores. Quando chega o momento de montar a estratégia, os pobres se deparam com uma dificuldade que lhes parece quase intransponível: a dificuldade de quem não se informou e não leu o suficiente sobre o assunto. Deste modo, quando têm uma ideia, não sabem como operacionalizá-la.

Mitos e verdades

A quantidade de lendas que correm o mundo a respeito do dinheiro é impressionante. Elas se multiplicam e se propagam como uma força da natureza. Há quem pense que ficar rico é praticamente impossível. Muitos de nossos pais nos criaram sob essa crença. Já que enriquecer é uma ideia absurda demais para ser levada a sério, perseguir esse sonho seria contraproducente, pura perda de tempo. Fomos acostumados a fixar nossos objetivos em andares mais baixos, mais acessíveis. Conseguir um bom emprego, comprar uma casa, mandar os filhos para a Universidade, viajar para a Europa ao menos uma vez e enfim se aposentar. Mas é possível ir além.

1. Mude sua maneira de pensar

Quem já sofreu com questões financeiras tem a perigosa tendência para ver o dinheiro sob um ângulo um tanto impreciso, como algo necessário apenas para determinadas contas. Quando menos se espera, a mera menção da palavra "dinheiro" vem associada a uma impressão inalienável de aborrecimento. O salário é recebido já contado, quase como se o indivíduo soubesse o destino de cada uma daquelas notas e soubesse, também, que não conseguiria realizar nada com o trabalho de um mês inteiro. O dinheiro passa a ser visto como um atestado de que as coisas, afinal, não estão indo bem. O grande problema dos pobres é antes uma questão de visão sobre o dinheiro.

2. Evite os erros dos pobres

Em eventos como palestras e treinamentos sobre finanças, pessoas da plateia são frequentemente chamadas a conversar com o conferencista, que se utiliza de casos práticos para pontuar sua fala. As justificativas que as pessoas encontram para as razões que as levaram a um seminário sobre endividamento ou gerenciamento de carreira são odes à criatividade humana e à habilidade de manusear um discurso. Se alguém está com problemas financeiros, nunca a culpa é dessa pessoa. O caso sempre se deve a intervenções externas, condições supervenientes, casos fortuitos inexplicáveis, dentre outras alternativas para conservar a integridade do ego. Mas, não é bem assim...

3. Conheça e domine o tripé da geração de riqueza

Há, sem dúvida alguma, diversas fórmulas e métodos disponíveis no mercado que prometem uma grande propulsão na renda. A literatura de finanças pessoais é pródiga em "passos", em "segredos", em "princípios" para alcançar a riqueza. Quase todas, teoricamente, são capazes de funcionar, mas infelizmente poucas funcionam de fato, seja por uma desnecessária complexidade em seus fundamentos, seja porque dependem de premissas vagas e que acabam largando seus leitores à própria sorte. Mas nenhum método é mais eficaz que o Tripé da Geração de Riqueza: poupança, receitas e investimento.

4. Primeiro invista em si

Há uma série de possibilidades de investimentos, destes que se bem pensados e se combinados à atitude correta têm o potencial para nos deixar muito ricos. Mas nenhum deles se compara ao maior investimento de todos: o investimento em si mesmo.

5. Domine os juros e os lucros compostos

Este talvez seja o princípio mais indispensável para a geração de riqueza: os juros e lucros compostos. Passa pela concepção dos juros sobre juros e dos lucros sobre lucros toda história de construção de riqueza e de sucesso que costumamos ouvir em nosso dia a dia. Muitas vezes os empresários bem-sucedidos são questionados sobre o que, afinal, teria feito deles homens ricos, qual a centelha que disparou sua fortuna. Em qualquer link da internet ou livro de matemática você encontra essa fórmula simples: tenha ela em mente, decorada!

6. Invista e reinvista

Dinheiro é algo fascinante, quase uma criatura com vida própria. Ele cresce, multiplica-se, faz sonhos se tornarem realidade e diminui de tamanho de tempos em tempos. Esta, aliás, é uma verdade que não podemos desconsiderar em nossos cálculos jamais: o dinheiro perde valor. Portanto, o reinvestimento é sempre necessário.

7. Pague o preço

Essa analogia traduz com perfeição o absurdo pelo qual a grande maioria das pessoas passa por dificuldades financeiras. Todos querem enriquecer, mas poucos têm a disposição para pagar o preço de ficar rico. Esse preço envolve sacrifícios, estudo, riscos. Nada vem do dia para a noite.

8. Discipline-se

Há muito material de qualidade a respeito de reeducação financeira e finanças pessoais disponível no mercado, porém, sempre com técnicas que alegam prescindir de disciplina para funcionar. Desconfie. Mesmo a aplicação de um determinado valor em um fundo de investimento confiável necessita de policiamento constante. É possível que o mercado comece a enviesar por um caminho desfavorável, que esteja próximo de uma crise iminente, que os rendimentos estejam abaixo do índice de inflação, que as taxas de administração estejam consumindo todos os possíveis lucros que seriam auferidos na aplicação, dentre outras incontáveis situações possíveis.

9. Trace um plano e estabeleça metas

Qual a real importância de um plano? Qual sua influência no resultado final? A relevância de um planejamento inicial bem feito pode se relacionar com um teste de lançamento de mísseis intercontinentais. O objeto da analogia é desprezível, sim, mas ideal para ilustrar este raciocínio. Nenhuma das duas atitudes é tomada da noite para o dia, mas envolvem uma série de estudos sobre as consequências e melhor forma de serem tomadas.

10. Tenha atitude

A boa notícias é que você já tem meio caminho andado ao estar lendo esse microbook. Pense nas circunstâncias que o levaram até suas mãos. Pegue a fagulha de interesse que o motivou a iniciar esta leitura e explore-a, transforme-a em uma grande fogueira. A despeito do discurso reducionista disseminado por livros ruins de autoajuda, há uma regra essencial na vida, repetida à exaustão, mas que nunca deixou de ser verdade: a atitude permite fazer o que você imaginar.

11. Não desista nunca: todo fracasso é um aprendizado

Não é raro ouvirmos de pessoas de sucesso, principalmente de personalidades ligadas ao esporte, que o talento e a sorte não são nem de longe os componentes determinantes para decidir o destino de um profissional, seja qual for sua atividade. O elemento mais importante, repete-se incansavelmente, é a postura em relação às vitórias e às derrotas, a humildade para saber que nunca se conhece o suficiente para se dar ao luxo de parar de aprender e a persistência para continuar em frente apesar de cada fracasso.

12. Pratique a automotivação

Enriquecer é uma meta tão bem resolvida, tão autoexplicativa, que se reserva o luxo de dispensar qualquer questionamento. Ninguém indaga outra pessoa acerca dos motivos que ela teria para enriquecer. Mas com o passar do tempo aprendemos a não subestimar o valor das obviedades. Quando um assunto é tido por resolvido, como este, há um tênue sinal de que há ali muito para ser explorado.

13. Faça da economia uma filosofia de vida

Por vezes lemos dezenas de livros, pagamos cursos caríssimos, desenvolvemos teorias complexas e temos a sensação de deter e sintetizar todo o conhecimento do mundo. É um perigo compreensível. Mesmo assim, o cientista precisa vez ou outra sair do laboratório e dar uma volta pelo parque, olhar para o céu, para a terra, ter a humildade suficiente para se permitir aprender com os professores mais inusitados. A natureza, por mais que ignoremos, é pródiga em valiosos ensinamentos. Da mesma forma, a economia é uma filosofia que deve ser sentida na carne, no mundo, ao nosso redor.

14. Não menospreze os pequenos valores

Aquela moedinha que você normalmente esquece no fundo dos bolsos, é uma das mais notáveis invenções da humanidade. Pedra fundamental do nosso meio de consumo, o centavo é o grande motor do comércio, o que pode ser explicado por meio de um segredo muito bem guardado: apenas os ricos sabem o verdadeiro valor dos centavos, e só auferem rios de lucros exatamente porque os pobres não o conhecem e não o valorizam.

15. Calcule em percentual e quantidade

O mundo da matemática pode ser assustador quando se adentra nele pela primeira vez, mas pode se revelar fascinante depois de alguns passos desbravando-o. Algo extraordinário revelado pelos jogos matemáticos é a relativização das coisas. Nem sempre apenas pela frieza dos números, mas pelo efeito que eles exercem em quem os opera. É culpa deste efeito que às vezes acabamos por menosprezar os pequenos valores. Como pode o mesmo valor fazer diferença em nossas decisões? Basta aplicar as regras de porcentagens em todos os gastos do dia a dia e você vai entender porque aqueles 30 centavos podem sim fazer uma diferença grande no final do mês.

16. Aprenda a comprar

A pesquisa é um elemento fundamental na hora da compra porque prenuncia imediatamente a existência de um plano, de uma estratégia, algo que nenhum consumidor deveria ignorar. Pesquisar é captar informação, e informação, no que tange a dinheiro, separa os milionários dos devedores irremediáveis. E é uma tarefa que não pode ser dispensada nos momentos em que a compulsão tenta nos levar a comprar algo imediatamente.

17. Pechinche

Há alguns padrões de comportamento que são simplesmente fascinantes. Os animais têm padrões sustentados por um instinto coletivo que os ajuda a se organizarem e a sobreviverem. As abelhas talvez sejam o exemplo mais extraordinário neste campo. O homem moderno, contudo, desenvolve comportamentos coletivos estranhos, contraproducentes, talvez por ser uma criatura emocionalmente mais complexa que uma abelha, ou apenas porque a lógica e o bom senso não seja o forte de nossa raça. Pechinche até o máximo!

18. Corte despesas

O que é necessário para uma vida tranquila? As respostas para essa pergunta, assim como a gravidade do seu tom, costumam mudar dependendo do que queremos para o futuro. Quem já está satisfeito com o que possui e com o padrão de vida que leva, pergunta-se simplesmente "o que é necessário para uma vida tranquila?". Quem, pelo contrário, ainda deseja conquistar muito mais, costuma mudar um pouco sua perspectiva, perguntando-se "o que é realmente necessário para uma vida tranquila?". Quem faz parte do segundo grupo não tem nada o que lamentar, pelo contrário: ao se fazer essa pergunta, descobre-se que é possível viver bem com muito menos do que imaginamos e ainda ter o suficiente para construir uma base para nossos investimentos.

19. Torne-se um "pão-duro"

Aos olhos da maioria das pessoas, se você pechinchar no comércio, economizar água e energia elétrica, escolher ir ao trabalho a pé ao invés de pegar o carro para percorrer cinco quarteirões, não será visto como alguém austero, consciente, dono de uma notável lucidez financeira. Não. Será visto apenas como um pão-duro. São os estigmas da sociedade, uma questão de cultura. Vivemos em uma cultura que dedica louros ao gastador irresponsável e que condena o poupador. Todos admiram o vizinho que comprou um novo Porsche ou que está construindo uma piscina em casa, mas se você não trocar de carro a cada dois anos, as pessoas já começam a olhá-lo de modo estranho.

20. Venda o carro

Sim, a ideia pode parecer radical. Quando esta medida é proposta, as pessoas costumam se contorcer nas cadeias. Afinal, somos apaixonados por carro. É provavelmente a máquina inventada pelo homem que mais lhe desperta sentimentos, muitas vezes arrebatadores. Mas veja bem, o que estamos propondo não é "nunca mais compre um carro". Há as despesas com manutenção, com impostos, com combustível e, acima de tudo, a desvalorização absurda que os automóveis costumam sofrer.

21. Não faça dívidas de consumo

Que compra é impulso você já está careca de saber, assim como já não aguenta ouvir falar de histórias de falência, pessoas vivendo com um cartão de crédito mais estourado do que o outro, amigos com histórias de inadimplência tão mirabolantes que poderiam ser adaptadas em Hollywood. O que acabamos descobrindo ao longo dos anos é que essas histórias terríveis de gente indo à falência e devendo até o dobro do patrimônio não assustam os consumidores, pelo contrário.

22. Faça dívidas boas

"Dívida boa? Conta outra". Muitos desconhecem o poder que uma dívida bem contraída tem sobre suas finanças. O conceito não é novo, e merece ser mais conhecido, afinal, é de uma simplicidade impressionante. Suas calças têm dois bolsos, certo? Bem, umas têm quatro, outras têm oito e em algumas se chega a perder a conta, mas pelo bem da metáfora, considere apenas dois. O bolso esquerdo é o bolso de saída: dele você tira dinheiro. O bolso direito, pelo contrário, é o bolso de entrada: nele você coloca dinheiro. Um é gasto, outro é lucro. A dívida ruim apenas tiram dinheiro do nosso bolso. Toda atividade relacionada a ela irá tirar dinheiro do nosso bolso esquerdo sem colocar nada no direito. Uma dívida boa, por outro lado, irá tirar dinheiro do bolso esquerdo também, mas em contrapartida, colocará uma quantia superior no bolso direito, compensando o trabalho no final da equação.

23. Reduza seu padrão de vida

Você sabe, mas não custa repetir: iniciar uma jornada de enriquecimento implica mudanças, acarreta transformações não apenas em determinados quadrantes do seu dia, mas em sua vida como um todo. Em seu café da manhã, em seu caminho para o trabalho, em sua pausa para o almoço, em sua volta para casa, em seu tempo livre. O café não precisa ser gourmet, o caminho para o trabalho será o mais curto possível, o almoço pode ser mais barato, o caminho de volta pode ser aproveitado para abastecer ou fazer as compras da semana, e aquela última hora da noite pode ser valiosa no aprimoramento pessoal e aquisição de conhecimento.

24. Aprenda Matemática Financeira e compre uma HP 12C

É cada vez maior o número de pessoas acima dos 25 anos frequentando cursos de matemática. Seja por falha do professor ou por falta de motivação na época da escola, muitos sentem o peso da fragilidade daquele ensino em 1º e 2º graus quando chegam à idade adulta e descobrem que, sim, o mercado e a vida demandam o uso da matemática aplicada todos os dias. Se você é uma dessas pessoas, aconselhamos pensar seriamente em cursar algumas aulas. Não há problema algum em voltar para a sala de aula, muito pelo contrário: todos têm o que aprender, mas só busca por esse conhecimento quem possui a motivação e a curiosidade como grandes diferenciais. Lembre-se da máxima socrática, "só sei que nada sei". Ainda assim, daremos dois ou três passos básicos no campo da Matemática Financeira, como o cálculo de juros simples e juros compostos e o cálculo do montante, fundamentais para qualquer um que, afinal, tem a pretensão de lidar com grandes números. Mas não se esqueça: não pare por aqui.

25. Conheça um pouco de contabilidade, marketing, vendas, relações humanas e direito

O mundo moderno mudou a face do mercado de trabalho e das necessidades técnicas para quem deseja percorrer uma grande carreira. Até pouco tempo atrás, coisa de nem cem anos, havia em cada cidadezinha um ferreiro, um barbeiro, um dentista, um veterinário, um armazém, e assim por diante. Cada profissional específico para atender às necessidades do lugarejo. Com o tempo e com o crescimento demográfico para além das capitais, a noção de concorrência foi demandando do ferreiro um conhecimento um pouco maior que o do outro ferreiro, seu rival de clientela. Logo o primeiro precisou aprender carpintaria, enquanto o outro aprendeu mecânica. Da mesma forma, é crucial aprender um pouquinho que seja de cada uma dessas matérias para administrar ainda melhor o seu dinheiro.

26. Construa sua reputação

Quando perguntam o que fazer para ser bem visto no mercado, ser cobiçado como profissional e reconhecido pela excelência em sua atividade, deve-se ter em mente que não existe truque, basta ser alguém realmente digno desta reputação que ambiciona. Não há como construir reputação em bases falsas, não há como inspirar confiança ilegítima.

27. Faça relacionamentos de valor

Vivemos um tempo de redes sociais, um tempo fantástico em que uma pessoa está conectada a outras milhares pelo mundo todo, conexões internacionais, intercontinentais e transatlânticas, ligações inimagináveis há nem 15 anos atrás, e ainda assim, mais do que nunca, profissionais sofrem com a falta de interação social como componente-chave de suas carreiras. Sim, você tem mais de setecentos amigos na rede de que participa, mas para a casa de quantos você já foi convidado para jantar? Em quantos você já deu um abraço por um aniversário ou por uma promoção na carreira? Indo um pouco mais longe: você seria capaz de simplesmente dizer o nome de todos eles. É curioso, mas seu pai provavelmente não tinha mais do que 10 ou 15 amigos frequentes na época dele, e ainda assim, pode-se dizer que tinha mais amigos do que você.

28. Aprenda tudo sobre negociação

Negociamos o tempo todo, ainda que o "negócio" em questão não esteja diretamente relacionado ao nosso emprego ou empresa. Negociamos ao fazer compras, ao alugar um carro, ao fazer check-in em um hotel e até mesmo ao estabelecer o horário que nossos filhos devem ir para a cama. A negociação, ainda que em seus mais variados tipos, está presente em quase todas as etapas do nosso dia. Quanto mais você souber acerca disso, melhores serão seus resultados.

29. Jamais dependa de uma única fonte de renda

Nenhum milionário tem apenas uma única fonte de renda. Procure diversificar seus rendimentos para não ficar na dependência de apenas uma fonte e se complicar no momento em que algo der errado.

30. Empreenda

Se empreender era algo visto até poucos anos atrás como algo próprio de alguns poucos talentos criativos e um tanto quanto irresponsáveis, hoje passou a ser tratado como necessidade. Você sabe, por exemplo, quanto custa manter um vínculo empregatício? Não é apenas o salário que está em jogo, mas custos com plano de saúde, hora extra, férias, impostos e eventuais indenizações trabalhistas vêm fazendo as empresas repensarem se sustentar um empregado de fato vale a pena.

31. Cerque-se dos melhores

Delegar é a questão definitiva que separa um empreendedor de sucesso de um empregado de sucesso. Se você tem talento e é muito bom no que faz, excelente, você provavelmente terá sucesso na sua função. Se, porém, você souber prospectar gente talentosa para trabalhar para você, aí sim, você terá sucesso ilimitado em sua empresa.

32. Arrisque

Daqui para frente é que as coisas se decidem. Tudo é uma questão de foco, de resistência, de manter-se fiel à estratégia e de saber assumir riscos. Todo mundo tem sonhos. E muitos assim vão. Passam-se cinco, dez anos. Passam-se os caminhões, e o sonho fica lá, guardado em algum lugar da memória para lentamente se transformar em frustração, e este é o maior problema da passagem do tempo para algumas pessoas: os sonhos vão sendo substituídos por frustrações e por uma terrível sensação de "e se?". Não existe tipo pior de pergunta.

33. Invista (ou desista)

De nada adianta poupar, poupar e poupar se não houver investimento. Procure estudar os diversos tipos deles, cada um de acordo com uma necessidade diferente. Caso contrário, o tanto poupar de nada vai surtir efeito positivo.

34. Pague-se primeiro

Há algo sempre muito impressionante a respeito das grandes cidades: as inúmeras pessoas nas calçadas que correm todos os dias para seus respectivos empregos. Movem-se rapidamente, sem se darem conta do que as cerca. Fluem às centenas como a correnteza indistinta de um rio. É neste momento que você percebe como o homem urbano é absorto nessa agitação da vida moderna. Para onde eles estão correndo? Para onde vão com tanta pressa? Será que são felizes? Será que sobra algum minuto do dia para pensar no que realmente gostariam de fazer de suas vidas? Você está devendo algum tempo ou algo para si próprio?

35. Diferencie ativos de passivos

Simplificadamente, passivos são todas aquelas propriedades ou operações que tiram dinheiro da sua conta. Você paga caro e segue pagando por eles enquanto não resolvê-los. Ativos, pelo contrário, é tudo aquilo que ajuda a engordar sua conta bancária.

36. Invista com a razão e não com o coração

Quando se fala em negócios, as emoções teimam em se manifestar. Mas nem todo sentimento é negativo. A paixão pelo que se faz e o entusiasmo para trabalhar cada vez mais forte e se manter em constante especialização são ingredientes frequentes na receita de um homem de negócios bem-sucedido. Mas à medida que algumas emoções são bem-vindas, outras têm sua entrada proibida no tabuleiro do jogo. Principalmente quando se trata de investimentos. A frieza é uma qualidade necessária ao investidor, principalmente no que tange à Renda Variável.

37. Reinvista: a magia dos lucros sobre lucros

Tão ou mais importante que os juros compostos, os lucros compostos são um verdadeiro elevador da riqueza em qualquer planejamento que vise a uma ascensão rápida e exponencial. Dinheiro parado perde valor.

38. Não caia nas "pegadinhas" do mercado

O mercado está cheio de falsas soluções oferecidas aos quatro ventos para pegar pessoas que não se informaram corretamente. Não se esqueça daquela velha regra: o dinheiro que você perde não desaparece simplesmente, ele vai para o bolso de alguém. Sempre que você perdeu dinheiro, é porque alguém, em algum, lugar saiu ganhando. Vamos acompanhar algumas das mais recorrentes pegadinhas que circulam no mercado. Cuidado com taxas de administração e taxas bancárias do que parece ser um lucro mágico, rápido.

39. Monte operações estruturadas

A partir do momento em que nossos investimentos passam a dar retorno e começam a financiar outros investimentos, abre-se um novo momento em nosso planejamento, um momento em que não precisamos mais focar tanta energia em poupar dinheiro em cada evento diário. A economia não pode ser deixada de lado e nosso verdadeiro objetivo a partir de agora deve ser o de acelerar nosso crescimento, de potencializar nossos ganhos. O momento de crescer é agora.

40. Fuja das "mirabolices"

Há uma crescente e benéfica onda no mundo dos negócios pelo incentivo da criatividade, da inovação, do empreendedorismo. É fato: por mais que se explore um modo conhecido de se fazer as coisas, nenhum avanço significativo ocorre a não ser que apareça alguém disposto a mudar, a seguir pelo caminho que ninguém ousou tomar antes. O problema é que às vezes aquele velho chavão, "encontre um nicho de mercado", é tomado como único ponto de apoio dos novos e bem-intencionados empresários. O resultado são frustrações, sonhos desfeitos, gente perdendo a fé em si mesma, operações desastradas. A verdade é que por mais genial que pensemos que nossa ideia seja, há uma grande diferença entre o nível da imaginação e o nível da realidade.

41. Opere somente onde você domina

Esta é uma daquelas regras de ouro que o mercado estabelece para aqueles que se arriscam por seus caminhos: opere somente em áreas que você conhece e domina. É comum que o novo investidor veja oportunidades imperdíveis em todo lugar. Quando se quer enriquecer e se está focado em um objetivo, nossa mente torna-se um radar de grandes chances em potencial, mas se o seu negócio for mecânica e aparecer alguém com uma dica "imperdível" de investimento no setor agrícola, que base você pode ter para aplicar seu dinheiro?

42. Fuja do "win or wall"

"Win or wall", em português “vitória ou muro", é uma expressão que surgiu no automobilismo. Um piloto "win or wall" é aquele que leva a corrida até as últimas consequências, luta para obter a vitória a qualquer custo, não raro perdendo a competição em uma curva ou literalmente demolindo o carro no muro. O piloto "win or wall" é inconsequente, mistura ousadia com irresponsabilidade, e tem vida profissional curta. É comum ouvirmos falar de empresários e investidores "win or wall" nos bastidores do mercado, profissionais que apostam tudo em um único momento. São aqueles que na semana seguinte estão pedindo emprego na sua empresa. Por melhor que seja a oportunidade, por mais certo que seja o lucro, nada justifica o risco de apostar tudo.

43. Não existe licença para deixar de economizar

Você poupou, estudou muito, trabalhou, investiu com informação e responsabilidade, pôs todo o seu talento e seu esforço a serviço de um objetivo claro e o conquistou: começou aquilo que será em alguns anos um belo patrimônio construído com suas próprias mãos, sem a ajuda de ninguém, sem golpes de sorte ou operações ilegais. Você venceu, e sabe o trabalho que foi preciso, portanto sabe muito bem que não pode relaxar. Você sabia que muitas pessoas ainda hoje morrem de tuberculose, uma doença plenamente curável, simplesmente porque deixam de tomar os remédios? A partir do momento em que a medicação começa a fazer efeito, os sintomas vão diminuindo até quase desaparecerem, mas a doença ainda não está curada. Apesar de toda a orientação dos médicos, muitos interrompem a medicação alegando se sentirem bem, e retornam à estaca zero em sua recuperação. É a mesma lógica para o dinheiro: sempre economize.

44. Responsabilidade fiscal: não descuide dos impostos

Os tribunais americanos têm dado exemplos frequentes de como ninguém sai impune quando o assunto é problema com impostos. De astros da NBA a celebridades de Hollywood, os exemplos de multas astronômicas são um recado claro: não há espaço, na sociedade e tampouco no mercado, para quem não é absolutamente correto em suas contas. Nem se trata aqui de má fé. Mas de má informação ou descuido, mesmo. Nunca os deixe de lado.

Notas finais

Dinheiro é algo que interessa a todos nós. E quanto mais, melhor. Ainda assim, nada é conquistado do dia para a noite. São diversos passos, procedimentos e aprendizagens para chegar ao patamar daqueles que têm com o dinheiro uma relação cordial de ajuda mútua. Há muito que se fazer para as finanças renderem mais do que apenas o suficiente para pagar as contas do mês. A hora de mudar os hábitos é agora.

Dica do 12'

Que tal tirar do papel esses ensinamentos e começar a aplicá-los em sua vida financeira para obter melhores resultados e alcançar objetivos cada vez maiores daqui pra frente?

Cadastre-se e leia grátis!

Ao se cadastrar, você ganhará um passe livre de 3 dias grátis para aproveitar tudo que o 12min tem a oferecer.

ou via formulário: